Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Elis Regina

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.05.2021
17.03.1945 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
19.01.1982 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Elis Regina, 1972

Elis Regina Carvalho Costa (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1945 – São Paulo, São Paulo, 1982). Cantora. Ao longo de sua trajetória, Elis valoriza novos compositores e aponta caminhos para a música popular brasileira (MPB), explorando não apenas os recursos técnicos de sua voz, mas também múltiplas formas de expressão. Na medida em que modifica...

Texto

Abrir módulo

Elis Regina Carvalho Costa (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1945 – São Paulo, São Paulo, 1982). Cantora. Ao longo de sua trajetória, Elis valoriza novos compositores e aponta caminhos para a música popular brasileira (MPB), explorando não apenas os recursos técnicos de sua voz, mas também múltiplas formas de expressão. Na medida em que modifica elementos estruturais da canção, torna-se coautora daquilo que interpreta.

Criada em um bairro operário de Porto Alegre, estuda piano por dois anos, o que contribui para sua iniciação teórica. Seu maior aprendizado, contudo, se dá com a escuta de cantores do rádio, como Ângela Maria (1929-2018) e Cauby Peixoto (1931-2016), dos quais assimila a afinação, o controle da respiração e o uso de vibratos. Aos 11 anos inicia como caloura no programa Clube do Guri, na Rádio Farroupilha, e é contratada como cantora três anos mais tarde pela Rádio Gaúcha. Com a inauguração da TV Gaúcha em 1962, torna-se também parte de seu elenco. Atua como crooner em bailes e grava quatro LPs entre 1961 e 1964. Essas experiências lhe possibilitam não apenas amadurecer suas qualidades vocais como também adquirir prática de palco e adaptar-se a diferentes formações instrumentais.

Com sua mudança para o Rio de Janeiro em 1964, trava contato com a cena musical do reduto boêmio do Beco das Garrafas, num momento de transformações significativas do samba e da bossa nova. Além da influência do hot jazz na formação piano-baixo-bateria, um canto mais extrovertido passa a ser valorizado – o que vai ao encontro do estilo vocal de Elis –, bem como o gestual enérgico. Com o coreógrafo americano Lennie Dale (1934-1994), a cantora aprende uma nova maneira de se movimentar no palco, influenciada pelos musicais da Broadway. A interpretação expansiva e a fusão com o hot jazz nos arranjos se faz presente em seu álbum Samba Eu Canto Assim (1965), e a performance gestual é incorporada em sua interpretação da canção “Arrastão” (1965), de Edu Lobo (1943) e Vinicius de Moraes (1913-1980), vencedora do 1º Festival Nacional da Música Popular Brasileira, em 1965. O mesmo vigor é levado para sua atuação na TV Record, em São Paulo, no programa O Fino da Bossa, apresentado em parceria com o cantor Jair Rodrigues (1939-2014), de modo a causar impacto não só na audiência ao vivo, mas também no público telespectador.

Devido a sua habilidade técnica e intuição musical, Elis é capaz de transformar canções quase inexpressivas em obras de grande comunicação com o público, como “Upa, Neguinho” (1966), de Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), a princípio composta como uma espécie de vinheta que costura números poéticos e musicais da peça Arena Conta Zumbi (1965). Na releitura de Elis, a canção recebe arranjo que privilegia o aspecto rítmico, breques com percussão e acentuado com palmas.

Na década de 1970, já tendo realizado turnês e gravado discos no exterior, a cantora atinge uma maturidade musical que lhe permite se libertar de algumas posições, como a aversão à jovem guarda. Em 1970, registra “As Curvas da Estrada de Santos”, de Roberto Carlos (1941) e Erasmo Carlos (1941), que, em sua interpretação, aproxima-se a um blues, com vocal “rasgado”. Em outras canções, a cantora dialoga com o rock, o pop e a soul music. Em seu repertório convivem músicas efusivas e dançantes com outras mais intimistas, como “Águas de Março” (1972). Nesta versão, Elis cria acentuações rítmicas e contornos melódicos que influenciam as gravações posteriores de vários intérpretes, inclusive do próprio compositor Tom Jobim (1927-1994), quando eles registram a canção em dueto no LP Elis & Tom (1974). Em 1975, a cantora dedica-se à concepção do espetáculo Falso Brilhante (1976), que faz uma retrospectiva de sua vida e obra até aquele momento. A cantora inova ao empreender um trabalho de criação coletivo, incluindo elementos como a canción latino-americana e músicas de compositores estreantes, como Belchior (1946-2017).

Além de vivenciar as mudanças nos meios de divulgação musical, a obra de Elis é atravessada pelas tensões políticas de sua época, quer pela censura da ditadura civil-militar vigente no país, quer pela cobrança de posicionamentos contra a repressão, o que a leva a adotar uma postura mais politizada. Uma das canções mais emblemáticas de sua carreira é o samba “O Bêbado e a Equilibrista” (1979), de João Bosco (1946) e Aldir Blanc (1943), composição que se torna conhecida na época como “hino da anistia”1.

Nos anos 1980, a cantora se aproxima ao universo do pop, incorporando a sonoridade dos sintetizadores em seus discos. Além de estreitar o diálogo com compositores do Clube da Esquina, já presentes em seus trabalhos da década anterior, Elis grava a canção “Alô, Alô, Marciano” (1980), de Rita Lee (1947) e Roberto de Carvalho (1952), imprimindo à sua versão diversas nuances nas frases ditas com afetação e em subtextos que intensificam a ironia e o deboche à alta sociedade. As variações de timbre também estão presentes em “Aprendendo a Jogar”, de Guilherme Arantes (1953), na qual a cantora expressa diversas intenções em uma mesma frase, cantada com entonações diferentes.

A diversidade do repertório e das formas de interpretar de Elis Regina mostra uma artista que se reinventa constantemente ao longo de sua trajetória, que se desenrola em meio a um cenário de grandes mudanças na cultura musical brasileira e em seu circuito de produção e difusão.

 

Nota:

1. A música fica conhecida como um hino informal de resistência à ditadura antes da aprovação da Lei da Anistia de 1979, que permite a volta de brasileiros exilados.

Obras 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • ECHEVERRIA, Regina. Furacão Elis. São Paulo: Globo, 1994.
  • ELIS Regina. Site Oficial da Artista. Disponível em: http://www.elisregina.com.br/. Acesso em: 9 abr. 2020.
  • FARIA, Arthur de. Elis: uma biografia musical. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2015.
  • LOPES, Andrea Maria Vizzotto Alcântara. “Vivendo e aprendendo a jogar”: as tensões entre arte e mercado na trajetória de Elis Regina (1958-1982). 2015. 445 f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
  • LUNARDI, Rafaela. Em busca do “Falso Brilhante”: performance e projeto autoral na trajetória de Elis Regina. São Paulo: Intermeios Casa de Cultura, 2015.
  • MARIA, Julio. Elis Regina: nada será como antes. São Paulo: Master Books, 2015.
  • MELLO, Zuza Homem de. A era dos festivais: uma parábola. São Paulo: Editora 34, 2003.
  • NAPOLITANO, Marco. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na trajetória da música popular brasileira (1959-1969). São Paulo: Annablume: Fapesp, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: