Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Ismael Silva

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.06.2017
14.09.1905 Brasil / Rio de Janeiro / Niterói
14.03.1978 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Milton de Oliveira Ismael da Silva (Niterói, Rio de Janeiro,1905 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1978). Compositor, violonista e cantor. Caçula entre cinco irmãos, fica órfão de pai aos 3 anos, fato que o obriga a mudar-se com a mãe da Praia de Jurujuba, em Niterói, para a cidade do Rio de Janeiro. Após viver em alguns bairros cariocas e cursa...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Milton de Oliveira Ismael da Silva (Niterói, Rio de Janeiro,1905 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1978). Compositor, violonista e cantor. Caçula entre cinco irmãos, fica órfão de pai aos 3 anos, fato que o obriga a mudar-se com a mãe da Praia de Jurujuba, em Niterói, para a cidade do Rio de Janeiro. Após viver em alguns bairros cariocas e cursar a escola primária, fixa-se no Estácio de Sá. Cresce nesse bairro e desde jovem convive nas rodas de partido alto, em que conhece os sambistas Bide, Baiaco, Nilton Bastos, Mano Edgar e Brancura. Começa a frequentar a boêmia carioca e com 20 anos compõe Me Faz Carinhos, lançada em disco pelo pianista Cebola (Orlando Tomás Coelho) na Casa Edison. Em 1927, Francisco Alves compra a parceria da música, lance corriqueiro entre sambistas e o conhecido intérprete, que se compromete a gravá-la na Odeon. O relativo sucesso da canção faz o cantor propor para os anos seguintes novas parcerias e exclusividade na gravação dos sambas de Silva e Bastos, como Nem É Bom Falar (1931), O que Será de Mim (1931) e Se Você Jurar (1931). A parceria permanece ativa e com sucesso até 1935, quando é definitivamente encerrada.

No fim da década de 1920, com esses compositores que conhece no Estácio, Ismael Silva transforma um antigo bloco carnavalesco na primeira escola de samba carioca, a Deixa Falar, em 1928. A escola desfila pela primeira vez em 1929 cantando os sambas do "pessoal do Estácio". O impacto é significativo, pois ela apresenta tanto um desfile quanto sambas diferentes dos tradicionais, inaugurando uma fase do Carnaval e do samba do Rio de Janeiro.

A vida do compositor, na década de 1930, é muito instável. Aborrecido com a morte de seus companheiros Bastos e Edgar, deixa, em 1931, o Estácio e a escola de samba. Vive no centro, frequenta rodas de boêmia mais intelectualizadas e inicia uma trajetória de sucesso e reconhecimento. Nessa época conhece Noel Rosa, com quem compõe, em 1932, diversas canções, como Adeus, Para Me Livrar do Mal, A Razão Dá-se a Quem Tem e Uma Jura que Eu Fiz. As canções lançadas por Francisco Alves e Mário Reis dão visibilidade a Ismael Silva, que também passa a gravar as próprias composições, assim como a outros intérpretes, entre eles João Petra de Barros, Silvio Caldas, Carmen Miranda e Aurora Miranda. A partir de 1935 sua vida ganha outra direção e ele se afasta do cenário artístico. Fato atribuído a uma desilusão amorosa e ao namoro com Diva Lopes Nascimento, com quem tem uma filha, Marlene Martins Batista, nunca reconhecida. O rompimento com Francisco Alves também tem impacto negativo na vida profissional. Além disso, é preso em flagrante por tentativa de homicídio. Solto, três anos depois, vai morar com irmã e desaparece da vida artística.

Nos anos 1950 tenta retornar e compõe Antonico (1950). Dolores Duran grava seu samba-canção Tradição (1954). Em 1955, o compositor lança os discos O Samba na Voz do Sambista e Ismael Canta e participa do show O Samba Nasce no Coração, com Pixinguinha, Donga, Ataulfo Alves e João da Baiana, na boate Casablanca. Adoentado, sua produção cai drasticamente nos anos 1960, mas mesmo assim participa de shows e grava LPs. Em 1965, se apresenta no show O Samba Pede Passagem, ao lado de Baden Powell, MPB-4 e Aracy de Almeida, que resulta num disco com 11 composições suas. Em 1973, lança o LP Se Você Jurar.

Análise

Ismael Silva está no núcleo das experiências sociais, culturais e musicais que atua na formação do samba moderno e no centro do processo de mudanças do entretenimento urbano definido no Rio de Janeiro pela expansão dos binômios carnaval/escola de samba e indústria fonográfica/radiofônica. Esses dois universos são determinantes para a decantação de alguns gêneros musicais urbanos, sobretudo o moderno samba.

Sobre o primeiro aspecto, os jovens sambistas do Estácio de Sá têm papel pioneiro ao fundar em 1928 o bloco carnavalesco Deixa Falar. Segundo Ismael Silva, junto com o bloco surge o conceito de escola, pela proximidade de uma escola normal, justamente para criar identidade com a prática escolar, ou seja, "professores" e "catedráticos" introduzem os mistérios do samba e os ensinam aos alunos. A expressão "escola de samba" é difundida e consolidada pouco mais tarde, consagrando uma nova prática e tradição cultural no Rio de Janeiro. Porém, o fato mais relevante é que esse bloco/escola apresenta em seus desfiles as composições do "pessoal do Estácio", que gradativamente se afasta das experiências das primeiras décadas do século XX, mais próximas do maxixe. De acordo com o pessoal, os sambas são feitos para andar ou desfilar e não mais simplesmente para dançar, como ocorre até então. Para exemplificar essa mudança, Silva cria a onomatopeia "bumbumpaticumbumprugurundum". Diálogo registrado, e muito conhecido, entre Donga e Ismael Silva para definir o que é o "verdadeiro samba" revela essa oposição. Donga defende como "samba original" Pelo Telefone, 1917, caracterizado, no entanto, por Silva como maxixe. De seu lado, o compositor defende Se Você Jurar, 1931, como "samba de fato", mas qualificado por Donga como marcha.

