Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Karl Heinz Bergmiller

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.11.2018
01.10.1928 Alemanha / Bayern / Bad Tölz
Karl Heinz Bergmiller (Bad Tolz, Alemanha, 1928) Designer e professor. De 1951 a 1953 estuda na primeira turma da Hochschule Für Gestaltung [Escola Superior da Forma] de Ulm, na Alemanha.  Entre 1956 e 1958 trabalha com seu professor, o designer e arquiteto suíço Max Bill (1908-1994). Solicita bolsa de estudos ao governo brasileiro e se instala ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Karl Heinz Bergmiller (Bad Tolz, Alemanha, 1928) Designer e professor. De 1951 a 1953 estuda na primeira turma da Hochschule Für Gestaltung [Escola Superior da Forma] de Ulm, na Alemanha.  Entre 1956 e 1958 trabalha com seu professor, o designer e arquiteto suíço Max Bill (1908-1994). Solicita bolsa de estudos ao governo brasileiro e se instala em São Paulo em 1959, onde trabalha no forminform, primeiro escritório de design gráfico do país fundado pelos designers Alexandre Wollner (1928-2018), Geraldo de Barros (1923-1998), Ruben Martins (1928-1968) e Walter Macedo. Desenvolve projetos para a Indústria D.F. Vasconcelos, a Ibesa, a Unilabor e outras.  Em 1961, vence o concurso Nacional para Desenhos de Móveis Contemporâneos promovido pela empresa Ambiente com um sofá desenvolvido em parceria com o designer e arquiteto Joaquim Guedes (1932-2008). No início dos anos 1960 funda, com outros designers, a Associação Brasileira de Desenho Industrial (Abdi). Após sair da forminform, trabalha com o designer João Carlos Cauduro (1935), com quem desenvolve, entre outros produtos, o mobiliário para a Universidade de São Paulo (USP). Em 1963, muda-se para o Rio de Janeiro e funda, junto com os designers Alexandre Wollner, Aloisio Magalhães (1927-1982) e o alemão Goebel Weyne (1933- 2012), a Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi), onde leciona projeto de produtos e metodologia visual até 1998. Na mesma época, abre a empresa Bergmiller desenvolvimento de produtos industriais. Em 1967, cria o mobiliário para o anexo do Palácio do Itamaraty, em Brasília. Além disso, projeta televisores para a empresa Telefunken e começa a trabalhar na Escriba, fábrica de móveis de escritório fundada por José Serber. Em 1968, passa a coordenar o Instituto de Desenho Industrial no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (IDI-MAM/RJ) junto com o designer Goebel Weyne. No Instituto promove, no mesmo ano, a primeira exposição de desenho industrial na Bienal Internacional de Design do Rio de Janeiro. Além disso, ganha em 1968 o prêmio Abreu Sodré do concurso de mobiliário escolar. No ano de 1974, elabora uma pesquisa para embalagem de exportação. O trabalho resulta no Manual Para Planejamento de Embalagens e em exposições e cursos realizados em diversas cidades brasileiras. Também realiza no IDI-MAM/RJ projeto de padronização do mobiliário escolar brasileiro idealizado para o Ministério da Educação e executado em 1984. Em 1998, participa da exposição Design, Método e Industrialismo no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro e de São Paulo. Ao longo da carreira, participa de diversos júris internacionais de design, como o If Design Award, em Hannover, Alemanha. Desde 2002, atua como consultor da empresa Aberflex. Em 2011, recebe o Prêmio Cultura do Estado do Rio de Janeiro. 

Análise

Karl Heinz Bergmiller é um dos pioneiros do desenho industrial no Brasil. Instala-se no país no final dos anos 1950, cumpre papel importante no cenário do design brasileiro nos anos 1960 e 1970.

Passa seus primeiros anos em São Paulo, onde desenvolve mobiliário para empresas e trabalha no Forminform, primeiro escritório de design do país. Em seguida, Bergmiller se muda para o Rio de Janeiro e começa, em 1963, a lecionar na recém-fundada Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi). Inspirada na Escola Superior da Forma, em Ulm, Alemanha, onde Bergmiller faz sua formação, a Esdi é a primeira instituição de ensino superior de design da América Latina. O designer passa a trabalhar na escola lecionando metodologia visual e projeto de produto. Em 1970, recorre aos estudos de medicina para implantar no curso a ergonomia, disciplina que pensa a relação do trabalhador com a máquina a fim de evitar acidentes e fornecer melhores condições de trabalho.

Paralelamente à atividade de professor, trabalha para o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), criando materiais para as exposições. No final dos anos 1960, elabora um sistema expositivo modular, precursor dos sistemas de exposições atuais. Composto por painéis em forma de L, U ou Z, o conjunto de peças funciona como um jogo de montar. Pensados para ficarem sempre no salão de exposições do MAM/RJ, os painéis nunca são estocados ou empilhados, mas mudam de layout conforme a exposição. Com o sistema de montagem industrial, em que cada equipe desenvolve etapa específica (fixação dos painéis, trabalho com ferragens, colocação dos quadros e identificação das obras), o conjunto de peças é repensado em 1978: além de novos elementos que aprimoram o sistema, como cubos em que são expostas esculturas, Bergmiller desenvolve um manual de instruções com detalhes de cada etapa do trabalho.
Na mesma época, passa a coordenar o Instituto de Desenho Industrial do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (IDI- MAM/RJ), inaugurado em 1970, e trabalha na elaboração e execução da 1a Bienal Internacional de Design no Rio de Janeiro. Realizada pelo MAM/RJ, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, a exposição reúne trabalhos de diversos países e é o primeiro evento brasileiro que expõe objetos como capas de livros, móveis de escritório, sofás etc. Para a primeira edição da Bienal, em 1968, Bergmiller encomenda um vídeo exibido durante a mostra.  O material apresenta cenas cotidianas como a de um homem que se corta ao fazer a barba. Sua intenção é criticar a falta de um bom design no dia a dia. Além de produzir o evento, Bergmiller participa dele expondo sua linha de móveis escolares. Em 1970 o evento se repete, sendo levado também a São Paulo, onde recebe elogios do crítico e historiador da arte Pietro Maria Bardi (1900-1999). Faz parte da segunda edição da Bienal a exposição Imagem Empresarial e Talher Contemporâneo, realizada por Bergmiller. Preocupado com o desenvolvimento do design brasileiro, expõe talheres, uniformes, cardápios e manuais de identidade visual usados em aeronaves de países estrangeiros e elabora o slogan “Jogue fora o talher da sua avó!”.  Seu objetivo é mostrar a pluralidade de objetos criados por um programador visual e pensar num trabalho de design brasileiro que alie o bom gosto à produção industrial.

Nos anos 1970, o Brasil apresenta bom desenvolvimento econômico e passa a ter chances de competir com seus produtos no mercado internacional. O Ministério da Indústria e do Comércio solicita a participação do IDI-MAM/RJ no projeto de incremento das exportações. Os manuais realizados por Bergmiller têm como objetivo estabelecer padrões para as novas indústrias. É o exemplo do Manual para Planejamento de Embalagens, que visa a racionalização e normatização dos invólucros produzidos pelos fabricantes brasileiros. A historiadora Ethel Leon (1951) destaca outro manual do designer pensado para as escolas brasileiras, Móvel Escolar e Móvel Pré-escolar, no qual Bergmiller fornece cinco modelos diferentes de conjuntos de móveis para a sala de aula, levando em conta regiões do Brasil em que os alunos se sentam no chão. Para Leon, essa preocupação de Bergmiller desmente a crítica feita aos designers formados em Ulm, que pensariam em um desenho universal sem considerar as particularidades de cada país.

Nesse contexto de crescimento econômico e fortalecimento da indústria, é fundada a Escriba, empresa de móveis voltados para escritórios para a qual Bergmiller realiza diversos projetos entre 1967 e 1999. Entre eles está cadeira C3, desenhada em 1980. Com estrutura de alumínio, a peça pode ter o assento de madeira, tecido ou vinil. O desenho simples permite variações: é possível adicionar à cadeira uma prancheta e um cesto inferior que a transforma em móvel escolar. Também há a possibilidade de substituir as pernas da cadeira individual por peça maior, capaz de sustentar diversos assentos enfileirados, transformando-a em espécie de sofá. O encosto das cadeiras individuais é vazado, permitindo que sejam empilhadas sem ocupar muito espaço. A simplicidade do desenho está presente em outros projetos, como o da poltrona par, feita em 1983, cujo assento dobrável permite melhor uso do espaço em auditórios, salas de conferência etc.

Para o designer Pedro Luiz Pereira Souza (1945), o trabalho de Bergmiller se desenvolve num tempo de afirmação e construção de uma competência brasileira em áreas técnicas e pode ser apontado como um modelo de excelência nesse aspecto".1
 

Nota

1. Depoimento do designer Pedro Luiz Pereira de Souza. Disponível em:  < http://www.esdi.uerj.br/sinal/ev_plps-khb.html >. Acesso em:  31 ago. 2015.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • BRAGA, Marcos da Costa; TEDESCO BERTASO, Maria Stella. Sistemas expositivos projetados por Bergmiller. O caso MAM/RJ. 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Disponível em: < http://blogs.anhembi.br/congressodesign/anais/artigos/70122.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2015.
  • Karl Heinz Bergmiller - Esdianos. ESDI - Escola Superior em Desenho Indutrial da UERJ. Disponível em: < http://www.esdi.uerj.br/esdianos/282/karl-heinz-bergmiller>. Acesso em: 07 dez. 2011
  • LEON, Ethel. Design brasileiro: quem fez, quem faz. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, 2005.
  • LEON, Ethel. Design em Exposição: o design do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1968-1978), na Federação das Indústrias de São Paulo (1978-1984) e no Museu da Casa Brasileira (1986-2002). 193f. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). São Paulo: 2012.
  • SOUZA, Pedro Luiz Pereira. Depoimento do designer e professor da Esdi Pedro Luiz Pereira de Souza sobre Karl Heinz Bergmiller,em homenagem aos 80 anos de nascimento de Bergmiller. Disponível em: < http://www.esdi.uerj.br/sinal/ev_plps-khb.html >. Acesso em: 31 ago. 2015.
  • SOUZA, Pedro Luiz Pereira. Esdi: Biografia de uma Ideia. Rio de Janeiro: Uerj, 1996.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: