Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Renato Russo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.09.2019
27.03.1960 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
11.10.1996 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Renato Manfredini Junior (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1960 – Idem, 1996). O interesse pela música começa na infância. Aos 7 anos, em viagem aos Estados Unidos, traz na bagagem discos da banda britânica The Beatles, uma das que influenciam sua música. Dois anos depois, muda-se para Curitiba e, em seguida, para Brasília. Em 1977, conhece o pun...

Texto

Abrir módulo

Renato Manfredini Junior (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1960 – Idem, 1996). O interesse pela música começa na infância. Aos 7 anos, em viagem aos Estados Unidos, traz na bagagem discos da banda britânica The Beatles, uma das que influenciam sua música. Dois anos depois, muda-se para Curitiba e, em seguida, para Brasília. Em 1977, conhece o punk rock de grupos como Sex Pistols e tem contato com uma turma que se reúne para conversar sobre música. Dela, fazem parte o cantor Herbert Vianna (1961), do grupo Paralamas do Sucesso, e o baixista André Mueller, do Plebe Rude. 

Em 1979, forma sua primeira banda Aborto Elétrico, tocando baixo e cantando, ao lado dos amigos André Pretorious (1961-1988), na guitarra, e Fê Lemos (1962), na bateria. Adota o nome artístico Russo em homenagem a dois pensadores, o francês Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) e o britânico Bertrand Russel (1872-1970), e ao pintor francês Henri Rousseau (1844-1910). A banda acaba em 1981, e Renato adota o codinome Trovador Solitário, abrindo shows de amigos com voz e violão.

Em 1983, forma a Legião Urbana, projeto dele e do baterista Marcelo Bonfá (1965), ao qual se juntam o guitarrista Eduardo Paraná e o tecladista Paulo Paulista. Os dois últimos, deixam a banda em pouco tempo, e Dado Villa-Lobos (1965) assume a guitarra. O grupo lança o primeiro álbum, Legião Urbana, em 1985, com Renato Rocha (1961) no baixo. Músicas como “Será”, “Ainda é Cedo”, “Soldados” e “Geração Coca-Cola” tornam-se sucessos. Em 1986, lançam Dois, com as músicas “Índios”, “Eduardo e Mônica” e “Tempo Perdido”. Em 1987, gravam Que País é Este? 1978/1987, com composições do repertório do Aborto Elétrico e do Trovador Solitário. 

A banda passa a se apresentar ao vivo com menos regularidade e, em 1989, grava o disco As Quatro Estações, já sem Renato Rocha. As músicas do álbum são frequentes nas rádios, entre elas, “Há Tempos”, “Monte Castelo” e “Quando o Sol Bater Na Janela do Seu Quarto”. 

Entre momentos de depressão de Renato Russo e luta contra o alcoolismo, sai Legião Urbana V (1991) e O Descobrimento do Brasil (1993). Em 1994, Renato Russo estreia carreira solo em The Stonewall Celebration Concert, com releituras de canções em inglês. O título do álbum faz referência aos conflitos entre manifestantes e polícia que marcam o início do movimento de militância gay em Nova York, em junho de 1969. No ano seguinte, mais um álbum solo: Equilíbrio Distante (1995), com sucessos pop da Itália, como “La Solitudine”, de Laura Pausini (1974), que lança a cantora no Brasil.

Após sua morte, são lançados trabalhos póstumos como discos de duetos, sobras de gravações em estúdio e releituras de outras bandas de suas composições, entre eles, Presente (2003), Duetos (2010) e Viva Renato Russo 20 anos (2016).

Eventos relacionados 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ALEXANDRE, Ricardo. Dias de Luta: o rock e o Brasil dos anos 80. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2002.
  • ANTUNES, Alex. Legião Errante. Bizz, São Paulo, ed. 78, jan. 1992.
  • DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. São Paulo: Editora 34, 1995.
  • MARCELO, Carlos. Renato Russo: o filho da revolução. Rio de Janeiro: Agir, 2009.
  • MOTTA, Nelson. Noites tropicais: solos, improvisos e memórias musicais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.
  • ZOBARAN, Felipe. O descobrimento do poeta. Bizz, São Paulo, p. 26-37, maio de 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: