Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Glauco Mattoso

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.11.2018
29.06.1951 Brasil / São Paulo / São Paulo
Pedro José Ferreira da Silva (São Paulo, São Paulo, 1951). Poeta, ficcionista, articulista, ensaísta, tradutor e letrista. Seu pseudônimo é inspirado no glaucoma que tem desde a infância e que o deixa cego nos anos 1990. É formado em biblioteconomia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e em letras vernáculas pela U...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Pedro José Ferreira da Silva (São Paulo, São Paulo, 1951). Poeta, ficcionista, articulista, ensaísta, tradutor e letrista. Seu pseudônimo é inspirado no glaucoma que tem desde a infância e que o deixa cego nos anos 1990. É formado em biblioteconomia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e em letras vernáculas pela Universidade de São Paulo (USP).

Na década de 1970, quando reside por quase dois anos no Rio de Janeiro, participa da crítica cultural ao regime militar1. Alinha-se ao movimento tropicalista e à contracultura e integra grupos ativistas ligados ao movimento Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT), como o Somos2. A partir de então, colabora com diversos periódicos alternativos, como o Pasquim, e também com os da grande imprensa, como o Jornal da Tarde, em paralelo ao trabalho como bancário. Estreia na poesia em 1975, com a participação no livro coletivo Apocrypho Apocalypse. Até os anos 2000, publica mais de 20 títulos do gênero, organiza de antologias e faz crítica literária. Recebe o Prêmio Oceanos 2015 pela coletânea de sonetilhos Saccola de Feira (2014).

Análise

Embora circule pouco pelo grande público, a poesia de Glauco Mattoso tem sua importância reconhecida pela crítica especializada desde o final da década de 1970. É difícil enquadrar o poeta em uma única tendência. Sua poesia associa-se tanto às experimentações das vanguardas concretistas, representadas por poetas como Décio Pignatari (1927-2012), quanto à irreverência e coloquialidade da poesia marginal dos anos 1970, à qual pertencem poetas como Cacaso (1944-1987). Para este, a poesia de Mattoso é notável por sua capacidade de incorporar a citação de autores clássicos, como Luís de Camões (1524-1580); formas tradicionais, como o soneto; a pornografia e a liberdade formal absoluta.

Esse aspecto transgressivo é evidente em sua obra mais conhecida, o Jornal Dobrabil, fanzine artesanal que faz circular entre artistas e intelectuais brasileiros de 1977 a 1981. Trata-se de uma colagem de textos próprios, plágios deliberados e imitações de notícias de jornal, em que critica os costumes da sociedade e da política brasileira do final do regime militar. Em uma de suas páginas, a temática rende ao autor o rótulo de "iconoclasta". Repleta de humor inteligente e de perversões, da escatologia ao sadomasoquismo, serve para parodiar o clássico poema concreto “Beba Coca-Cola” (1957), de Décio Pignatari:                                                       

                                           COCO

                                           BOCA

                                               CU

                                          COCO

No final dos anos 1990, depois de quase dez anos longe da poesia, Mattoso realiza o projeto de publicar mil sonetos, dedicados a temas variados, como política e impressões sobre a cidade de São Paulo. Nunca perdem a acidez, como se vê no “Soneto Natal [951]”: “Nasci glaucomatoso, não poeta./ Poeta me tornei pela revolta/ que contra o mundo a língua suja solta”.

O autor ainda publica ensaios e textos ficcionais sobre assuntos variados. Entre eles, o teórico O que É Tortura? (1984), as memórias ficcionalizadas Manual do Podólatra Amador (1986) e A Planta Donzela (2005). Este último é um romance em que sua perversão predileta, o fetiche por pés, reaparece para subverter o amor romântico do célebre A Pata da Gazela (1870), do escritor José de Alencar (1829-1877). Em 1999, realiza, junto ao crítico Jorge Schwartz (1944), a tradução da primeira poesia do escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986), “Fervor de Buenos Aires”.

Notas

1. A ditadura militar se instaura em 1º de abril de 1964 e permanece até 15 de março de 1985. Os direitos políticos dos cidadãos são cassados e os dissidentes, perseguidos.
2. Grupo Somos: Grupo de Afirmação Homossexual, mais conhecido como Somos. É um grupo de defesa dos direitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), fundado em 1978, e considerado o primeiro no Brasil em defesa desses direitos.

 

Espetáculos 5

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: