Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

José Maurício Nunes Garcia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.05.2019
1767 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1830 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
José Maurício Nunes Garcia (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1767 - idem 1830). Compositor, cravista, organista, violeiro, mestre-de-capela, padre. Órfão de pai aos 6 anos, fica aos cuidados de sua mãe Vitória Maria da Cruz, filha da escrava Joana Gonçalves. A mãe tem o cuidado direcionar o aprendizado do filho para a música. Ainda criança tem au...

Texto

Abrir módulo

Biografia

José Maurício Nunes Garcia (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1767 - idem 1830). Compositor, cravista, organista, violeiro, mestre-de-capela, padre. Órfão de pai aos 6 anos, fica aos cuidados de sua mãe Vitória Maria da Cruz, filha da escrava Joana Gonçalves. A mãe tem o cuidado direcionar o aprendizado do filho para a música. Ainda criança tem aulas de música com Salvador José, "o pardo", professor particular e amigo de sua família. Demonstrando grande facilidade com a música, aos 12 anos torna-se também professor e, aos 16, escreve sua primeira obra Antífona Tota Pulcra Es Maria (Consertad. a 4 voz[es] com dois Violinos Viola e Basso). Aos 17 é um dos fundadores de uma confraria de professores de música, a irmandade de Santa Cecília.

Ingressa no sacerdócio aos 25 anos, tornando-se mestre-de-capela da catedral da Sé aos 30, em 1798, onde tem a sua disposição um grupo de instrumentistas e cantores para os quais pode compor e reger. Obtido o título, o padre deveria agora compor para o calendário litúrgico da catedral, dirigir as obras e atuar como orador. Datam dessa época diversos graduais, dentre eles Justus cum ceciderit (1799) e Alleluia, angelus Domini (1799). Coube-lhe também responder perante o Senado da Câmara pela música que acompanhava as funções anuais, obrigação que lhe trouxe diversos problemas burocráticos em relação ao pagamento dos músicos, principalmente após a chegada da Família Real.

Com a transferência da corte portuguesa para o Brasil em 1808, o padre José Maurício é transferido para a Capela Real, criada pelo príncipe regente de Portugal junto a seu palácio, o que correspondia a um alto cargo. Em 1809, é agraciado com o hábito da Ordem de cristo por D. João VI e, em 1816, recebe do Senado e da Câmara a incumbência de dirigir a missa pela elevação do Brasil a Reino Unido. No ano seguinte, dirige "Doze Divertimentos" para o conjunto instrumental que acompanhou a princesa D. Leopoldina em sua vinda ao Brasil.

D. João VI demonstra grande apreço pelo compositor, apesar disso permanece em situação financeira ruim. A Capela Real não paga por suas composições, nem pelos trabalhos como professor e organista. Como se não bastasse, existe naquele tempo um sistema de "arrematações" por eventos fora do calendário litúrgico, no qual os músicos devem ser pagos por antecipação pelo mestre-de-capela, que é ressarcido depois pelo Senado da Câmara. Repetiram-se as vezes em que o ressarcimento é feito com grande atraso, alternando-se a outras em que simplesmente não é feito, tendo o compositor que ficar com o prejuízo.

O retorno de D. João VI a Portugal em 1821 marca um momento de turbulência política e econômica, que faz parte do processo de independência do Brasil. Para os músicos da Capela Real, o reflexo da situação é sentido diretamente em seus bolsos, através de um grande arrocho salarial. José Maurício, cuja situação financeira está longe de ser boa, vê seu salário ser reduzido a menos de um quarto. O padre-mestre que nunca chega a possuir um piano ou um cravo agora vai sendo levado gradativamente à miséria.

Análise

A atividade musical no Brasil durante quase todo o período colonial funciona basicamente no âmbito das funções religiosas, e a batina pode garantir o respeito frente à sociedade. Então é na igreja onde o jovem José Maurício desenvolve sua carreira musical. Ali pode dedicar-se à composição, à regência e às aulas gratuitas que oferece aos que não têm condições de pagar por elas. Desse modo, sua produção artística é essencialmente religiosa, tendo composto algo em torno de quatrocentas peças. Dedica a maior parte de sua atividade à composição de missas, novenas, salmos, hinos, vésperas, motetos, Te Deum, matinas e outras variantes da liturgia, tendo ainda composto música dramática, modinhas e música para orquestra, como a abertura Zemira, composta em 1803.

