Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Clarissa Diniz de Moura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2021
Clarissa Diniz de Moura (1985, Recife, Pernambuco). Curadora, pesquisadora e crítica de arte. Realiza pesquisas voltadas para a arte contemporânea, sobretudo questionando e expandindo noções de crítica, curadoria, circulação e do que é a arte brasileira. A questão social é tema presente em suas produções.

Texto

Abrir módulo

Clarissa Diniz de Moura (1985, Recife, Pernambuco). Curadora, pesquisadora e crítica de arte. Realiza pesquisas voltadas para a arte contemporânea, sobretudo questionando e expandindo noções de crítica, curadoria, circulação e do que é a arte brasileira. A questão social é tema presente em suas produções.

Em 2008, completa a licenciatura em educação artística e artes plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Durante o curso, idealiza a revista Tatuí (2006), periódico independente, de caráter experimental, dedicado a explorar e ampliar aspectos diversos da crítica de arte. Atua como editora e coordenadora da revista até seu encerramento (2015), e comissiona textos, promove debates e residências editoriais, em que algumas edições são concebidas coletivamente.

No Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), em Recife, realiza a exposição contidonãocontido (2010), com cocuradoria de Maria do Carmo Nino (1945) e do educativo do museu. A mostra acontece como um laboratório, em que a equipe, junto ao público, lança um olhar crítico para o acervo da instituição e propõe reflexões sobre sua legitimidade e representatividade.

Ingressa no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2011, e muda-se para a capital carioca. Obtém o título de mestre com a dissertação Cama de Gato – um ensaio a partir de "Malhas da Liberdade", de Cildo Meireles (2013). A pesquisa analisa as estratégias políticas e de alteridade da produção do artista multimídia Cildo Meireles (1948) e, de modo mais amplo, de parte da arte brasileira da época.

No Itaú Cultural, realiza a exposição Contrapensamento Selvagem (2011), com cocuradoria de Cayo Honorato (1979), Orlando Maneschy (1968) e Paulo Herkenhoff (1949). A mostra reúne artistas de fora do eixo Rio-São Paulo e funciona como um manifesto de não pureza conceitual, em que as obras se contaminam no ambiente expositivo, compondo uma apresentação caótica. O interesse dos curadores é evidenciar o poder disruptivo da arte. A exposição marca o modo de atuação que Diniz e Herkenhoff levam para o projeto curatorial do Museu de Arte do Rio (MAR). Inaugurado em março de 2013, na zona portuária carioca, o MAR é implementado por Herkenhoff, seu primeiro diretor, como um museu poroso, que se constitui com base na comunidade. Segundo Herkenhoff,

Clarissa Diniz deve atuar à frente dessa interlocução fundamental por ser uma curadora que "valoriza o trabalho em conjunto"1. Diniz participa ativamente da conformação do museu e integra a equipe como gerente de conteúdo, desenvolvendo projetos editoriais, programas públicos, exposições e trabalhando ações de interlocução com a comunidade.

As exposições que realiza no MAR são marcadas pelo trabalho curatorial coletivo, por envolver comunidades geralmente marginalizadas pelo circuito da arte e pela transversalidade. Entre elas, destacam-se: Do Valongo à Favela: Imaginário e Periferia (2014), em que o museu é aproximado de sua vizinhança com base no imaginário e nas representações do Rio de Janeiro, sobretudo da contribuição afro-brasileira na conformação da região; Dja Guata Porã – Rio de Janeiro Indígena (2017), em que o Rio é abordado sob a perspectiva das comunidades indígenas locais, que participam da curadoria e criam obras comissionadas; e O Rio do Samba: Resistência e Reinvenção (2018), que aborda aspectos sociais, culturais e políticos da história do samba.

Clarissa Diniz encerra suas atividades no MAR em 2018, quando integra como professora a equipe da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV Parque Lage). Em 2019, inicia o doutorado em sociologia e antropologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua pesquisa parte das relações entre a arte moderna brasileira e os povos indígenas para analisar os modos pelos quais a arte produz violência epistêmica.

Entre 2016 e 2019, realiza curadorias importantes feitas de forma coletiva, que lançam um olhar provocativo e subversivo para a arte, questionando seus cânones e propondo novas acepções. Entre elas, a 13ª Bienal Naifs do Brasil, no Sesc Piracicaba e no Belenzinho (2016 e 2017), intitulada Todo Mundo É, Exceto Quem Não É, que apresenta artistas naïf ao lado de outros já estabelecidos. A provocação dos curadores é apresentar o naïf como condição generalizada e analisar de forma inclusiva os diálogos possíveis entre os artistas. A exposição À Nordeste (2019), realizada no Sesc 24 de Maio, em São Paulo, apresenta um conjunto heterogêneo de obras e artistas, para refletir sobre as relações complexas entre centralidades e periferias no Brasil. A ideia é problematizar a noção de uma identidade fixa de Nordeste. A provocação se revela no título, que, ao optar pela crase ao invés do artigo definido, sugere a ideia de posição, perspectiva e movimento.

Como crítica de arte, Diniz se destaca pela escrita contundente e questionadora. Além da publicação de artigos, organiza e colabora com projetos editoriais. Entre eles: Crachá: Aspectos da Legitimação Artística (2008), acerca das dinâmicas de legitimação social existentes no campo da arte; e Crítica de Arte em Pernambuco: Escritos do Século XX (2012), coletânea que busca ampliar o sentido de “texto crítico” com base na prática crítica pernambucana.

A crítica de arte aliada a práticas experimentais e a atividade curatorial colaborativa marcam a trajetória profissional de Clarissa Diniz, que colabora com o desenvolvimento e a consolidação da carreira de artistas e contribui ativamente com a pesquisa sobre arte contemporânea brasileira e sua circulação.

 

Nota:

1. AOS 28 ANOS, Clarissa Diniz se destaca como curadora-assistente no MAR. O Globo, Rio de Janeiro, 17 maio 2014. Caderno Cultura.

Debates 2

Abrir módulo

Exposições 14

Abrir módulo

Performances 1

Abrir módulo

Workshops 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 31

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: