Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Nelson Ned

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.07.2016
02.03.1947 Brasil / Minas Gerais / Ubá
05.01.2014 Brasil / São Paulo / Cotia
Nelson Ned d’Ávila Pinto (Ubá, Minas Gerais, 1947 - Cotia, São Paulo, 2014). Cantor e compositor. Começa a cantar ainda criança em shows de calouros e circos em sua cidade natal. É portador de uma doença genética conhecida como nanismo. Com 12 anos, muda-se para Belo Horizonte e começa a trabalhar em uma fábrica de chocolates. Paralelamente, apr...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Nelson Ned d’Ávila Pinto (Ubá, Minas Gerais, 1947 - Cotia, São Paulo, 2014). Cantor e compositor. Começa a cantar ainda criança em shows de calouros e circos em sua cidade natal. É portador de uma doença genética conhecida como nanismo. Com 12 anos, muda-se para Belo Horizonte e começa a trabalhar em uma fábrica de chocolates. Paralelamente, apresenta-se em programas infantis Cirquinho do Bolão e o Clube do Pererê, da TV Itacolomi, e em programas de Aldair Pinto (1922-2007) da Rádio Inconfidência.

Aos 13 anos, grava em 78 rpm a valsa “Eu Sonhei que tu Estavas tão Linda”  [Lamartine Babo (1904-1963) e Francisco Matoso (1913-1941)] e “Prelúdio à Volta” [Osmar Navarro (1930-2012)]. Em 1963, muda-se para o Rio de Janeiro. No ano seguinte, lança seu primeiro LP, Um Show de 90 Centímetros. Em 1968, assina contrato com a gravadora Chantecler e lança um compacto com as canções: “Tamanho Não É Documento”, parceria com Hamilton Gouvêa Bastos, e “Me Ensine a Viver sem Você”. No mesmo ano, vence o 1o Festival de la Canción, realizado em Buenos Aires, com a intepretação de sua composição “Tudo Passará”, um dos maiores sucessos da carreira. Em seguida, lança o LP, Tudo Passará (1969), com arranjos e regência de Maestro Portinho (1925-2000).

Na década de 1970, realiza turnês pela América Latina e pelos Estados Unidos. Em 1974, apresenta-se no Carnegie Hall, em Nova York. Em 1976, lança o LP O Poder da Fé, primeiro disco gospel de sua carreira. No início da década de 1980, no disco Perdidamente Apaixonado, grava canções em espanhol, destinadas ao público latino-americano. Nos anos 1990, torna-se evangélico e redireciona a carreira para músicas de temática religiosa, mesclando em seus shows sucessos românticos e versões de canções nacionais e internacionais famosas. Em 2003, sofre um  Acidente Vascular Cerebral (AVC) que o afasta dos palcos definitivamente.

Análise da trajetória
Nelson Ned é uma das vozes mais conhecidas pelo grande público dos anos 1960 e 1970, interpretando canções sentimentais e românticas. É cantor de vendagens expressivas, com várias músicas nas paradas de sucesso. Tem carreira consolidada no Brasil e no exterior, com repertório gravado em vários idiomas e turnês por vários países. Apresenta-se por três vezes com grande sucesso no Carnegie Hall, em Nova York.

É um dos principais intérpretes de boleros da música brasileira ao lado de Altemar Dutra (1940-1983), Agnaldo Timóteo (1936), Lindomar Castilho (1940) e Waldick Soriano (1933-2008).  A maior parte de seu repertório dedica-se ao gênero hispano-americano difundido no Brasil desde a década de 1940,  pela música de Augustin Lara (1897-1970) e Lucho Gatica (1928). O grupo de cantores, do qual Nelson Ned faz parte, potencializa a interpretação das canções de tal forma, que é associado a um tipo de música romântica popular, chamada pejorativamente de "cafona", embrião do gênero brega.

As composições e a interpretação de Nelson Ned têm como tema a desilusão amorosa. As letras tristes e sentimentais, fazem referência à traição, solidão, infelicidade, ao desamparo e abandono. São exemplos: “Tudo Passará” (1968), seu maior sucesso; “Eu Também Sou Sentimental” (1970), resposta a “Sentimental Demais” (1965), gravada por Altemar Dutra; “Se eu Pudesse Conversar com Deus” (1970); “Não Tenho Culpa de Ser Triste” (1973) e “Tamanho não é Documento” (1968).

Quanto ao registro vocal, Nelson Ned é um tenor. Tem grande extensão vocal, voz cristalina e afinada. As principais referências de canto para Ned são o chileno Lucho Gatica e Altemar Dutra, este último consagrado por seus boleros e canções românticas.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ARAUJO, Paulo César. Eu não sou cachorro não. Música popular cafona e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Editora Record, 2002.
  • CABRERA, Antônio Carlos. Almanaque da música brega. São Paulo: Matrix Editora, 2007.
  • NED, Nelson; COSTA, Jefferson Magno. O pequeno gigante da canção: a vida de Nelson Ned. São Paulo: Vida, 1996.
  • NELSON NED. In: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin. Disponível em: < http://dicionariompb.com.br/nelson-ned >. Acesso em: 01 mai. 2014.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: