Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Ruth Rocha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.04.2017
02.03.1931 Brasil / São Paulo / São Paulo
Ruth Machado Lousada Rocha (São Paulo, São Paulo, 1931). Autora de literatura infantojuvenil e tradutora. Cresce no Bairro de Vila Mariana, na cidade de São Paulo. Forma-se em 1953 em ciências políticas e sociais, na Universidade de São Paulo (USP). Faz pós-graduação em orientação educacional na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ruth Machado Lousada Rocha (São Paulo, São Paulo, 1931). Autora de literatura infantojuvenil e tradutora. Cresce no Bairro de Vila Mariana, na cidade de São Paulo. Forma-se em 1953 em ciências políticas e sociais, na Universidade de São Paulo (USP). Faz pós-graduação em orientação educacional na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Entre 1956 e 1972 trabalha como orientadora educacional do Colégio Rio Branco. Inicia, em 1968, a colaboração na seção de educação da revista Claudia, do grupo Abril, o que a leva, no ano seguinte, a atuar como colaboradora de outra revista do grupo, a Recreio. Começa, nesse momento, sua produção de histórias e livros para crianças. Assume, em 1973, a direção editorial da Divisão Infanto-Juvenil da Editora Abril e participa das coleções Conte um Conto, Beija-Flor e Histórias de Recreio. Em 1974, especializa-se em editoração na Western Publishing Co., nos Estados Unidos. Em 1976, ocorre sua estreia em livro, com Palavras, Muitas Palavras, poesia infantil - o primeiro entre os mais de 130 títulos publicados. Lança no mesmo ano seu livro mais conhecido, Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias. Em 1989 assina a versão infantil da Declaração Universal dos Direitos Humanos na Organização das Nações Unidas (ONU), intitulada Iguais e Livres, já publicada em nove línguas. Em 1991, é convidada, também pela ONU, a assinar a declaração sobre ecologia para crianças, Azul e Lindo - Planeta Terra, Nossa Casa (1990). É membro da Academia Paulista de Letras desde 2007. Sua obra está traduzida em mais de 25 idiomas. Atualmente é membro do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta.

Análise

No decorrer das décadas de 1960 e 1970 muitas instituições e programas são criados com o objetivo de fomentar a leitura e a discussão sobre a literatura infantojuvenil. Ruth Rocha começa a escrever suas histórias para crianças e jovens dentro desse contexto de renovação do gênero no Brasil. A autora é chamada, no fim da década de 1960, para trabalhar na revista Recreio, importante veículo nessa renovação. Começa, então, sua extensa produção.

Muitos dos contos que escreve, principalmente quando colabora com a revista Recreio ou participa de outras publicações da Editora Abril, trazem animais falando e pensando, como nas fábulas, em contextos sociais do fim do século XX. Essa atualização que a autora empreende nas fábulas desloca o que antes era central, a ilustração de um preceito moral, e no seu lugar aborda as dificuldades cotidianas que qualquer indivíduo, em qualquer idade, enfrenta. Na reunião de contos Pedrinho Pintor e Outras Histórias, por exemplo, o coelho pintor da história principal, retratado pelas ilustrações vestido de hippie, tem como sonho trabalhar na grande fábrica de ovos de Páscoa. É recusado na primeira entrevista de emprego em que leva suas pinturas, mas é logo contratado e termina satisfeito "modernizando" e colorindo o design dos ovos de Páscoa. Muitas histórias da autora propõem uma atualização das fábulas e de outras tradições que constituem a literatura infantil tendo como centro problemas de diversas naturezas do mundo moderno.

Nas histórias de reis de Ruth, em que a primeira é O Reizinho Mandão, essa atualização dos contos de fadas ganha contornos de questionamento ideológico. Em um reino encantado, o bom rei morre e um príncipe autoritário sobe ao poder. O novo governo começa com leis absurdas que aos poucos silenciam todos no reino. A autora consegue produzir uma correspondência interessante entre a situação política do país durante a ditadura militar e as características autoritárias presentes em muitos comportamentos infantis. A nova "lição" - que também não é a ilustração de um preceito moral, já que o fim do reizinho o narrador, construído com características modernas, não sabe ao certo - é o isolamento e a infelicidade daquele que não considera o outro ou não consegue abandonar a perspectiva infantil egocêntrica. As histórias dos reis, com a nova direção que a autora dá, continuam em outros livros como O Rei que Não Sabia de Nada, O que os Olhos Não Veem etc.

Em outra vertente mais realista da sua produção, ou em outra vertente que não problematiza fontes do gênero como a fábula e o conto de fadas, a autora mantém os ensinamentos não moralistas como eixo em diversos momentos. Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias, seu trabalho mais conhecido, com mais de 1 milhão de livros vendidos, a narrativa acontece em torno de problemas do universo infantil que são apresentados sem rodeios. Na história que dá título ao livro, Marcelo é um menino perguntador que causa certos problemas aos pais por não se conformar com o nome das coisas. O personagem procura sempre um aspecto mais material no momento de nomear o que enxerga na realidade. Assim, cadeira é sentador; colherinha é mexedorzinho etc. Isso acarreta certa dificuldade na comunicação que deixa os pais de Marcelo em diversas situações embaraçosas. Nessa redução ao mínimo para sustentar a tensão da história, já que uma caracterização maior de espaço, personagem etc. fica por conta das ilustrações, o narrador equilibra quase em pé de igualdade as angústias do menino em tentar criar uma linguagem para que a realidade faça, por meio da nomeação, mais sentido, e a vergonha dos pais que precisam, a todo momento, justificar as atitudes estranhas do filho para as pessoas que desconhecem suas manias. A narrativa continua sempre próxima a esse desenho mínimo até o momento em que a casa do cachorro da família pega fogo. Marcelo entra correndo e, na "sua língua", conta isso para o pai, que percebe a aflição do menino, mas não tem como ajudá-lo, pois não entende o que ele quer dizer. O menino, mesmo nesse momento de preocupação máxima, não consegue fazer uma simples comunicação e a casa do cachorro é consumida pelas chamas. O final que parece apontar para um desfecho em certo sentido moralista, em que o menino percebe, com base em um exemplo objetivo, sua inadequação, acaba se revertendo em uma tomada de consciência dos pais em relação ao filho, o ensinamento da história.

Na outra história do livro, Terezinha e Gabriela, como em outras da autora, o narrador constrói a prosa explorando a musicalidade das palavras, encadeando os períodos como se fossem versos, com ritmo, rimas etc. Ainda nessa vertente mais realista, Ruth Rocha traz para o centro de suas histórias o questionamento ideológico que de certa forma desenvolve nas histórias dos reis. Em Enquanto o Mundo Pega Fogo, dois amigos lavradores que trabalham juntos resolvem dividir as propriedades amigavelmente. Os problemas começam quando aparece a dificuldade de delimitar o que pertence a cada um. Desenvolve-se, então, um processo de guerra que termina praticamente com a destruição de ambos. A ilustração acompanha fisicamente a delimitação das propriedades na medida em que separa o livro, a folha da esquerda e a da direita, em espaços "privados" dos antigos amigos. Questões que apresentam os confrontos políticos e econômicos da humanidade aparecem em diversas outras histórias da autora como Dois Idiotas Sentados Cada qual no Seu Barril... A vertente mais realista da autora vai dessas histórias que alegorizam os descaminhos da humanidade àquelas que tratam de questões miúdas como o troco na cantina da escola que é dado com balas e aborrece o personagem em Como se Fosse Dinheiro.

Ruth Rocha possui ainda muitos livros em que reapresenta histórias famosas, conta momentos da história nacional, folclore. Livros didáticos com propostas de leitura e escrita, livros para crianças em idade de alfabetização em que explora aspectos materiais da língua como a sonoridade das palavras, sílabas semelhantes, rimas, ritmos etc. ou a construção de narradores que estão começando a perceber a realidade como em Gosto Muito ou Coisas que Eu Gosto e outros.

Em Ruth Rocha Conta Odisseia, a autora reconta a célebre narrativa de Ulisses em uma edição com cuidadosa contextualização histórica e mitológica. O narrador opta não pela musicalidade, ou pela organização em versos, o que talvez aproximasse mais da estrutura das obras de Homero, mas pelo encadeamento cuidadoso em prosa das histórias que compõem a Ilíada e a Odisseia. A preocupação central parece trazer de forma contextualizada essa narrativa clássica para um público infantojuvenil.

Espetáculos 4

Abrir módulo

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • BASTOS, D. ANA & RUTH: 25 anos de lilteratura. Rio de Janeiro: Salamandra, 1995.
  • COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico da literatura infantil e juvenil brasileira: séculos XIX e XX. 4. ed. São Paulo: Edusp, 1995.
  • COELHO, Nelly Novaes. Panorama Histórico da Literatura Infantil/Juvenil: das origens indo-europeias do Brasil contemporâneo. São Paulo: Ática, 1991.
  • MIGUEL, Maria Aparecida de Fátima. Ruth Rocha, página a página: bibliografia de e sobre a autora. 2006. 256 f. Dissertação de mestrado - Faculdade de Ciências e letras - Universidade Estadual Paulista. Assis, 2006.
  • Programa do Espetáculo - Loucos Por Amor - 2006. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: