Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Negra Li

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.06.2020
1979 Brasil / São Paulo / São Paulo
Liliane de Carvalho (São Paulo, São Paulo, 1979). Cantora, compositora e atriz. Filha de pais evangélicos, nascida e criada na Vila Brasilândia, na periferia da zona norte de São Paulo, inicia a carreira musical cantando hinos em uma igreja do bairro.

Texto

Abrir módulo

Liliane de Carvalho (São Paulo, São Paulo, 1979). Cantora, compositora e atriz. Filha de pais evangélicos, nascida e criada na Vila Brasilândia, na periferia da zona norte de São Paulo, inicia a carreira musical cantando hinos em uma igreja do bairro.

O talento percebido na adolescência faz com que ela se dedique aos cursos de teatro, cinema e televisão até que, aos 16 anos, na década de 90, recebe um convite para integrar o grupo RZO ao lado de Helião, Sandrão e DJ Cia, tornando-se uma das principais cantoras de rap do país.

Participa como autora e no vocal da canção “Não é Sério”, do grupo pop Charlie Brown Jr., em 2000, e, a partir de então, firma parcerias com artistas de outros gêneros musicais, como Caetano Veloso, Skank, Nando Reis e Pitty.

Em 2004 conhece a diretora Tata Amaral (1960), que vai à Vila Brasilândia em busca de cantoras para atuar no filme Antônia (2006). Depois de alguns testes, é chamada para integrar o elenco do longa, que se torna uma minissérie exibida pela Rede Globo.

Ainda em 2004 a cantora lança o disco “Guerreiro, Guerreira”, ao lado do rapper Helião, com participação de Mano Brown (1970) e Marcelo D2 (1967), e sai em carreira solo dois anos depois, com “Negra Livre”, que tem participações de Caetano Veloso e Nando Reis, autor da faixa título..

Em 2012 lança seu segundo disco de estúdio, “Tudo de Novo”, e passa a atuar em espetáculos musicais. Entre seus principais trabalhos nos palcos estão no teatrro “O Chapeleiro Maluco” e “Jesus Cristo Superstar”. Dois anos mais tarde, lança Você Vai Estar Na Minha – Duetos (2014).

Considerada a primeira cantora brasileira de rap a assinar um contrato com uma grande gravadora (a Universal Music), Negra Li passa a fazer parte da cena hip hop paulistana graças à atuação no grupo RZO, ao mesmo tempo em que outros nomes ganham destaque – a exemplo de Thaíde (1967), DJ Hum, Racionais MC’s, Pavilhão 9 e Planet Hemp.

No papel de uma das personagens centrais do filme e da série de TV Antônia, que narra o cotidiano de quatro amigas que formam um grupo de rap, a artista assume o papel de protagonista em um cenário no qual as mulheres têm pouca atuação e, ainda, como representante de um gênero musical cujo conteúdo, originalmente, tende a promover uma imagem pejorativa do sexo feminino.

A letra de “Flow”, uma das principais faixas da trilha sonora de Antônia, composta por Negra Li em parceria com as outras protagonistas (Leilah Moreno, Quelynah, Cindy Mendes), reforça a imagem da mulher batalhadora e guerreira, antecipando o empoderamento feminino que se tornaria tema de músicas tratadas por cantoras de rap das gerações seguintes, como Lurdez da Luz e Karol Conka: “Liberdade, igualdade/ Minha necessidade/ Estou de volta, Brasilândia/ Minha verdade/ Ganhar a rua/ Minha luta continua/ Faço minha correria/ Se der tempo corro pela sua”.

Mesmo quando atua como integrante do grupo RZO, Negra Li se diferencia do canto falado característico do rap e se aproxima de uma expressão mais ligada à identidade das cantoras de R&B norte-americanas, como Lauryn Hill (1975), Mariah Carey (1970) e Whitney Houston(1963-2012) – resultado da bagagem adquirida ouvindo as músicas das artistas de black music nas rádios FM durante a infância e a adolescência. Tais influências podem ser percebidas em músicas como “Rolê na Vila” e na introdução de “Luta Cansativa”

A versatilidade para transitar entre os diversos estilos musicais se expressa na coletânea Você Vai Estar Na Minha – Duetos (2014), uma reunião de encontros que vão do hip hop ao rock, passando pelo soul e pelo samba. Muitas das faixas do álbum fazem parte de trilhas sonoras de novelas, o que comprova o alcance da cantora em relação ao público.

Festivais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BREDA, Lucas. “Exclusivo: após hiato de dez anos, grupo de rap RZO anuncia volta”. Rolling Stone Brasil, abr. 2014.
  • COUTINHO, Lúcia Loner. A Musicalidade Negra na série Antônia. Sessões do Imaginário. Porto Alegre, ano 15, nº 24, 2010/, Famecos/PUC-RS.
  • NEGRA LI. Site oficial da artista. Disponível em: http://www.negrali.com.br. Acesso em: 05 set. 2016
  • ROSSINI, Miriam de Souza. “O Hip Hop e a Representação da Exclusão no Cinema Brasileiro: O Exemplo de ‘Antônia’ (2007), de Tata Amaral”. Cadernos do Tempo Presente. Edição n. 01 – Outubro de 2010.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: