Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Carlos Rocha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.04.2017
1953 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Carlos Rocha (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1953). Diretor, produtor, iluminador e preparador corporal. Participa de montagens que são marcos da produção teatral da capital mineira desde a década de 1980. Envolve-se na discussão e elaboração de políticas públicas para a arte e ocupa diversos cargos administrativos na prefeitura de Belo Horizonte...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Carlos Rocha (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1953). Diretor, produtor, iluminador e preparador corporal. Participa de montagens que são marcos da produção teatral da capital mineira desde a década de 1980. Envolve-se na discussão e elaboração de políticas públicas para a arte e ocupa diversos cargos administrativos na prefeitura de Belo Horizonte e no estado de Minas Gerais. É um dos idealizadores do Festival Internacional de Teatro de Palco & Rua de Belo Horizonte e produtor desse festival em oito edições.

Autodidata, sua formação no teatro fundamenta-se em trabalhos de pesquisa, leitura e experimentação realizados na Cia. Sonho & Drama Fulias Banana, de 1979 a 1989. O diretor relembra o início de sua atividade, no fim década de 1970: "O teatro era muito ligado às universidades na época. Eu não fiz universidade formalmente, mas todo o meu período de formação se deu na FAFICH (Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG). Nós tínhamos invadido uma sala no segundo andar e transformado no nosso estúdio de teatro. O início da Sonho & Drama foi assim, nos internávamos dez horas por dia para pesquisar".1

Fundador da Cia. Sonho & Drama, com Adyr Assumpção, Luís Maia e Hélio Zollini, Carlos Rocha dirige todos os espetáculos da companhia até 1989. Contribui para a retomada do teatro de grupo na cidade como opção estética e ideológica, colaborando, em 1992, na organização do Movimento de Teatro de Grupo, entidade representativa dos coletivos teatrais. Sobre o cenário artístico da cidade na época da criação da Cia. Sonho & Drama, afirma Cida Falabella, componente da companhia, diretora e pesquisadora teatral: "O 'Fulias Banana' como era conhecido no meio artístico nasce e se consolida em um cenário teatral em transformação, tendo como pares grupos como Oficcina Multimédia, Encena, Patati & Patatá e Cia. Absurda, entre outros. [...] Pretendendo ser uma opção pelo teatro de pesquisa, a Cia. Sonho & Drama tinha como objetivo central se dedicar ao estudo das técnicas corporais e interpretativas. Os dois primeiros anos foram ocupados com esta pesquisa, sem resultar em nenhum trabalho aberto ao público".2

Carlos Rocha considera sua estreia no teatro profissional a montagem de O Processo, de Franz Kafka, em 1981. Encenada no Palácio das Artes, representa um marco na qualidade da realização teatral mineira da época. Sobre o espetáculo, afirma Luis Carlos Bernardes, em crítica publicada no jornal Estado de Minas: "Acho o trabalho muito importante por vários motivos. Inicialmente porque o jovem grupo não esperou as senhas do Rio ou de São Paulo, neste novo momento, para fazer uma montagem nova, criativa. Depois, porque, abrindo-se ao experimentalismo, o 'Sonho & Drama' não se deixou levar pela euforia da forma, da mera pesquisa de linguagem, como é comum acontecer - e também saudável, por que não? - mas, aplicou forma/pesquisa a um conteúdo, numa proposta politizada, mas não didática ou panfletária. Lúdica, como é bom ao teatro, à arte".3 O espetáculo recebe o Troféu João Ceschiatti na categoria melhor texto mineiro montado. O Processo é apresentado pelo diretor em outras duas ocasiões: em 1984, a convite do Instituto Goethe, e, em 1996, como espetáculo de formatura do Centro de Formação Artística (Cefar), da Fundação Clóvis Salgado.

Em 1985, Carlos Rocha assina a direção e adaptação do texto de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas. O espetáculo faz temporada no Centro Cultural São Paulo (CCSP), com excelente aceitação da crítica e do público. Segundo o crítico Alberto Guzik, o diretor, "seguindo uma das mais sólidas tendências contemporâneas, que coloca o ator no centro do fenômeno teatral, encarregou seu elenco de criar aos olhos do público o espaço dos gerais, seus animais, sua flora, seus cheiros".4

Depois do sucesso de Grande Sertão: Veredas, encena, com grande aprofundamento técnico e estético, Antígona, que estreia em 1986 no CCSP. Carlos Rocha observa: "Quando eu comecei a dirigir, uma coisa que era muito clara era que meu grande interesse era o trabalho do ator e isso é marcante em todas as minhas montagens. [...] Antígona é o desaguador de dez anos de pesquisas na companhia, a gente estava quase que puxando a ponta de um novelo sem fim. Trabalhávamos exaustivamente uma partitura física para cada personagem. Foram oito meses de um trabalho insano".5

Paralelamente ao trabalho na Cia. Sonho & Drama, Carlos Rocha realiza a direção teatral do grupo de dança Transforma, nos espetáculos Evoluções, 1982, e A Casa da Infância, 1984. O diretor também assina a preparação corporal de vários de seus espetáculos. "Na Sonho & Drama nós criamos um método pessoal de trabalho, exercícios próprios que eram fruto de laboratórios internos. Tenho um método de trabalho que eu quero um dia sistematizar e deixar registrado. [...] Dentro disso, uma coisa que me era muito próxima era o trabalho físico corporal do ator. Eu realizei vários trabalhos de preparação corporal; quando não era eu quem fazia, eu trabalhava diretamente com o preparador e montávamos os exercícios juntos".6

Em 1989, já desligado da Cia. Sonho & Drama, dirige o espetáculo Josefina - a Cantora / A Toca, que tem importante trajetória nacional e internacional. Nesse espetáculo, assim como em O Processo e Grande Sertão: Veredas, atua como diretor e adaptador.
 
Inicia, em 1990, uma série de espetáculos em colaboração com a Cia. Elétrica, composta de egressos do Cefar. Dirige o espetáculo de formatura Instituto Primavera, em 1990; Bicho de Pé, Pé de Moleque, texto de Eid Ribeiro para o público infantil, em 1991; e Decameron, de Boccaccio, em 1993, um dos grandes sucessos de público de sua carreira. É diretor do Teatro Francisco Nunes de 1992 a 2004, preocupando-se sempre em abrir a pauta para os grupos teatrais.

Dirige para a Fundação Clóvis Salgado, em 2001, em parceria com Carmem Paternostro, Sertão, Sertões, uma cantada cênica para Orquestra e Corais de Rufo Herrera, baseada em Grande Sertão: Veredas, com apresentações no Grande Teatro do Palácio das Artes. Em 2004, dirige Till Eulenspiegel, de Luís Alberto de Abreu, com o Grupo Espontâneo de Teatro, e assina a direção e a dramaturgia de Uma Balada, uma Parábola, da Cia. ZAP 18, nome adotado pela Cia. Sonho & Drama em nova fase. É diretor e dramaturgo do espetáculo para o público infantil Superzéroi, também da Cia. ZAP 18, em 2005, e, no ano seguinte, encena O Esquisito, de Marcos Tafuri, no Teatro Marília.

O trabalho artístico de Carlos Rocha é pautado por uma preocupação ética e política. Por isso, sua atuação no teatro não se restringe à criação de espetáculos, mas inclui a discussão e a colaboração na criação de políticas públicas, que, a partir da década de 1990, contribuem para a profissionalização dos grupos de teatro de Belo Horizonte. À frente do Festival Internacional de Teatro de Palco & Rua de Belo Horizonte (FIT/BH), sua coordenação procura defender a presença de grupos mineiros, nacionais e internacionais, ampliando a perspectiva teatral de artistas e público.

Notas

1. ROCHA, Carlos. A trajetória de Carlos Rocha. Belo Horizonte, 10 dez. 2008. Entrevista concedida a Mariana Muniz.

2. FALABELLA, Maria Aparecida. De Sonho e Drama a Zap 18: a construção de uma identidade. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes da UFMG, 2006. (Dissertação de Mestrado). p. 16.

3. BERNARDES, Luis Carlos. Quando o teatro se abre ao desconhecido. Estado de Minas, Belo Horizonte, 7 jun. 1981. Pano Aberto, p. 2.

4. GUZIK, Alberto. Uma feliz inspiração. Um belo espetáculo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 ago. 1985. Caderno 2, p. 2.

5. ROCHA, Carlos. A trajetória de Carlos Rocha. Belo Horizonte, 10 dez. 2008. Entrevista concedida a Mariana Muniz.

6. Idem.

Espetáculos 109

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BERNARDES, Luis Carlos. Quando o teatro se abre ao desconhecido. Estado de Minas, Belo Horizonte, 7 jun. 1981. Pano Aberto.
  • FALABELLA, Maria Aparecida. De Sonho e Drama a Zap 18: a construção de uma identidade. Dissertação de Mestrado. Escola de Belas Artes da UFMG. Belo Horizonte, 2006.
  • GUZIK, Alberto. Uma feliz inspiração. Um belo espetáculo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 ago. 1985. 2° Caderno.
  • ROCHA, Carlos. A Trajetória de Carlos Rocha. Belo Horizonte, 10 dez. 2008. Entrevista concedida à Mariana Muniz.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: