Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Pedro Paulo de Melo Saraiva

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.10.2019
1933 Brasil / Santa Catarina / Florianópolis
16.08.2016 Brasil / São Paulo / São Paulo
Pedro Paulo de Melo Saraiva (Florianópolis, Santa Catarina, 1933 – São Paulo, São Paulo, 2016). Arquiteto, urbanista e professor. Ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie (FAU/Mackenzie) em 1951, formando-se em 1955. No ano seguinte, funda seu escritório, trabalhando em parceria com diversos arquit...

Texto

Abrir módulo

Pedro Paulo de Melo Saraiva (Florianópolis, Santa Catarina, 1933 – São Paulo, São Paulo, 2016). Arquiteto, urbanista e professor. Ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie (FAU/Mackenzie) em 1951, formando-se em 1955. No ano seguinte, funda seu escritório, trabalhando em parceria com diversos arquitetos e, em sociedade, com Sérgio Ficher e Henrique Cambiaghi Filho de 1973 a 1990. Em 1996, cria nova sociedade com os arquitetos Pedro de Melo Saraiva, seu filho, e Fernando de Magalhães Mendonça. Destaca-se pelos concursos públicos e privados vencidos, além da qualidade e importância de sua obra. É agraciado com o Colar de Ouro do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) de 2003. Paralelamente ao escritório de arquitetura, atua como diretor do Centro de Planejamento da Universidade de Brasília (Ceplan/UnB) entre 1968 e 1969; coordenador do Escritório Catarinense de Planejamento Integrado (Esplan/SC) entre 1969 e 1973; diretor da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb) de São Paulo de 1971 a 1973; e coordenador regional dos Programas de Desenvolvimento Urbano do Banco Nacional de Habitação (BNH), em São Paulo e Mato Grosso nos anos de 1974 a 1982. Dedica-se também ao ensino, como professor de projeto das faculdades de arquitetura e urbanismo das universidades de São Paulo (1962-1975), de Brasília (1968-1969), de Santos (1990-1993), da Presbiteriana Mackenzie desde 1992 e da Anhembi Morumbi desde 1999.

 

Análise

Pedro Paulo de Melo Saraiva é dono de uma obra vasta e diversificada que engloba edifícios residenciais, comerciais, de serviços, administrativos, escolares, esportivos e de lazer em São Paulo, Santa Catarina e Brasília. A espacialidade e expressão plástica de suas obras são definidas pela estrutura. Essa definição é feita à maneira dos arquitetos da chamada Escola Paulista e tem como referência, o arquiteto Vilanova Artigas (1915-1985). A principal característica da produção dos arquitetos designados sob esse termo é deixar à mostra o material empregado (o concreto armado) de modo a revelar didaticamente as soluções encontradas para sua construção e sustentação, privilegiando a fluidez e a integração dos espaços.

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (1957) é realizada com Paulo Mendes da Rocha (1928) e Alfredo S. Paesani (1931-2010). O projeto se desenvolve sob a laje nervurada de concreto armado da cobertura e de uma esplanada elevada do solo que separa a circulação do público da dos deputados, servidores e profissionais de imprensa. A horizontalidade e a fluidez dessa esplanada é interrompida pelo volume opaco do auditório, um tronco de cone1 também em concreto armado. Se nesse edifício a estrutura também se define pelo sistema de pilares e vigas, na Escola de Administração Fazendária (1974), em Brasília, a plasticidade do concreto armado é explorada de maneira mais radical. O concreto funde-se com a cobertura, estrutura e vedação num desenho sinuoso, ainda que marcado pela horizontalidade e pelo peso da matéria. 

No Paço Municipal de Florianópolis (1977, não construído), concebido com Sérgio Ficher e Henrique Cambiaghi Filho, o arquiteto também adota uma grande cobertura em concreto armado com iluminação zenital2. Sob ela, desenvolve o projeto em níveis articulados por rampas e um vazio central. Neste edifício, inova ao tratar de modo diferenciado a linha de pilares externos, atrelando-os a elementos horizontais que protegem as fachadas de vidro da incidência solar. Além da função estrutural e de conforto térmico, esses elementos desenham as fachadas do paço. O mesmo ocorre com o Palácio da Justiça do Estado de Santa Catarina (1968), realizado com Francisco Petracco e Sami Bussab, e os edifícios Capitânia (1973) e Acal, concebidos com Ficher e Cambiaghi. Neste último, a fusão entre técnica e estética proposta pelo arquiteto alcança o ponto mais alto. Os esforços da estrutura são absorvidos por tirantes e treliças em forma de cruz, que assumem também a função de brises-soleils [quebra-sóis] e garantem uma expressão didática e poética. Esse efeito é recuperado com sucesso na Sede da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp), 1975, em Taboão da Serra, com a colaboração do arquiteto Setsuo Kamada.

 

 

Notas

1. Em geometria, chama-se tronco de cone a forma obtida pelo corte de um cone, paralelo à base, originando dois planos paralelos (ou duas bases) de diâmetros diferentes, um maior e outro menor. 

2. Iluminação feita com luz natural passando por aberturas que podem ser de diferentes tipos, localizadas no teto de uma construção.

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • KAMITA, João Masao. Vilanova Artigas. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. 127 p., il. color., p&b. (Espaços da Arte Brasileira).
  • LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Arquitetura brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1979.
  • Morre arquiteto Pedro Paulo de Melo Saraiva aos 83 anos. Folha de S. Paulo, 16 ago. 2016. Ilustrada. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/08/1803495-morre-arquiteto-pedro-paulo-de-melo-saraiva-aos-83-anos.shtml. Acesso em: 16 ago. 2016.
  • SABBAG, Haifa Yazigi. A estrutura como expressão da arquitetura. Projeto Design, São Paulo, n. 278, abr. 2003. p. 24-27
  • SARAIVA, Pedro Paulo de Melo. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], set. 2010. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/2294568088676735. Acesso em: set. 2010.
  • SARAIVA, Pedro Paulo de Melo. Plataforma de aço flutua dentro de edifício revitalizado. Projeto Design, São Paulo, n. 297, nov. 2004. p. 46-57
  • SARAIVA, Pedro Paulo de Melo; MENDONÇA, Fernando de Magalhães; SARAIVA, Pedro de Melo; LIMA, Luciano Braga de, colab; BERLFEIN, Fernanda, colab; HAWTHORNE, Vivian, colab; FARIA, Luiz Gustavo. Auditório dialoga com projeto da década de 1960. Projeto Design. São Paulo, n. 333, nov. 2007. p. 56-65
  • SAYEGH, Simone. Pedro Paulo de Melo Saraiva fala sobre a arquitetura brasileira. In: Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, ago. 2009. Seção Entrevista. Disponível em: http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/185/imprime149625.asp. Acesso em: Set. 2010
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • SERAPIÃO, Fernando. Pedra Grande, um marco oculto na cidade. Projeto Design, São Paulo, n. 303, maio, 2005. p. 94-97
  • SERAPIÃO, Fernando. Pedro Paulo de Melo Saraiva. Projeto Design, São Paulo, n. 295, set. 2004. p. 4-6
  • WISNIK, Guilherme. Modernidade congênita. In: FORTY, Adiran; ANDREOLI, Elisabetta (Orgs.). Arquitetura Moderna Brasileira. Londres: Phaidon, 2004. 240p., il p&b.
  • XAVIER, Alberto; LEMOS, Carlos; CORONA, Eduardo. Arquitetura moderna paulistana. São Paulo: Pini, 1983. 251p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: