Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Maurice Capovilla

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.05.2021
16.01.1936 Brasil / São Paulo / Valinhos
30.05.2021 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Maurice Carlos Capovilla (Valinhos, São Paulo, 1936 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021). Diretor de cinema, roteirista e professor. Seus documentários e narrativas ficcionais têm como questões centrais a sobrevivência e as condições de vida do povo brasileiro inserido no sistema capitalista.

Texto

Abrir módulo

Maurice Carlos Capovilla (Valinhos, São Paulo, 1936 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021). Diretor de cinema, roteirista e professor. Seus documentários e narrativas ficcionais têm como questões centrais a sobrevivência e as condições de vida do povo brasileiro inserido no sistema capitalista.

Cresce em Campinas e muda-se para São Paulo aos 21 anos. No fim dos anos 1950, frequenta a filmoteca do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), um dos primeiros cineclubes de São Paulo, ao lado dos críticos e diretores de cinema Jean-Claude Bernardet (1936) e Gustavo Dahl (1938-2011). Entre 1958 e 1961, cursa filosofia na Universidade de São Paulo (USP) e, ainda estudante, trabalha como repórter do jornal O Estado de S. Paulo e no departamento de difusão de filmes da Cinemateca Brasileira.

Em 1962, dirige seu primeiro curta-metragem, União. Em 1963, estagia no Instituto de Cinematografia da Universidade do Litoral de Santa Fé, na Argentina, onde cursa direção e produção documentária. Ao retornar ao Brasil, grava Meninos do Tietê (1963), que no mesmo ano recebe o prêmio de melhor filme na 1ª Semana Latino-Americana de Cinema Documental, em Buenos Aires. Trabalha como repórter no jornal Última Hora até o início do ano seguinte. 

Após a saída do jornal, realiza o documentário Subterrâneos do Futebol (1964), com produção do húngaro Thomas Farkas (1924-2011). Nesse filme, Capovilla analisa o futebol brasileiro com base em suas práticas extracampo e apresenta o ângulo pouco glorioso da vida de jogadores que fazem parte desse mercado esportivo. Em 1965, lança o documentário Esportes no Brasil. Entre 1965 e 1967, trabalha como editor e crítico cinematográfico no Jornal da Tarde. Nesse período, torna-se professor na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

Em 1967, escreve, dirige e produz seu primeiro longa-metragem, Bebel, Garota Propaganda, baseado em um conto do escritor Ignácio de Loyola Brandão (1936). Com ele, Rossana Ghessa (1943) ganha o prêmio de melhor atriz no Festival de Brasília de 1967. Como em Subterrâneos do Futebol, essa narrativa também apresenta os bastidores de mercados sofisticados, ao retratar a história de uma moça pobre contratada como modelo de anúncio de sabonetes e que passa a alimentar sonhos de riqueza e sucesso. O curto êxito da personagem provoca a reflexão acerca da descartabilidade das pessoas quando não há mais interesse mercadológico e o questionamento dos valores veiculados pela indústria cultural, além de retratar a banalização da mulher.

Em 1968, participa do Comitê Internacional do Cinema Novo para lutar contra a censura. Em 1970, dirige seu segundo longa, O Profeta da Fome, premiado no mesmo ano com o melhor argumento e roteiro no Festival de Brasília e melhor filme no Prêmio Molière no Air France do Cinema. O filme é inspirado no texto Estética da Fome, do diretor de cinema Glauber Rocha (1939-1981), e dialoga com o cinema marginal, que surge como um movimento de produções baratas e sem muitas condições técnicas. O longa debate a inserção do próprio artista na indústria cultural por meio da história do faquir de um circo interiorano em decadência. O personagem se transforma numa espécie de “santo” graças à “industrialização de sua fome”, o que converte sua desgraça em atração popular. Com cenas de canibalismo, o filme retrata a submissão da plateia ante um espetáculo de degradação e a trágica sobrevivência dos circenses. Formalmente, incorpora a narrativa fragmentada do cinema moderno e a metalinguagem.

Dirige O Jogo da Vida em 1977, que garante o Kikito do Festival de Gramado de melhor atriz coadjuvante para Myriam Muniz (1931-2004), em 1978. O filme, que é uma adaptação do conto Malagueta, Perus e Bacanaço, do jornalista João Antônio (1937-1996), aborda a vida de três marginais que, em busca de sobrevivência, pretendem tirar proveito de um jogo de sinuca. 

Trabalha também para emissoras de TV. Na Rede Globo, é diretor da série Globo Shell (1971) e do Globo Repórter (1972-1975). Na Rede Bandeirantes (1981-1983), é diretor de núcleo e exibe os primeiros telefilmes brasileiros. 

Em 2003, lança o longa Harmada, uma adaptação do romance de João Gilberto Noll (1946-2017). Com algumas características comuns em relação aos filmes anteriores, o último longa tem como traço distintivo a abordagem da questão existencial. A representação da trajetória de um ator, o personagem central, conta com traços do surrealismo, por ter uma trama desconexa, com personagens que desaparecem no meio do filme sem explicações, o que faz o espectador pensar sobre a efemeridade da vida. Filmada propositalmente com câmera improvisada, a narrativa sugere o papel da arte como o verdadeiro caminho para atingir a liberdade humana.

Com narrativas de cunho épico e o convite ao público para a reflexão sobre as desigualdades sociais, a obra de Maurice Capovilla se dedica a representar as circunstâncias de vida num país da periferia do capitalismo.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.
  • CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. Maurice Capovilla: um cinema de reflexão. Organização Dolores Papa. Rio de Janeiro: MD Produções, 2006.
  • EDUARDO, André Gustavo de Paulo; CORAÇÃO, Cláudio Rodrigues. Cinema de Picardia: o Conto “Malagueta, Perus e Bacanaço” Transmutado em “O Jogo da Vida”, de Maurice Capovilla. Novos Olhares, São Paulo, v. 5, n. 1, pp. 17-28, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/view/110895/115362. Acesso em: 19 ago. 2020.
  • FILME B. Site. Disponível em: http://www.filmeb.com.br/quemequem/html/QEQ_profissional.php?get_cd_profissional=PE309. Acesso em: 17 jan. 2012
  • MATTOS, Carlos Alberto. Maurice Capovilla: a imagem crítica. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
  • MENDONÇA, Alba Valéria e SILVEIRA, Daniel. Morre no Rio o cineasta, diretor, roteirista, ator e produtor Maurice Capovilla, o 'Capô', aos 85 anos. G1 Rio. Rio de Janeiro, 30 mai. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2021/05/30/morre-no-rio-o-cineasta-diretor-roteirista-ator-e-produtor-maurice-capovilla-o-capo-aos-85-anos.ghtml. Acesso em: 30 mai. 2021.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Fome de bola: cinema e futebol no Brasil. Apresentação Hubert Alquéres. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.
  • RAMOS, Fernão; MIRANDA, Luiz Fernando. Enciclopédia de cinema brasileiro. 2ª edição. São Paulo: Editora Senac, 2004.
  • VIANY, Alex. O processo do cinema novo. Organização de José Carlos Avellar. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999. p. 343-350.
  • XAVIER, Ismail; BERNARDET Jean-Claude; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: