Artigo da seção pessoas Albertina Ganzo

Albertina Ganzo

Artigo da seção pessoas
Dança  
Data de nascimento deAlbertina Ganzo: 20-08-1920 Local de nascimento: (Geórgia / Tbilisi) | Data de morte 02-08-2000 Local de morte: (Brasil / Santa Catarina / Florianópolis)

Biografia
Albertina Saikowska de Ganzo (Tbilisi, República da Geórgia, 1920 – Florianópolis, Santa Catarina, 2000). Nasce em Tbilisi, região do Cáucaso, na época anexada à União Soviética. Seu pai, oficial do exército do czar Nicolau II (1868-1918), foge com a família do regime bolchevique instaurado com a Revolução Russa de 1917. A  família chega ao Brasil em 1928, e instala-se na cidade do Rio de Janeiro1.

Aos nove anos de idade, Albertina tem aulas com a professora Maria Olenewa (1896-1965), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1935, conclui o curso e, no ano seguinte, ingressa no corpo de baile da instituição, fundado por Olenewa em 1936. É convidada para ser solista e, com a oficialização da companhia, passa a receber salário como funcionária municipal. Em 1937, casa-se e muda-se para Florianópolis, encerranado sua participação no balé carioca.

Na capital catarinense, a partir dos anos 1940, ensina dança e produz espetáculos para o Clube Doze de Agosto e o Lira Tênis Clube. Os eventos pioneiros que organiza e coreografa nos dois clubes apresentam danças clássicas e folclóricas, incluindo russas e latino-americanas. A repercussão das apresentações motiva a abertura, em 1950, da primeira escola de dança de Florianópolis, na praça XV de Novembro, em uma pequena sala do prédio da família Ganzo. A inauguração da Escola de Danças Clássicas Albertina Saikowska de Ganzo marca o ensino de dança na cidade.

A primeira apresentação da escola ocorre em 1952, no Teatro Álvaro de Carvalho, com o título de Espetáculos de Bailados. A exibição das alunas é acompanhada pela orquestra sinfônica da cidade, regida pelo maestro Emanuel Peluso. A partir desse ano, Albertina institui festivais bianuais de dança, com impacto na sociedade local.

A escola, frequentada por mulheres, acolhe, em meados de 1950, o bailarino Luis Carlos Santana, primeiro aluno de dança clássica de Florianópolis. Albertina concede uma bolsa de estudo ao jovem e ele passa a participar das coreografias da escola, possibilitando apresentações que exigem pas de deux. A escola suspende suas atividades no período de 1963 a 1971. Em 1972, instala-se em uma nova sede, também no centro da capital catarinense, com codireção de Clorinda Ganzo Pereira, filha de Albertina. A partir de 1982, Clorinda assume a direção da escola até seu fechamento, em 2006, ano da produção do último espetáculo.

Em 2004, Albertina recebe a Medalha do Mérito Cultural Cruz e Sousa, premiação instituída pelo governo de Santa Catarina para homenagear aqueles que prestam serviços em prol do patrimônio artístico e cultural do estado de Santa Catarina.

 

Análise
Florianópolis, na década de 1950, passa por grandes transformações durante o processo de urbanização da cidade. Segundo a pesquisadora Luciene Lehmkuhl, nas décadas de 1940 e 1950, não existem instituições de ensino de arte na capital catarinense, e a atividade artística restringe-se aos ateliês de artistas, em sua maioria, autodidatas2. No final da década de 1940, a cena cultural agita-se com a fundação do Círculo de Arte Moderna, grupo formado por jovens escritores e artistas interessados em sacudir a cidade com manifestações modernas de teatro, literatura e artes plásticas. Em 1948, o grupo lança a Revista Sul, publicação que orienta o movimento de arte moderna em Santa Catarina até o final da década de 1950. Em 1949 é inaugurado o Museu de Arte Moderna de Florianópolis, hoje denominado Museu de Arte de Santa Catarina (Masc) e, em 1958, surge o Grupo de Artistas Plásticos de Florianópolis (Gapf), um coletivo atuante de novos artistas.

As contribuições de Albertina Ganzo para o ambiente artístico local são de importantes nesse período, com a inauguração do ensino de dança e o estímulo à produção coreográfica. A primeira apresentação da Escola de Danças Clássicas Albertina Saikowska de Ganzo, no Teatro Álvaro de Carvalho, recebe reconhecimento da imprensa local. Segundo crônica de Sálvio de Oliveira3, publicada em 22 de dezembro de 1952 no jornal Gazeta, é a partir da apresentação de Espetáculos de Bailados que o balé em Florianópolis passa a existir de fato.

A crônica de Gustavo Neves sobre a apresentação do grupo de Albertina Ganzo, realizada na Federação Atlética Catarinense (FAC), é lida no microfone da Rádio Guarujá em 15 de dezembro de 1953 e ajuda a dimensionar a importância do trabalho da professora e coreógrafa:

Albertina de Ganzo é, incontestavelmente, a criadora, entre nós, de uma nova sensibilidade artística, felizmente correspondida na intuição de suas alunas, em cujas almas sabe infundir os segredos do gesto impressivo, o fascínio do ritmo e da figuração interpretativos, que não falam apenas das emoções do presente, porque vêm do eterno e profundo mistério das almas, e estes transcendem limites de tempo e espaço4.

A pioneira escola de dança criada por Ganzo transforma-se, nos anos 1980, na Academia Albertina Ganzo e oferece, além do balé, outros estilos, como jazz, ginástica e dança moderna. Pela escola transitam muitos dos profissionais importantes da dança catarinense, como Ana Cristina Maingué, Mônica e Catharina Coimbra, Juliana Santiago, Andréa Bergallo, Jussara Terrats, Sandra Meyer, Patrícia Soares, Ivana Bonomini, Bárbara Rey, Bia Mattar, Alejandro Ahmed e Malu Rabelo. Nos anos 1980 e 1990, a escola abriga muitos artistas que iniciam suas carreiras,  disponibilizando salas para ensaio de grupos como o Ballet Desterro e o Grupo Cena 11 Cia de Dança.

 

Notas
1Conforme A dança cênica em Florianópolis, de Sandra Meyer Nunes (1994), e depoimento escrito pela filha de Albertina Ganzo, Clorinda Ganzo Pereira, sobre o percurso de sua mãe, registrado no blogue da família Ganzo. Disponível em < http://albertinaganzo.blogspot.com.br/  >.

2FLORES, Maria Bernadete; LEHMKUHL, Luciene; COLLAÇO, Vera. A casa do baile: estética e modernidade em Santa Catarina. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006. p.84.

3Sálvio de Oliveira é o primeiro diretor do Museu de Arte Moderna de Santa Catarina, em 1951, e fundador do Teatro Catarinense de Comédia.

4Apud TORRES, Vera, Noitada de bailados (Blumenau, 1945) e Espetáculos de bailados (Florianópolis, 1952): referências da dança catarinense. In: MEYER, Sandra; TORRES, Vera; XAVIER, Jussara (Orgs.). Histórias da dança. Florianópolis: Editora Udesc, 2012. p. 59.

Outras informações de Albertina Ganzo:

  • Outros nomes
    • Albertina Saikowska de Ganzo
    • Fernandy
  • Habilidades
    • Bailarino
    • professor de dança
    • Coreógrafo

Fontes de pesquisa (7)

  • SUCENA, Eduardo. A Dança Teatral no Brasil. Rio de Janeiro: Fundacen, 1988.
  • BREHSAN, Nastaja Roussenq. A formação do bailarino contemporâneo em florianópolis.  Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso em Licenciatura em Educação Artística) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.
  • GANZO, Albertina Saikowska de. Depoimento de Clorinda Ganzo Pereira no blogue da família Ganzo. Organização Maurício Pereira. Disponível em: < http://albertinaganzo.blogspot.com.br/ >. Acesso em: 19 set. 2013.
  • LEHMKUHL, Luciene; FLORES, Maria Bernadete; COLLAÇO, Vera. A casa do baile: estética e modernidade em Santa Catarina. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006.
  • NUNES, Sandra Meyer. A dança cênica em Florianópolis. Florianópolis: Fundação Franklin Cascaes, 1994.
  • SCHMMITZ, Paulo Clóvis. A pequena história de Teatro Álvaro de Carvalho. Florianópolis: Insular, 2005.
  • TORRES, Vera. Noitada de bailados (Blumenau, 1945) e Espetáculos de bailados (Florianópolis, 1952): referências da dança catarinense. In: MEYER, Sandra; TORRES, Vera; XAVIER, Jussara (Orgs.). Histórias da dança. Florianópolis: Editora Udesc, 2012. (Coleção Dança Cênica, 2)

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ALBERTINA Ganzo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa482535/albertina-ganzo>. Acesso em: 24 de Ago. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7