Artigo da seção pessoas Pedro Carlos Rovai

Pedro Carlos Rovai

Artigo da seção pessoas
Cinema  
Data de nascimento dePedro Carlos Rovai: 1938 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Ourinhos) | Data de morte 01-11-2018 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Pedro Carlos Rovai (Ourinhos, São Paulo, 1938). Cineasta, produtor e roteirista. Na adolescência, Pedro Rovai muda-se para São Paulo, onde cursa o Seminário de Cinema, de 57 a 59. Nos anos 1960, após realizar curtas amadores, faz assistência de direção em filmes de Ozualdo Candeias (1918-2007), Luís Sérgio Person (1936-1976) e Rubem Biáfora (1922-1996). No mesmo período, funda a produtora, a Sincro Filmes, que realiza cinejornais e curtas, como o premiado Djanira em Parati.

Em 1969, assume as funções de roteirista, produtor e diretor na comédia de costumes, em episódios, “Adultério à Brasileira”, pela qual recebe o prêmio de diretor revelação, no II Prêmio Air France de Cinema. O filme também lhe rende a Menção Honrosa do Prêmio Governador do Estado de São Paulo, e os prêmios de Melhor Filme, Diretor e Ator (Sérgio Hingst), no Festival de Cinema de São Carlos.

Após escrever e dirigir um dos episódios de Lua-de-Mel e Amendoim (1971), alcança imenso sucesso com seu longa seguinte, a comédia erótica A viúva virgem, que atrai mais de 2,5 milhões de espectadores. O sucesso nas empreitadas seguintes, tanto como diretor [Os mansos (1972), Nem santa nem donzela (1973), Ainda agarro esta vizinha (1974)] quanto como produtor [em filmes de Braz Chediak (1942), Antônio Calmon (1945), Cecil Thiré (1943), entre outros] o estabelece como um dos principais nomes da pornochanchada brasileira.

Ainda na década de 1970, dirige a aventura musical Amante latino, com Sidney Magal (1950), mas a decadência das comédias eróticas o leva cada vez mais a atuar como produtor, em gêneros distintos. Sua última obra como diretor é As tranças de Maria (2003), drama baseado na obra de Cora Coralina (1889-1985)

No século XXI, produz os filmes da série Tainá, que acumula prêmios em festivais nacionais e internacionais (como o 21º Festival Intecnacional de Cinema Infantil de Chicago). Tainá 3 – a origem, exibido em festivais, tem estréia comercial em 2013. 

Análise

Embora fortemente identificado ao auge da pornochanchada, na década de 1970, Rovai é um profissional bastante eclético que, como diretor e produtor, transitou do policial ao drama, da comédia erótica ao cinema infantil.

Com visão bastante crítica sobre o que chama de “cinema oficial” (por exemplo, aquele ligado à Embrafilme), Rovai nunca aceitou o olhar preconceitoso e moralista que rejeitava a pornochanchada. “Nunca vi falarem da chanchada da arquitetura, da política, da economia, dos pronunciamentos oficiais, da devastação florestal, das festas dos frã-finos. Essa chanchada ninguém vê. A chanchada cinematográfica virou bode expiatório...”, afirmou em entrevista ao jornal Movimento, em 1976.

Sempre defendeu um cinema vinculado à realidade e valores contemporâneos da sociedade brasileira, algo que suas comédias não tinham pudor de fazer. Adultério à brasileira (1969), por exemplo, é uma divertida crônica urbana da zona sul carioca e, longe de pornográfico, mostra apenas a penetração “nas intimidades dos moradores de um edifício em Copacabana”1.

Inimá Simões atribui ao sucesso de A viúva virgem o mérito de vencer os últimos bloqueios do circuito exibidor diante das pornochanchadas. O filme “cai no gosto geral, conformando-se ao nosso imaginário sexual, motivando outros títulos sintomáticos da época”.

Já Inácio Araújo elogia a agilidade e o humor de “Ainda agarro essa vizinha” e lamenta que essa “honrada comédia erótica” tenha sido incompreendida pela crítica da época, e jogada na vala comum da pornochanchada.

Notas

1. GOMES, Luiz Paulo. A pornochanchada: uma revolução sexual à brasileira. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2010.

Outras informações de Pedro Carlos Rovai:

  • Outros nomes
    • Pedro Rovai
  • Habilidades
    • Produtor
    • Roteirista
    • diretor de cinema

Obras de Pedro Carlos Rovai: (1) obras disponíveis:

Espetáculos (4)

Fontes de pesquisa (11)

  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996.
  • ARAÚJO, Inácio. Cinema de boca em boca: escritos sobre cinema. Organização e pesquisa Juliano Tosi. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010. (Coleção Aplauso. Série cinema Brasil).
  • BILHARINHO, Guido. Cem anos de cinema brasileiro. Uberaba: Instituto Triangulino de Cultura, 1997.
  • GOMES, Luiz Paulo. A pornochanchada: uma revolução sexual à brasileira. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2010.
  • Morre o produtor Pedro Rovai, aos 80 anos, no Rio. O Globo, Rio de Janeiro, 01 nov. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/filmes/morre-produtor-pedro-rovai-aos-80-anos-no-rio-23205804. Acesso em: 02 nov. 2018.
  • NOVAES, Adauto. Anos 70: ainda sob a tempestade. Rio de Janeiro: Senac, 2005.
  • Programa do Espetáculo - Piaf - 1983.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. 2.ed. São Paulo: Senac, 2004.
  • SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros. São Paulo: Edição do Autor, 2002.
  • SIMÕES, Inimá. Sexo à brasileira. In: Revista Alceu, v.8, n. 15, p. 185-195, jul/dez, 2007.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • PEDRO Carlos Rovai. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa556985/pedro-carlos-rovai>. Acesso em: 12 de Nov. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7