Artigo da seção pessoas Márcio Souza

Márcio Souza

Artigo da seção pessoas
Literatura / teatro  
Data de nascimento deMárcio Souza: 04-03-1946 Local de nascimento: (Brasil / Amazonas / Manaus)

Márcio Gonçalves Bentes de Souza (Manaus, Amazonas, 1946). Romancista, dramaturgo, ensaísta, contista e diretor de cinema. A obra de Márcio Souza se destaca pela sua busca constante em desvendar a Amazônia, cuja riqueza cultural e histórica é ignorada pelos próprios brasileiros. O processo de colonização do Norte do país, a exploração do látex na passagem do século XIX para o XX, durante o chamado ciclo da borracha, a questão indígena e os abismos sociais nascidos do embate entre modernidade e arcaísmo na região são a matéria-prima de suas narrativas. 

Filho de um operário gráfico, escreve críticas de cinema para jornais e participa da fundação do Grupo de Estudos Cinematográficos de Manaus. Muda-se para São Paulo em 1965 e ingressa no curso de ciências sociais da Universidade de São Paulo (USP). Na mesma época, trabalha como roteirista para produtores da Boca do Lixo. Publica O Mostrador de Sombras (1967), coletânea de ensaios sobre cinema, dirige o curta-metragem Bárbaro e Nosso (1969), e realiza o filme A Selva (1972). Em 1973 volta a Manaus, ingressa no Teatro Experimental do Sesc (Tesc) e assume um cargo burocrático na Fundação Cultural do Amazonas. 

Marcio Souza estreia na literatura com o romance Galvez, Imperador do Acre (1976). Partilhando do desejo de experimentação que orienta nossa literatura nos anos 1970, sua ficção retoma, sob chave cômica, a tradição brasileira do romance histórico, gênero cultivado no país desde o romantismo por autores como José de Alencar (1829-1877). Satirizando episódios da história da Amazônia, Galvez, Imperador do Acre, seu mais famoso livro, narra a trajetória de Luiz Galvez, aventureiro espanhol que chega ao Brasil e é coroado imperador do Acre depois de cumprir inúmeras peripécias. Valendo-se de recursos como a colagem e o fragmento, a paródia e o burlesco, o hibridismo entre a linguagem jornalística e literária, o livro mantém um vivo diálogo com o movimento modernista brasileiro, sobretudo com as ideias de Oswald de Andrade (1890-1954).

Outro livro de sucesso de Márcio Souza é Mad Maria (1980), adaptado para uma minissérie televisiva em 2005. Por meio da conjunção de personagens e fatos fictícios e reais, o livro narra a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré, ocorrida entre 1907 e 1912, para integrar a Amazônia brasileira à Bolívia. O título da obra faz referência à locomotiva a vapor, apelidada no Brasil, no início do século XX, de Maria Fumaça, e ao ambiente de insanidade que sua chegada promove. Em um calor infernal e com grandes desafios naturais (como a infestação de escorpiões após as chuvas), os trabalhadores, de diferentes etnias, envolvem-se em constantes conflitos por motivos banais, que demonstram o abandono de leis, regras e da própria razão; o que explica o nome louca (mad, em inglês) Maria.

Entre 1981 e 1982, publica em folhetim A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi, no jornal Folha de S.Paulo. Transfere-se para o Rio de Janeiro em 1983 e lança o romance A Ordem do Dia (1983). Em 1984 funda a editora Marco Zero. Intelectual engajado, também redige ensaios sobre problemas culturais e sociais da Amazônia, como A Expressão Amazonense (1978) e O Empate contra Chico Mendes (1986). Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), dirige o Departamento Nacional do Livro e a Fundação Nacional de Artes (Funarte). 

Publica a tetralogia Crônicas do Grão-Pará e Rio Negro, composta dos romances Lealdade (1997), Desordem (2001), Revolta (2005) e Derrota (2006). Essa obra apresenta, por meio de ficção, momentos históricos relevantes do Pará, explorando especialmente o movimento da Cabanagem, ocorrido entre 1783 e 1840. É considerada, ao lado da trilogia O Tempo e o Vento (1949-1962), de Érico Veríssimo (1905-1975), uma das obras brasileiras que fazem um grande painel sobre um momento histórico nacional importante. Registrando a reação do Norte à tentativa de unificação do território e de construção de uma identidade nacional, Márcio Souza mostra o desejo de independência dessa região e sua discordância com o centro político-cultural brasileiro da época, um momento, de certa forma, apagado pela história tradicional que narra o forjar da nação brasileira. 

Em 2009, lança o livro História da Amazônia: do período pré-colombiano aos desafios do século XXI. Fruto de duas décadas de pesquisa, o livro compila a história da Amazônia, desde a chegada do Homo sapiens, há 40 mil anos, até os dias de hoje. De acordo com o autor, a ideia de escrever a obra nasce de sua experiência docente na Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, no final da década de 1990, quando ministra alguns cursos e descobre não há nenhuma obra em que a história da Amazônia é compilada e consolidada.

Uma das mais importantes vozes da moderna literatura brasileira, Márcio Souza é dono de uma obra variada, que transita por diferentes gêneros e linguagens artísticas, tendo no romance, no teatro e no ensaio histórico-sociológico seus principais veículos de expressão e desenvolvimento. Ainda que diversificada, sua produção é atravessada pelo tema constante da história da região amazônica. A partir de seu olhar, o Brasil e o mundo podem desbravar a Amazônia e conhecer a riqueza de sua história e de seu povo.

Outras informações de Márcio Souza:

  • Outros nomes
    • Márcio Gonçalves Bentes de Souza
    • Márcio de Souza
  • Habilidades
    • Escritor
    • empresário
    • Autor
    • Dramaturgo
    • Romancista
    • Jornalista
    • ensaísta
    • Cineasta
    • Diretor de cinema
    • Contista

Obras de Márcio Souza: (1) obras disponíveis:

Espetáculos (9)

Eventos relacionados (5)

Fontes de pesquisa (15)

  • CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela pedra e outros ensaios. São Paulo: Duas Cidades, 1980. p. 241-260
  • CARVALHO, João Carlos de. Amazônia revisitada: de Carvajal a Márcio Souza. (Tese de doutorado), Universidade Estadual Paulista (Unesp), 2001.
  • CUNHA, Rodrigo. Mad Maria (Resenha). Revista Comciência, 10 abr. 2004. Disponível em: <http://www.comciencia.br/dossies-1-72/200404/resenhas/resenha2.htm>. Acesso em: 12 set. 2020.
  • Disponível em: [http://www.garamond.com.br/node.php?id=180]. Acesso em 11/06/04. Garamond
  • ERICO Verissimo. Grupo Companhia das Letras. Disponível em: <https://www.companhiadasletras.com.br/autor.php?codigo=01492>.  Acesso em: 12 set. 2020.
  • GOMES, Maria Letícia. Como nuvens que jamais seriam chuvas: A história, a escrita literária e a memória da Cabanagem nas Crônicas do GrãoPará e Rio de Negro de Márcio Souza. 2017. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2017. Disponível em: https://sistemas.furg.br/sistemas/sab/arquivos/bdtd/0000011492.pdf. Acesso em: 12 set. 2020.
  • LIMA, Simone de Souza. A literatura da Amazônia em foco: ficção e história na obra de Márcio Souza. (Tese de doutorado), Universidade de São Paulo (USP), 2000.
  • MAAKAROUN, Bertha. Manauara, escritor Márcio Souza revela: 'As pessoas da região têm mágoa do Brasil'. Entrevistado: Márcio Souza. Estado de Minas, [s.l.], 27 set. 2019. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2019/09/27/interna_pensar,1088322/marcio-souza-lanca-livro-sobre-historia-da-amazonia.shtml. Acesso em: 12 set. 2020.
  • MACHADO, Cassiano Elek. Márcio Souza remexe história esquecida. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 jul. 1997. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1997/7/12/ilustrada/12.html. cesso em: 12 set. 2020.
  • MAD Maria, o romance. Carta Maior, [s.l.], 16 fev. 2005. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Midia-e-Redes-Sociais/Mad-Maria-o-romance/12/7178. Acesso em: 12 set. 2020.
  • SIMÕES, Eduardo. Obra do amazonense Márcio Souza é tema. Folha de S. Paulo, São Paulo, 5 dez. 2005. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0512200509.htm.  Acesso em: 12 set. 2020.
  • SOUZA, Márcio. Entrevista de Márcio Souza ao Jornal Rascunho, set. 2011. Disponível em: http://rascunho.gazetadopovo.com.br/marcio-souza/. Acesso em: 08 dez. 2014
  • SOUZA, Márcio. Entrevista de Márcio Souza ao Programa Roda Viva, TV Cultura, em 4 jun. 1990., Disponível em: http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/457/entrevistados/marcio_souza_1990.htm. Acesso em: 08 dez. 2014
  • SOUZA, Márcio. Márcio Souza. [Entrevista cedida a] Rodolfo Konder. Memória Roda Viva. Fundação Padre Anchieta: São Paulo, 4 jun. 1990. Disponível em: http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/457/entrevistados/marcio_souza_1990.htm. Acesso em: 18 nov. 2020.
  • SOUZA, Márcio. Site oficial. Disponível em: www.marciosouza.com.br. Acesso em: 08 dez. 2014

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MÁRCIO Souza. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa5552/marcio-souza>. Acesso em: 16 de Abr. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7