A historiografia da música popular no Brasil consagra essa avaliação dos sambistas, estabelecendo no processo de decantação do samba urbano a clivagem entre o "estilo antigo" e o "estilo moderno". Assim, o primeiro está vinculado ainda a algumas tradições folclóricas, de caráter rural, em contraposição à dicção urbana do samba do Estácio, sobretudo ao maxixe. O segundo revela as mudanças que ocorrem a partir do fim da década de 1920, protagonizadas pela turma e também por Noel Rosa. Importante estudo recente do musicólogo Carlos Sandroni - cuja capa traz a foto de Ismael Silva - apresenta os argumentos e as justificativas sociais, culturais e musicais que confirmam essa percepção. Para Sandroni, a importância de Silva e demais compositores do Estácio é tão significativa que eles criam outra forma de fazer samba, que ele denomina como "paradigma do Estácio". Segundo esse paradigma, o ritmo contramétrico, fortemente marcado pelas tradições africanas, e a melodia se articulam de tal modo que as acentuações ocorrem de acordo com o encadeamento dos dois elementos. Esse fato exige do intérprete uma forma diferente de cantar - uma nova "bossa" -, aproximando-se da fala cotidiana e se afastando das prolongações vocálicas comuns na época. A marcação desse ritmo é dada, sobretudo, pela batida do tamborim. Aliás, o trinômio "cuíca, surdo e tamborim", consagrado na letra do samba Antonico, 1950, é mais uma inovação dos compositores do Estácio no padrão rítmico das escolas de samba.

A obra de Ismael Silva é protagonista dessa mudança do samba nos anos 1930 e definidora do "estilo moderno". As mais conhecidas e inovadoras de suas composições, na maioria, estão concentradas justamente na primeira metade dessa década, sejam as feitas em parceria com Nilton Bastos - Nem É Bom Falar (1931), O que Será de Mim (1931), Se Você Jurar (1931), Amar (1931), É Bom Evitar (1931), Eu Bem Sei (1931), Feiticeiro (1931) - ou com Noel Rosa - Gosto, mas Não Muito (1931), Ando Cismado (1932), Adeus (1932), A Razão Dá-se a Quem Tem (1932), Não Tem Tradução (1933), Para Me Livrar do Mal (1932), Uma Jura que Eu Fiz (1932), Vejo Amanhecer (1933), Assim, Sim (1934). É justamente esse estilo de samba que se consagra na década de 1930 como o gênero do disco e da radiofonia e, pouco depois, ganha contornos de "canção nacional".

Compositor espontâneo, Silva pensa música e letra ao mesmo tempo e em conjunto. Além do aspecto musical inovador, sua obra segue a tradição temática e cronista presente nos compositores do período e revela um universo cultural tipicamente carioca de camadas sociais sufocadas no novo espaço urbano e industrial. Ele traduz e apresenta esse mundo por meio de temas como a malandragem e a boêmia, centrais em sua produção (O que Será de Mim, Se Você Jurar, Nem É Bom Falar, Para Me Livrar do Mal). Muitas vezes essa temática está relacionada com a desilusão amorosa que ele aborda também de modo isolado e vinculada ao sofrimento (Sofrer É da Vida, A Razão Dá-se a Quem Tem, Boa Viagem). Manda recado aos companheiros que morreram (Adeus e Rir para Não Chorar) e faz crônica do cotidiano (Antonico).

Conhecido pela elegância, impetuosidade e gosto pelo carteado, seu modo de vida muitas vezes lembra o dos malandros que canta e conta em suas canções. Após período de ascensão artística em que predominam as relações comerciais de venda de parceria com Francisco Alves, a partir de meados da década de 1930, sua carreira entra em decadência. Certamente concorrem para isso sua valentia na tentativa de homicídio e o fim da parceria. Quando retorna, no início da década de 1950, sua música, um tanto deslocada, já não interessa mais às gravadoras. Sua produção musical cai, e o fato de seguir sempre adoentado limita ainda mais suas atividades artísticas. Mesmo assim, nos anos 1960, ele volta e é reconhecido pela geração mais nova. Compositores e intérpretes como Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Nara Leão, Gal Gosta e MPB-4 o consideram um dos grandes compositores de samba, reconhecem sua influência e gravam suas canções.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • Acervo Instituto Moreira Salles. http://ims.uol.com.br/ims/.
  • CABRAL, Sérgio, As escolas de samba. O que, quem, como, quando e por quê. Rio de Janeiro, Fontana, 1974.
  • CARVALHO, Luiz Fernando. Ismael Silva: Samba e resistência. Rio de Janeiro, Ed. José Olympio, 1980.
  • DIDIER, Carlos, MAXIMO, João, Noel Rosa. Uma biografia. Brasília, Ed. UnB, 1990.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Popular Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora,1977. 2 v.
  • SANDRONI, Carlos. Feitiço decente. Transformações do samba no Rio de Janeiro (1917-1933). Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed./Ed.UFRJ, 2001.
  • TINHORÃO, José Ramos, História social da música popular brasileira. São Paulo, Ed. 34, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: