Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Cego Aderaldo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.08.2017
24.06.1878 Brasil / Ceará / Crato
29.06.1967 Brasil / Ceará / Fortaleza
Aderaldo Ferreira de Araújo (Crato, CE, 1878 - Fortaleza, CE, 1967). Poeta, músico e cantador. Filho de um alfaiate e de uma dona de casa. O pai adoece gravemente quando Aderaldo tem ainda dois anos. Por causa disso, vê-se obrigado a trabalhar logo cedo, experimentando ofícios que vão da carpintaria à mecânica. Ao completar 18 anos, é vítima de ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Aderaldo Ferreira de Araújo (Crato, CE, 1878 - Fortaleza, CE, 1967). Poeta, músico e cantador. Filho de um alfaiate e de uma dona de casa. O pai adoece gravemente quando Aderaldo tem ainda dois anos. Por causa disso, vê-se obrigado a trabalhar logo cedo, experimentando ofícios que vão da carpintaria à mecânica. Ao completar 18 anos, é vítima de duas fatalidades: perde o pai e, quinze dias depois, a visão. Por conta de seu talento em cantar é incentivado pela mãe a tentar ganhar algum sustento como cantador e improvisador. Ganha um cavaquinho e passa a aventurar-se pela cidade, angariando trocados com os versos que entoa. Tempos depois sua mãe morre e Aderaldo começa as suas andanças pelas cidades sertanejas, percorrendo praticamente todo o Ceará, além de localidades em Piauí e Pernambuco. Em 1914, trava-se a peleja com o cantador Zé Pretinho, em Quixadá, o que lhe torna bastante famoso na região. Continua suas viagens e, fugindo da seca que assola o Nordeste, desloca-se para o Belém do Pará, ampliando ainda mais a sua fama. Retorna ao Nordeste e, em 1923, na cidade de Juazeiro, toma contato com o Padre Cícero. Anos depois conhece Lampião, para quem improvisa um repente após ganhar uma garrucha. Em 1932 procura outros modos de ganhar a vida. Ganha um gramofone e um projetor de filmes, equipamentos que carrega consigo em suas viagens para fazer exibições. Percebe, no entanto, que seu maior talento está no canto e nas improvisões, e desiste da empreitada. Em 1942, buscar estabeler-se como comerciante em Fortaleza, mas novamente não obtém sucesso. A partir de 1945, deixa de aceitar desafios, por se considerar muito velho. Mesmo assim sua fama corre o Brasil e Aderaldo participa de uma festa na prefeitura de Fortaleza, em 1946, e ainda viaja, pela primeira vez, ao Rio de Janeiro, no ano de 1949. A pedido de uma rádio paulista, segue para São Paulo, onde chega a ser convidado a tocar no palácio do governo, diantes de políticos e personalidades. Deixando 24 filhos de criação, o cantador morre em 1967, em Fortaleza.

Análise

Cantador desde muito jovem, o Cego Aderaldo, nome com que ficou conhecido, integra uma tradição da poesia popular calcada, principalmente, na questão da oralidade. As raízes desse modo poético encontram-se, sobretudo, na cultura ibérica, em particular nas trovas medievais. Daí a preferência pelo verso popular, principalmente com redondilhas, e com o uso de esquemas fixos de rima, que funcionam como recursos mnemônicos, uma vez que grande parte dessa poesia não é escrita. Também são comuns outras formas populares, como o martelo agalopado - com estrofes de dez versos decassílabos e esquema fixo de rima - e as sextilhas.

No caso do repente, como observa Aline C. R. Alves, além da ausência de um suporte escrito, não há a reivindicação, por parte do poeta, da autoria de suas cantigas, uma vez que ele "poetiza para o seu próprio deleite" e tem gosto em transmitir sua obra aos demais. O repentista é desafiado em festas ou encontros marcados e é obrigado a responder com improvisos os versos desfiados pelo concorrente, numa espécie de disputa.  É o que aconteceu, por exemplo, na contenda entre Cego Aderaldo e Zé Pretinho, na qual o primeiro, mediante variações sobre um tema proposto pelo adversário: "É um dedo, é um dado, é um dia / É um dia, é um dado, é um dedo". Aderaldo consegue vencer a batalha poética lançando outros versos cuja origem se assenta na brincadeira popular do trava-línguas: "Quem a paca cara compra / Paca cara pagará". Zé Pretinho não consegue, no jogo, fazer variações sobre o trava-línguas proposto por Aderaldo e termina perdedor. Esse fato faz com que Aderaldo se popularize como cantador e seja citado por Câmara Cascudo em um estudo sobre vaqueiros e cantadores.

Outra brincadeira popular que Aderaldo incorpora em seus repentes é a adivinhação, que consiste em lançar uma pergunta em versos para que o adversário dê a resposta correta, também por meio do canto. É desse modo que Aderaldo derrota um garoto de oito anos que o desafia, em acontecimento relatado na "Peleja com um menino de oito anos de idade".

Além das pelejas, encontram-se, nos cantos de Cego Aderaldo, versos de circunstâncias que vão desde homenagens, como as destinadas à mãe morta, ao Padre Cícero (1844-1934) e a Lampião (1898-1938), até mesmo comentários sobre fatos presenciados. Há também quadras, além de motes e glosas, assim como os que eram desenvolvidas por poetas, como Camões (1524-1580) e Sá de Miranda (1481-1558), o que atesta a influência da cultura portuguesa.

Outros desafios travados pelo autor em suas andanças também ficaram famosos, como a disputa com uma alagoana, a "Peleja com Felícia Cobra" e com José Francalino, enviado para vingar a derrota de Zé Pretinho. Essas pelejas foram mais tarde transcritas e publicadas no volume Eu sou o cego Aderaldo, organizado pelo escritor e jornalista Eduardo Campos, com apresentação de Rachel de Queiroz (1910-2003).

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ADERALDO, Cego. Eu sou o cego Aderaldo. Organizado por Eduardo Campos. São Paulo: Maltese, 1994.
  • ALVES, Aline Cristina Ribeiro. De repente: a música de improviso através do cantador popular. Anais do 5º Encontro de Música e Mídia, Universidade de São Paulo, set. 2009.
  • AQUINO, J. Lindemberg de. Cego Aderaldo, o mais lírico violeiro e cantador do Brasil. Jornal do Commercio. Recife, 25 jun. 1977.
  • CAMPOS, Eduardo. Cantador, musa e viola. Fortaleza: Instituto Nacional do Livro: MEC, 1973.
  • CASCUDO, Luís da Câmara. Vaqueiros e cantadores. São Paulo: Global, 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: