Artigo da seção pessoas Leandra Leal

Leandra Leal

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Imagem representativa do artigo

Registro fotográfico Marcus Leoni

Leandra Rodrigues Leal Braz e Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980). Atriz, diretora e produtora. Tem experiência com as artes cênicas na TV e no cinema. Como produtora e gestora de cultura, administra o Teatro Rival, que tem estreita relação com sua estreia como diretora.

O contato de Leandra Leal com manifestações artísticas e culturais surge no início da vida. Com dois meses de idade, ela participa de espetáculos encenados pela mãe, a atriz Ângela Leal (1947), no teatro que o avô, Américo Leal, administrava. O Teatro Rival, mantido por diferentes integrantes da família ao longo dos anos, é visitado por Leandra com frequência durante a infância, o que lhe permite desenvolver uma experiência profunda com o fazer teatral, ao acompanhar as montagens, os bastidores e a preparação dos artistas.

A primeira experiência como atriz de televisão ocorre aos oito anos, quando faz uma participação na novela Pantanal (1990), exibida pela TV Manchete, ao interpretar Maria Marruá Leôncio, filha dos protagonistas. Aos 12, participa da minissérie Confissões de Adolescente (1994), da TV Cultura, e, no ano seguinte, interpreta seu primeiro papel de destaque, Yanka Sbano, em Explode Coração (1995), da Rede Globo.

Estreia no cinema com A Ostra e O vento (1997), de Walter Lima Jr (1938). No filme, interpreta Marcela, uma menina que mora na ilha em que o pai trabalha. O drama vivido pela personagem está na transição entre a infância e a vida adulta, marcada por sua primeira menstruação e pela intransigência do pai, que se recusa a levá-la à cidade para realizar uma consulta médica. Pela atuação, Leandra recebe três prêmios: o de melhor atriz revelação, pela Associação Paulista de Críticos de Arte, o do festival Biarritz e o do Miami Film Festival.

Em 2016, a atriz assume a gestão do Teatro Rival, administrado pela mãe por 25 anos. Resgata shows e espetáculos que destacaram a trajetória do teatro. Artistas como Rogéria (1943-1917) voltam a se apresentar no espaço, que se torna o principal ambiente para a gravação de Divinas Divas (2016), primeiro longa-metragem dirigido por Leandra.

Divinas Divas narra a história da primeira geração de artistas travestis do Brasil, relacionando-a com a história do Teatro Rival e com o auge dos teatros e shows da Cinelândia, região do Rio de Janeiro. Segundo Leandra, o filme, além de retratar um dos lugares em que foi criada, trata de arte, liberdade e do conceito de família estendida, que se constitui pelas vivências e convivências desenvolvidas na atividade artística, dentro e fora dos palcos.

No mesmo ano, Leandra atua em Justiça, série produzida pela Rede Globo e escrita por Manuela Dias (1977). A atriz interpreta Kellen, uma cafetina que alicia meninas para prostituição em seu bordel, além de ter estreita relação com a trajetória de outros personagens da série

De volta ao cinema, Leandra atua em Bingo: O rei das manhãs, cinebiografia de Arlindo Barreto (1953) – um dos intérpretes de Bozo, personagem de programas infantis na década de 1980. No filme, ela interpreta a diretora do programa apresentado por Arlindo, que vive o desafio de dirigir um novo programa no Brasil, além de lidar com a vida problemática de seu parceiro de trabalho.

No teatro, em 2019, participa de PI – Panorâmica Insana, dirigido por Bia Lessa (1958). Atua ao lado de artistas que interpretam cerca de 150 personagens e traçam uma análise irônica da sociedade contemporânea, promovendo um debate sobre o seu futuro.

Leandra Leal transita por setores das artes, trabalhando não apenas em diferentes plataformas de atuação, mas também na administração e na promoção de outros artistas, especialmente através do teatro de sua família.

Outras informações de Leandra Leal:

  • Habilidades
    • diretora
    • Atriz
    • Produtora

Midias (1)

Leandra Leal – Série Cada Voz (2019)
A atriz Leandra Leal recupera a trajetória da família no circo ao falar de sua veia artística. Também discorre sobre a possibilidade de alívio, profundidade e deslocamento que a arte proporciona a quem assiste a um espetáculo de teatro ou atua nele. Sobretudo, como atriz, a possibilidade de enfrentar os próprios medos.

Questões sobre feminismo, privilégio e o espaço que a mulher ocupa na indústria cinematográfica são abordadas e geram a reflexão sobre como utilizar o próprio espaço como "trincheira" para a luta política e social.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo: Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Assistência e montagem: Renata Willig
Assistência de fotografia: Martha Salomão
Intérprete de Libras: Fabiano Campos (terceirizado)

Espetáculos (3)

Fontes de pesquisa (4)

  • FOLHA de São Paulo. A ostra e o vento. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 set. 1998. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq21099829.htm.  Acesso em: 27 set. 2019
  • LÁZARO Ramos entrevista Leandra Leal. Canal Brasil, 2017. (23 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cVuGhjRNlRk.  Acesso em: 27 set. 2019
  • LEANDRA LEAL. Site Oficial da Artista. Disponível em: http://www.leandraleal.com.br/.  Acesso em: 27 de jul. 2019
  • TEATRO em Movimento. Teatro. Disponivel em: http://teatroemmovimento.art.br/portfolio/pi/. Acesso em: 30 set. 2019

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LEANDRA Leal. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa487061/leandra-leal>. Acesso em: 12 de Abr. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7