No final do século XVIII, O Rio de Janeiro concentra o principal centro de comercio internacional brasileiro. Na cidade, nova sede do vice-reino do Brasil, são criadas primeiro as condições para um dinamismo econômico e alguma efervescência cultural. O Rio começava a criar um cenário profissional para seus músicos: tocar em festas religiosas e comemorações patrocinadas pela Câmara Municipal foram as primeiras maneiras que José Maurício encontrou para ajudar nas despesas de sua casa. Os músicos passam a organizar-se em irmandades, formadas, principalmente, por profissionais liberais e comerciantes, que se reunem em torno de certa devoção.  A irmandade, variando de acordo com sua possibilidade financeira, pode construir sua própria igreja e organizar seus músicos, mulatos livres na sua maioria, para compor o serviço litúrgico e as festas em torno do padroeiro. José Maurício escreveu, por exemplo, vários conjuntos de música com o título de Vésperas para o dia do santo patriarca no intervalo entre 1799 a 1810, ou ainda Música do dia do Ofício Geral da Irmandade. São peças de caráter funcional, servem às intenções do ofício religioso.

Com a transferência da corte, o padre José Maurício é nomeado mestre de música da nova Capela Real. Cargo de grande importância, deve escrever agora para orquestras maiores e para os melhores músicos da corte. Esse período coincide com o de maior produtividade na carreira do compositor não por acaso: as exigências da Capela são muitas, e o compositor pode escrever para formações que até então não tinha oportunidade. Entre 1808 e 1811 o número de obras do catálogo do padre se intensifica visivelmente, multiplicando sua produção. Mas a carga exagerada de trabalho e a falta de pagamentos levam-no à debilidade física e moral. A relação com os músicos vindos da Capela Real de Lisboa é bastante penosa para o padre compositor: insatisfeitos por serem dirigidos por um brasileiro mulato, o padre-mestre é acusado de, entre outras, não ter frequentado conservatórios, nunca ter saído do Brasil e reger sem ter aprendido. Mas, principalmente, sempre são diretos ao acusarem seu "defeito físico visível", a cor de sua pele. Frente à situação, D. João VI manda trazer seu antigo mestre-de-capela Marcos Portugal - de tez branca e origem lusa - que usufrui mais privilégios que o padre brasileiro.

Assim, José Maurício vive entre dois mundos: conhece a música e a sofisticação das artes praticadas na Europa no final do século XVIII, ao mesmo tempo em que a cor de sua pele o prende a um mundo cruel e sem direitos. Sua música procura solucionar de algum modo esse conflito que tão intensamente o envolve. Na leveza de sua escrita transparece a admiração por mestres europeus como Mozart e Haydn. O padre José Mauricio Nunes Garcia também é um dos iniciadores da música popular no Brasil com a publicação das modinhas de sua autoria Beijo a Mão que Me Condena, No Momento da Partida, Meu Coração Te Entreguei (1837) e Marília, Se Não Me Amas, não Me Digas a Verdade (1840). 

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • JOSÉ MAURÍCIO Nunes Garcia: um brasileiro nos ouvidos da Corte. Direção: KANJI, Ricardo; VOLPATO, Reinaldo; Fotografia: RAULINO, Aloysio; Roteiro: NAVAS, Vítor; Produção: Telebrás; CEPEC; Prod. executiva: CARVALHO, Wagner; XAVIER, Rubens. São Paulo: CEPEC - Centro de Produções Editoriais e Culturais, 199_. 1 DVD : 1 ex., NTSC, col., 29min01 (História da música brasileira, 5).
  • LIMA, Rossini Tavares de. Vida e época de José Maurício. Edição Elo: São Paulo, 1941.
  • MATTOS, Clêofe Person de. Catálogo temático de José Maurício Nunes Garcia. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1970.
  • MATTOS, Clêofe Person de. José Maurício: biografia. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1997.
  • SCHUBERT, Guilherme. "O Brasil de ontem na vida do padre José Maurício". Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro,V. 326, p. 327-350, jan./mar. Rio de Janeiro: IHGB, 1980.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: