Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Adriana Calcanhotto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.08.2016
03.10.1965 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Adriana Calcanhotto (Porto Alegre RS 1965). Cantora, compositora. Inicia a carreira cantando em bares e casas noturnas de sua cidade natal, até se mudar para o Rio de Janeiro, em 1980. Na infância tem em casa um ambiente que favorece seu aprendizado musical, é filha de Carlos Calcanhoto, baterista da Doctor Jazz Band, e da bailarina Morgada Cunh...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Adriana Calcanhotto (Porto Alegre RS 1965). Cantora, compositora. Inicia a carreira cantando em bares e casas noturnas de sua cidade natal, até se mudar para o Rio de Janeiro, em 1980. Na infância tem em casa um ambiente que favorece seu aprendizado musical, é filha de Carlos Calcanhoto, baterista da Doctor Jazz Band, e da bailarina Morgada Cunha. Começa a ter aulas de violão aos 6 anos e compõe suas primeiras músicas na adolescência.

Lança seu primeiro disco, Enguiço (Sony, 1990), com músicas de Caetano Veloso, Roberto Carlos e Erasmo Carlos, Lupicínio Rodrigues e duas de sua autoria. A música Mentiras, de seu segundo disco, Senhas (Sony, 1992), integra a trilha sonora da novela Renascer (1993), da TV Globo. O álbum A Fábrica do Poema (Sony, 1994) é um disco experimental com músicas em parceria com o poeta Waly Salomão, na faixa-título; Antonio Cícero, em Inverno; a musicalização de um texto do catálogo da mostra do cineasta Joaquim Pedro de Andrade, Por que Você Faz Cinema; além da regravação de O Verme e a Estrela, de Cid Campos e Arnaldo Antunes (1960), com participação do poeta Augusto de Campos (1931).

Grava ao vivo o disco Público, em 2000, em que apresenta uma releitura da música da Jovem Guarda Devolva-Me, de Renato Barros e Lilian Knapp, cantando acompanhada somente do violão. Ganha o Disco de Ouro com o álbum Cantada, lançado em 2002.

Em 2004, pela gravadora BMG, lança o disco Adriana Partimpim, cujo título é seu apelido de infância, dedicado ao público infantil com base em repertório adulto, com a música Ciranda da Bailarina, de Edu Lobo e Chico Buarque,  e Saiba, de Arnaldo Antunes.

Em seu trabalho de 2008, o CD Maré dá continuidade à Trilogia do Mar, iniciada com o álbum Marítimo (1998), com canções de Dorival Caymmi, Sargaço Mar; Caetano Veloso, Onde Andarás; Marina Lima, Três; e parcerias com Moreno Veloso, na composição da música título. No mesmo ano publica o livro Saga Lusa - O Relato de uma Viagem, no qual conta, de modo humorado, o surto psicótico que viveu em Portugal, após misturar um coquetel de remédios para gripe com cortisona, para tratar uma disfunção glandular.

 

Comentário crítico

Na obra de Adriana Calcanhoto percebe-se uma relação entre várias áreas de expressão artística. Ela cria capa para quase todos os seus discos, dialoga com a obra de Hélio Oiticica, com a música Parangolé Pamplona e a capa do disco Marítimo, em que aparece usando um parangolé. Compõe Por que Você Faz Cinema, inspirada no catálogo da exposição do cineasta Joaquim Pedro de Andrade. Com a poesia, faz parcerias com Augusto de Campos, na canção O Verme e a Estrela, e com Waly Salomão, na faixa-título do disco A Fábrica do Poema (Sony, 1994).

O CD Público (BMG, 2000) é, segundo Tárik de Sousa, original em meio aos vários lançamentos de gravações ao vivo da época, apresentando-se com seu violão sem virtuosismo, mas com um traço pessoal inovador, fazendo releituras de composições como E o Mundo Não se Acabou, de Assis Valente e originalmente gravado por Carmen Miranda; Clandestino, de Manu Chao; Devolva-Me, de Renato Barros e Lilian Knapp; e mostrando sua influência tropicalista na música Vamos Comer Caetano.

Marcado pela busca da simplicidade sonora, seu trabalho aprimora no CD seguinte, Cantada (BMG, 2002). Nesse álbum, privilegia a voz, o violão e o trabalho equilibrado dos instrumentistas que a acompanham, como Moreno Veloso e Daniel Jobim, reduzindo a utilização de equipamento eletrônico.

Adriana Partimpim (BMG, 2004), dirigido ao público infantil, também agrada o público adulto. Traz composições de Arnaldo Antunes, Saiba, de Chico Buarque (1944) e Edu Lobo, Ciranda da Bailarina, e faz experimentações com os músicos do trio Domenico+2, nas faixas Borboleta e Fico Assim sem Você, da dupla Claudinho e Buchecha, que tem arranjos feitos por Kassin com sons do videogame, transportando todo esse conteúdo para um universo lúdico, sem perder a textura típica de sua obra.

Adriana apresenta também um trabalho ligado ao mar, uma trilogia incompleta da qual fazem parte os CDs Marítimo (Sony, 1998) e Maré (Sony/BMG, 2008). Este conta com influências tanto da tradição quanto da modernidade da música popular brasileira, misturando interpretações de nomes tradicionais como Jards Macalé, Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Cazuza e Péricles Cavalcanti e parcerias com músicos como Rodrigo Amarante (ex-Los Hermanos), Moreno Veloso e Kassin, entre outros.

Obras 22

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Eventos relacionados 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: