Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Pedro Carlos Rovai

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.10.2019
1938 Brasil / São Paulo / Ourinhos
01.11.2018 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Pedro Carlos Rovai (Ourinhos, São Paulo, 1938). Cineasta, produtor e roteirista. Na adolescência, Pedro Rovai muda-se para São Paulo, onde cursa o Seminário de Cinema, de 57 a 59. Nos anos 1960, após realizar curtas amadores, faz assistência de direção em filmes de Ozualdo Candeias (1918-2007), Luís Sérgio Person (1936-1976) e Rubem Biáfora (192...

Texto

Abrir módulo

Pedro Carlos Rovai (Ourinhos, São Paulo, 1938). Cineasta, produtor e roteirista. Na adolescência, Pedro Rovai muda-se para São Paulo, onde cursa o Seminário de Cinema, de 57 a 59. Nos anos 1960, após realizar curtas amadores, faz assistência de direção em filmes de Ozualdo Candeias (1918-2007), Luís Sérgio Person (1936-1976) e Rubem Biáfora (1922-1996). No mesmo período, funda a produtora, a Sincro Filmes, que realiza cinejornais e curtas, como o premiado Djanira em Parati.

Em 1969, assume as funções de roteirista, produtor e diretor na comédia de costumes, em episódios, “Adultério à Brasileira”, pela qual recebe o prêmio de diretor revelação, no II Prêmio Air France de Cinema. O filme também lhe rende a Menção Honrosa do Prêmio Governador do Estado de São Paulo, e os prêmios de Melhor Filme, Diretor e Ator (Sérgio Hingst), no Festival de Cinema de São Carlos.

Após escrever e dirigir um dos episódios de Lua-de-Mel e Amendoim (1971), alcança imenso sucesso com seu longa seguinte, a comédia erótica A viúva virgem, que atrai mais de 2,5 milhões de espectadores. O sucesso nas empreitadas seguintes, tanto como diretor [Os mansos (1972), Nem santa nem donzela (1973), Ainda agarro esta vizinha (1974)] quanto como produtor [em filmes de Braz Chediak (1942), Antônio Calmon (1945), Cecil Thiré (1943), entre outros] o estabelece como um dos principais nomes da pornochanchada brasileira.

Ainda na década de 1970, dirige a aventura musical Amante latino, com Sidney Magal (1950), mas a decadência das comédias eróticas o leva cada vez mais a atuar como produtor, em gêneros distintos. Sua última obra como diretor é As tranças de Maria (2003), drama baseado na obra de Cora Coralina (1889-1985)

No século XXI, produz os filmes da série Tainá, que acumula prêmios em festivais nacionais e internacionais (como o 21º Festival Intecnacional de Cinema Infantil de Chicago). Tainá 3 – a origem, exibido em festivais, tem estréia comercial em 2013. 

 

Análise

Embora fortemente identificado ao auge da pornochanchada, na década de 1970, Rovai é um profissional bastante eclético que, como diretor e produtor, transitou do policial ao drama, da comédia erótica ao cinema infantil.

Com visão bastante crítica sobre o que chama de “cinema oficial” (por exemplo, aquele ligado à Embrafilme), Rovai nunca aceitou o olhar preconceitoso e moralista que rejeitava a pornochanchada. “Nunca vi falarem da chanchada da arquitetura, da política, da economia, dos pronunciamentos oficiais, da devastação florestal, das festas dos frã-finos. Essa chanchada ninguém vê. A chanchada cinematográfica virou bode expiatório...”, afirmou em entrevista ao jornal Movimento, em 1976.

Sempre defendeu um cinema vinculado à realidade e valores contemporâneos da sociedade brasileira, algo que suas comédias não tinham pudor de fazer. Adultério à brasileira (1969), por exemplo, é uma divertida crônica urbana da zona sul carioca e, longe de pornográfico, mostra apenas a penetração “nas intimidades dos moradores de um edifício em Copacabana”1.

Inimá Simões atribui ao sucesso de A viúva virgem o mérito de vencer os últimos bloqueios do circuito exibidor diante das pornochanchadas. O filme “cai no gosto geral, conformando-se ao nosso imaginário sexual, motivando outros títulos sintomáticos da época”.

Já Inácio Araújo elogia a agilidade e o humor de “Ainda agarro essa vizinha” e lamenta que essa “honrada comédia erótica” tenha sido incompreendida pela crítica da época, e jogada na vala comum da pornochanchada.

 

 

Notas

1. GOMES, Luiz Paulo. A pornochanchada: uma revolução sexual à brasileira. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2010.

Obras 1

Abrir módulo

Eventos relacionados 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996.
  • ARAÚJO, Inácio. Cinema de boca em boca: escritos sobre cinema. Organização e pesquisa Juliano Tosi. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010. (Coleção Aplauso. Série cinema Brasil).
  • BILHARINHO, Guido. Cem anos de cinema brasileiro. Uberaba: Instituto Triangulino de Cultura, 1997.
  • GOMES, Luiz Paulo. A pornochanchada: uma revolução sexual à brasileira. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2010.
  • Morre o produtor Pedro Rovai, aos 80 anos, no Rio. O Globo, Rio de Janeiro, 01 nov. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/filmes/morre-produtor-pedro-rovai-aos-80-anos-no-rio-23205804. Acesso em: 02 nov. 2018.
  • NOVAES, Adauto. Anos 70: ainda sob a tempestade. Rio de Janeiro: Senac, 2005.
  • PIAF, a vida de uma estrela da canção. Rio de Janeiro: [s.n.], 1983. 1 programa do espetáculo realizado em 25 mai. 1983 no Teatro Ginástico.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. 2.ed. São Paulo: Senac, 2004.
  • SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros. São Paulo: Edição do Autor, 2002.
  • SIMÕES, Inimá. Sexo à brasileira. In: Revista Alceu, v.8, n. 15, p. 185-195, jul/dez, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: