Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Gertrudes Altschul

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.01.2021
01.01.1904 Alemanha
1962 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Composição
Gertrudes Altschul
Prata sobre papel (vintage)<br>negativo branco e preto

Martha Gertrud Altschul (Alemanha, 1904 – São Paulo, São Paulo, 1962). Fotógrafa. Uma das primeiras mulheres a trabalhar com fotografia e ter sua produção reconhecida no Brasil. É também uma das primeiras mulheres a participar do Foto Cine Clube Bandeirante (FCCB), em São Paulo. Fotografa diversos assuntos, com destaque para paisagens urbanas, n...

Texto

Abrir módulo

Martha Gertrud Altschul (Alemanha, 1904 – São Paulo, São Paulo, 1962). Fotógrafa. Uma das primeiras mulheres a trabalhar com fotografia e ter sua produção reconhecida no Brasil. É também uma das primeiras mulheres a participar do Foto Cine Clube Bandeirante (FCCB), em São Paulo. Fotografa diversos assuntos, com destaque para paisagens urbanas, natureza morta e temas botânicos, enfatizando sombra, linhas e contrastes.

De origem judaica, Gertrudes Altschul administra com o marido uma confecção de chapéus femininos em Berlim. Com o avanço do nazismo na Alemanha, em 1936 a família começa a planejar sua saída do país. Três anos mais tarde, em 1939, chega ao Brasil e se estabelece em São Paulo. Na cidade, funda com o marido a empresa Arteflor, de produção de flores artificiais feitas à mão para decoração de roupas e acessórios femininos. 

Em 1952, Gertrudes se inscreve no curso básico de fotografia no Foto Cine Clube Bandeirante a fim de encontrar um hobby, uma maneira de extravasar sua criatividade. “Uma fuga a essa tirania das formas previamente convencionadas, contra a qual diariamente seu espírito se rebelava, embora a necessidade de viver a levasse à submissão”1, escreve Correia Ribeiro. No mesmo artigo, o autor comenta a estranheza que Gertrudes causa ao aparecer no FCCB para se inscrever, um ambiente até então frequentado por homens, em sua maioria. Uma das poucas mulheres a participar do grupo de fotógrafos do FCCB, Gertrudes faz parte do núcleo chamado de Escola Paulista de Fotografia, precursor da fotografia moderna brasileira. 

A atividade recreativa logo vira algo sério. Em uma viagem a Buenos Aires, a fotógrafa adquire uma câmera Contax e, mais tarde, uma Roleiflex – equipamentos profissionais com os quais obtém melhor qualidade técnica na captação de seus registros. Depois, monta uma laboratório de revelação em casa para realizar pesquisas, ampliações e montagens de imagens. 

A partir de meados da década de 1950, começa a expor seu trabalho em diversos salões. Em 1954, recebe menção honrosa no 2º Salão de Arte Fotográfica, organizado pelo Foto Cine Clube de Jaboticabal; no ano seguinte, no 1º Salão Nacional de Arte Fotográfica de Santos, obtém diploma de honra. Em 1955, participa da Photokina – Exposição Internacional de Fotografia e Cinema de Colônia, na Alemanha. Recebe honra ao mérito no 6º Salão de Arte organizado pela Sociedade Fluminense de Fotografia, em 1957, e começa a gozar de prestígio entre os colegas do FCCB, publicando trabalhos no número 88 do Boletim e no Anuário de 1957 do Foto Cine Clube Bandeirante.

Assim como a maioria membros do FCCB, Gertrudes Altschul também faz saídas fotográficas para registrar a cidade de São Paulo, que cresce de maneira vertiginosa. Fazem parte desse conjunto de fotografias imagens de canos de esgoto e céus enclausurados entre prédios, temas muito comuns aos participantes do fotoclubismo. De acordo com a pesquisadora norte-americana Paula Kupfer, o que diferencia as fotografias de Gertrudes Altschul das demais do grupo é o hiper-realismo. Nas fotografias Arquitetura (s.d.) e Linhas e tons (ca. 1952), a artista transmite os sentimentos de angústia e ansiedade que São Paulo vive entre as décadas de 1950 e 1960, quando começa sua verticalização. Em ambas as fotos, Gertrudes recorda o céu de maneira dura, estreitando o vazio entre prédios e paredes. 

Embora não seja possível afirmar que em Linhas e Tons uma montagem tenha sido feita para enfatizar essa sensação, em Arquitetura a intervenção da artista fica um pouco mais aparente. A fotógrafa faz um trabalho meticuloso na composição da imagem, recortando edifícios para montar o instante em que os prédios quase se tocam para fechar um triângulo no espaço. Segundo Helouise Costa (1960) e Renato Rodrigues, essa ação reforça o realismo da fotografia, que apela para o sentimento de angústia que experimentamos com o “crescimento desordenado de nossos centros urbanos”2.

A manipulação das imagens fica mais clara nas séries de fotografias botânicas. Em Vasos e Plantas (1952), Gertrudes insere as imagens no próprio filme fotográfico criando máscaras na folha de contato na hora da revelação. Dessa forma, a artista desafia a fotografia como um registro da vida real, criando suas imagens e situações por meio das montagens, realizando um exercício de colagem. Na obra de Gertrudes Altschul, o trabalho de pós-produção da fotografia torna-se tão importante quanto a captação. É no laboratório que a artista aplica camadas em suas fotos. Em Folha Morta (s.d.), ela satura e contrasta com ênfase a imagem de uma folha seca, criando um desenho topográfico da imagem botânica.

Assim como explora as linhas e formas da cidade, a fotógrafa traz esse mesmo olhar para as plantas. Em Sem título (s.d.), explora a perspectiva das linhas de uma folha nervurada, transformando a imagem da natureza em um desenho geométrico abstrato. Esse interesse pela botânica pode ser atribuído tanto ao seu trabalho na oficina de flores decorativas quanto a sua mudança para um país tropical, em que a natureza ainda se faz presente, mesmo vivendo em uma cidade que passa por uma frenética urbanização. 

Com um olhar esteticamente apurado, Gertrudes Altschul faz registros de paisagens urbanas e temas botânicos em seus trabalhos fotográficos. Interessada também na pós-produção das imagens, sua obra demonstra sua curiosidade pela fotomontagem.

 

Notas:

1. CF. RIBEIRO, Correia. "Uma Foto ... Uma Saudade". In: BOLETIM FOTO CINE. São Paulo: Foto Cine Clube Bandeirante, ano XII, n. 141, jan.- mar. 1964. p. 9 e 10. Disponível em: http://fotoclub.art.br/documento/boletim-foto-cine-clube-bandeirante-no-141/. Acesso em: 30 nov. 2020.

2. COSTA, Helouise; RODRIGUES, Renato. A fotografia moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 1995. p. 66.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução fotográfica João L. Musa/Itaú Cultural

Arabescos em Branco

Tinta mineral sobre papel de algodão
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Composição

Prata sobre papel (vintage)<br>negativo branco e preto
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Composição II

Prata sobre papel (vintage); negativo branco e preto

Exposições 16

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: