Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Anna Letycia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.09.2021
25.09.1929 Brasil / Rio de Janeiro / Teresópolis
30.10.2018 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Caracol, 1968
Anna Letycia
Ponta-seca, relevo, recortes, c.i.d.
68,00 cm x 63,00 cm

Anna Letycia Quadros (Teresópolis, Rio de Janeiro, 1929 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018). Gravadora. Seus trabalhos se caracterizam pela economia de traços, pelo uso criterioso da cor e pela leveza sugerida pelas formas sólidas.

Texto

Abrir módulo

Anna Letycia Quadros (Teresópolis, Rio de Janeiro, 1929 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018). Gravadora. Seus trabalhos se caracterizam pela economia de traços, pelo uso criterioso da cor e pela leveza sugerida pelas formas sólidas.

Inicia estudos de desenho e pintura com Bustamante Sá (1907-1988), na Associação Brasileira de Desenho, no Rio de Janeiro, e, na década de 1950, frequenta vários cursos de gravura, tendo como professores André Lhote (1885-1962), Darel (1924), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), e Iberê Camargo (1914-1994), no Instituto Municipal de Belas Artes. Realiza curso de xilogravura com Oswaldo Goeldi (1895-1961), na Escolinha de Arte do Brasil, e de pintura com Ivan Serpa (1923-1973), com quem participa da criação do Grupo Frente. Nessa década, passa a trabalhar exclusivamente com gravura em metal.

Em 1959, Anna Letycia frequenta o ateliê do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), coordenado pela artista Edith Behring (1916-1996). É convidada a lecionar gravura no ateliê desse museu, atividade que exerce entre 1960 e 1966. Dentro desse período, dá aulas de gravura em Santiago, onde recebe o título de professor honoris causa da Pontifícia Universidade Católica do Chile, em 1961.

Na produção de Anna Letycia, a afinidade com a obra de Goeldi  pode ser percebida no clima soturno de algumas gravuras e na ligação com o expressionismo. A artista utiliza frequentemente a imagem do caracol, motivo para geometrizações e múltiplas combinações formais, como em Caracol (1965), obra na qual, através das formas espiraladas, explora sugestões de positivo e negativo, claro e escuro, densidade e transparência.

A partir de 1968, inclui a caixa como novo elemento formal em suas obras, e como símbolo da dualidade interior/exterior. Em Caixa Voadora (1968) associa às formas espirais e cúbicas sugestões de motivos decorativos arquitetônicos. De uma produção inicial ligada a formas da natureza, a artista passa a criar obras abstratas, revelando constante pesquisa técnica e formal.

Em 1977, Anna Letycia instala em Niterói a Oficina de Gravura, no Museu do Ingá, que coordena até 1998. Desenvolve ainda atividades de cenógrafa e figurinista, e atua principalmente em parceria com a diretora Maria Clara Machado (1921-2001). Em 1998, é publicado o livro Anna Letycia, de Angela Ancora da Luz, pela Editora da Universidade de São Paulo.

Obras 20

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Cais do Porto

Pastel seco sobre papel
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Caixa Voadora

Água-tinta, ponta-seca, relevo
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Caixas

Água-tinta, água-forte e ponta-seca
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Caracol

Ponta-seca, relevo
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Caracol

Água-tinta, processo guache

Espetáculos 35

Abrir módulo

Exposições 250

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Anna Letycia - Enciclopédia Itaú Cultural
“Acho que sempre roda o meu mundo, sou muito interiorizada, não muito verbalizante.” Assim a artista Anna Letycia define a origem de seu trabalho, que começou com a pintura e migrou para a gravura. Na década de 1950, foi discípula de Iberê Camargo, que admira pela rigidez com que lecionava. As obras de Anna Letycia revelam fragmentos de seu mundo particular e misterioso. Brincam com dualidades geométricas, o claro e o escuro, luzes e sombras, primeiro com elementos da natureza, como formigas, pássaros, raízes e plantas, passando por formas espiraladas de caracóis, texturas com metal, relevos e tintas oxidadas até caixas abertas e fechadas. Em suas gravuras, até a própria matriz recebe recortes, “porque ela não é inerte, também tem forma e por isso também precisa se pronunciar”, explica.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • AMARAL, Aracy (org.). Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: perfil de um acervo. Texto Aracy Amaral, Sônia Salzstein. São Paulo: Techint Engenharia, 1988. 391 p., il.color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GRAVURA brasileira hoje: depoimentos. Organização Heloisa Pires Ferreira e Maria Luisa Luz Távora; entrevistas Anna Letycia, Antônio Grosso, Carlos Scliar, Dionísio del Santo; Edith Behring; Marília Rodrigues. Rio de Janeiro: Oficina de gravura SESC-Tijuca, 1995. v.1.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LETYCIA, Anna. Gravuras 1955 /1996. Comentário Jorge Amado; texto Antonio Bento, Frederico Morais, Roberto Pontual, Aníbal Machado; curadoria Alex Gama; fotografia Vicente de Mello; projeto gráfico Silvia Filgueiras Steinberg, Marcellus Schnell. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1996. [21] p., il. p&b, color.
  • LETYCIA, Anna. Gravuras de Anna Letycia. Texto Ferreira Gullar. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2008. [24] p., il.
  • LUZ, Angela Azevedo B. Ancora da. Anna Letycia. São Paulo: Edusp, 1998. (Coleção Artistas Brasileiros).
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • THE ORIGINAL and its reproduction: a "Melhoramentos" project. Texto José Neistein. Washington: Brazilian-American Cultural Institute, 1977. 16 p., il. color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: