Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Delfim Fernandes Amorim

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.09.2017
1917 Portugal / Douro Litoral / Póvoa de Varzim
1972 Brasil / Pernambuco / Recife
Delfim Fernandes Amorim (Póvoa de Varzim, Portugal,1917 - Recife, Pernambuco, 1972). Arquiteto e professor. Forma-se arquiteto, em 1947, na Escola de Belas Artes do Porto, Portugal. É professor de grandes composições de arquitetura na mesma instituição entre 1950 e 1951. Desenvolve com o sócio Oliveira Martins projetos residenciais, comerciais e...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Delfim Fernandes Amorim (Póvoa de Varzim, Portugal,1917 - Recife, Pernambuco, 1972). Arquiteto e professor. Forma-se arquiteto, em 1947, na Escola de Belas Artes do Porto, Portugal. É professor de grandes composições de arquitetura na mesma instituição entre 1950 e 1951. Desenvolve com o sócio Oliveira Martins projetos residenciais, comerciais e públicos de 1947 a 1951. Milita em favor da arquitetura moderna através de artigos publicados na revista Vértice, de Coimbra, de palestras como a Arquitetura de Hoje, 1951, proferida no Ateneu Comercial do Porto, e da participação, como membro-fundador, na Organização em Defesa da Arquitetura Moderna - Odam. Emigra para o Brasil, em 1951, por causa das condições socioeconômicas de seu país e da presença de um irmão no Recife, onde se instala definitivamente.1 Os primeiros projetos ali desenvolvidos são assinados por engenheiros construtores ou por Acácio Gil Borsoi - com quem trabalha inicialmente -, já que Amorim só consegue validar o seu diploma depois que, em 1956, se naturaliza brasileiro. Desenvolve projetos residenciais, comerciais, de serviço, educacionais e industriais em parceria com os arquitetos Lúcio Estelita, Armindo Leal e Heitor Maia Neto, seu sócio, entre 1963 e 1972, e assistente no curso de arquitetura desde 1958. Ao mesmo tempo realiza pareceres para o Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Sphan.

Até 1959, quando é criada a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Recife, é professor da cadeira de pequenas composições do curso de arquitetura da Escola de Belas Artes, primeiro como assistente de Borsoi, depois como responsável pela disciplina. Assume a cadeira de composição de arquitetura em 1959 e a cadeira de plástica em 1962. Participa da Comissão de Reorganização do Currículo da Faculdade de Arquitetura de 1961 a 1963. Publica artigos sobre arquitetura no Jornal do Commercio, entre 1957 e 1958 e no Jornal Pequeno, em 1963, além de proferir palestras na Faculdade de Filosofia do Recife, na Galeria de Arte da Casa de Holanda e nas instituições em que é professor. Seu projeto para o Edifício Barão do Rio Branco, 1966/1969, é premiado pelo Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de Pernambuco - IAB/PE.

Análise

Delfim Fernandes Amorim é o responsável, ao lado do arquiteto italiano Mario Russo e do arquiteto carioca Acácio Gil Borsoi, pela consolidação da arquitetura moderna no Recife. Como Daniele Calabi, Amorim emigra ainda jovem para o Brasil e sua obra amadurece somente depois da experiência como arquiteto no Recife, nas décadas de 1950 e 1970.

Formado no segundo pós-guerra num momento marcado nacionalmente pela afirmação do movimento moderno e internacionalmente por sua revisão, Amorim apoia a vertente funcionalista do movimento, ao mesmo tempo em que respeita as especificidades ambientais e culturais de Portugal, seu país de origem. Tal como ocorrera com os arquitetos modernos brasileiros, cuja produção é admirada pelos membros da Organização em Defesa da Arquitetura Moderna - Odam, procura conciliar o estilo internacional, e mais especificamente o ideário de Le Corbusier, com a arquitetura tradicional portuguesa, adaptando-o ao meio local. Obras como as residências Josué Silva, ca.1947, Antônio Rocha, 1947 e Dimas, 1949, são marcadas por essa intenção e pelo exemplo brasileiro, na referência aos cinco pontos da arquitetura - pilotis, planta livre, fachada livre, janela corrida e terraço-jardim -, e na adoção de brises-soleil, do telhado borboleta - cobertura em duas águas com inclinação invertida - e de materiais típicos da arquitetura portuguesa, como o azulejo e a pedra.

A referência à arquitetura moderna brasileira, sobretudo a desenvolvida no Rio de Janeiro por arquitetos então renomados como Lucio Costa, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reidy, mantém-se e se aprimora no Recife nos 1950, em projetos como o Conjunto Habitacional da Fábrica Tacaruna, 1952/1953, os edifícios Oscar Amorim, 1953, e Acaiaca, 1957/1958.

Entre 1958 e 1966, o arquiteto desenvolve as conhecidas "casas de Amorim", das quais se destacam as residências Amaro Alves, 1958, e Serafim Amorim, 1960. Consideradas um modelo de residência unifamiliar, que é definido por blocos funcionais separados por diferentes níveis ou pátios, por lajes planas levemente inclinadas cobertas por telhas cerâmicas, e pelo uso de azulejos, pedra, tijolo, elementos vazados e esquadrias em madeira com venezianas, as "casas de Amorim" sintetizam a original proposta do arquiteto em adequar o edifício às condições climáticas da região através da adoção de materiais e soluções tradicionais e da incorporação de novos materiais e técnicas industriais, segundo um raciocínio construtivo que o mantém vinculado ao movimento moderno.2

A partir da sociedade com o arquiteto pernambucano Heitor Maia Neto, Amorim desenvolve dois grupos de projetos. O primeiro, definido por pesado blocos compactos, o aproxima da "escola paulista" e tem como exemplares os supermercados Bompreço, 1966/1969, a Residência Miguel Doherty, 1970 e a Faculdade de Arquitetura, 1970. O segundo sobressai pela volumentria movimentada, definida nos edifícios residenciais, por balcões e armários que se destacam da fachada e, nas residências unifamiliares, pelos telhados e blocos funcionais, tal como se observa nos edifícios Barão de Rio Branco, 1966/1969 e nas residências Alfredo Pereira Corrêa, 1969 e Leão Masur, 1970. A volumentria movimentada desses projetos, além da expressividade dos elementos estruturais e construtivos de concreto armado, comuns aos dois grupos de projetos, retomam o diálogo com Borsoi, interrompido no período das "casas de Amorim". Nesse momento também é visível a recuperação de experiências pontuais, como a Residência Antônio Lajes, 1953/1954, o Edifício Santa Rita, 1961/1962 e o Seminário Regional do Nordeste, 1962 e a persistência de elementos e soluções que marcam a sua produção, como os azulejos e a organização do programa residencial em três zonas funcionais independentes - social, de serviço e íntima. Dono de uma obra variada que dificulta sua classificação e revela disposição para a experimentação e atenção ao debate arquitetônico em curso, Amorim deixa marcas não só na cidade como na formação dos arquitetos modernos do Recife.

Notas

1 Informação dada pela historiadora da arquitetura Guilah Naslavsky, que em nota afirma que a escolha pelo Brasil no período era inusual, a maioria dos arquitetos portugueses sendo atraídos pelas colônias africanas. 

2 NASLAVSKY, Guilah. Arquitetura moderna em Pernambuco, 1951 - 1972. As contribuições de Acácio Gil Borsoi e Delfim Fernandes Amorim. 2004. 270f. Tese (Doutorado em estruturais ambientais e urbanas). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. Tradução Ana M. Goldberger. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999. 724.6 B886a 4.ed.
  • BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.
  • DELFIM AMORIM, ARQUITETO. Recife: Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento de Pernambuco, 1981. 186p., il p&b.
  • DELFIM AMORIM, ARQUITETO. Recife: Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento de Pernambuco, 1981. 186p., il p&b. Não Catalogado
  • NASLAVSKY, Guilah. Arquitetura moderna em Pernambuco, 1951 - 1972. As contribuições de Acácio Gil Borsoi e Delfim Fernandes Amorim. 2004. 270f. Tese (Doutorado em Estruturais Ambientais e Urbanas). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Não catalogado
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999. 720.981 S454a

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: