Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Lucjan Korngold

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1897 Polônia / a definir / Varsóvia
1963 Brasil / São Paulo / São Paulo
Lucjan Korngold (Varsóvia, Polônia 1897 - São Paulo SP 1963). Arquiteto. Forma-se engenheiro-arquiteto pela Escola Politécnica de Varsóvia entre 1921 e 1922. Obtém menção honrosa na 5ª Trienal de Milão, em 1933, com o projeto de uma residência em Varsóvia realizado com Henryk Blum (1897 - 1943). Participa da Exposição Internacional de Artes e Té...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Lucjan Korngold (Varsóvia, Polônia 1897 - São Paulo SP 1963). Arquiteto. Forma-se engenheiro-arquiteto pela Escola Politécnica de Varsóvia entre 1921 e 1922. Obtém menção honrosa na 5ª Trienal de Milão, em 1933, com o projeto de uma residência em Varsóvia realizado com Henryk Blum (1897 - 1943). Participa da Exposição Internacional de Artes e Técnicas na Vida Moderna, apresentada em Paris em 1937. Em 1939 é chamado para integrar o Exército polonês. Nesse ano, a Alemanha invade a Polônia e inicia uma onda de perseguições aos judeus, que leva o arquiteto a fugir para Bucareste e se exilar no Brasil. A família do arquiteto, junto com 900 refugiados judeus, consegue a permissão de exílio graças às negociações estabelecidas entre o Vaticano e o Itamaraty. No navio em que viaja estabelece contatos importantes para o desenvolvimento de sua carreira como arquiteto em São Paulo. Trabalha no Escritório Técnico Francisco Matarazzo Neto entre 1940 e 1943. Associa-se ao arquiteto húngaro Francisco Beck (1901 - 1990) em 1944 e dois anos depois desfaz essa sociedade, e monta o Escritório Técnico Lucjan Korngold Engenharia e Construções. Naturaliza-se brasileiro em 1949, e em 1953 recebe o registro do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - Crea, podendo, então, assinar e se responsabilizar tecnicamente pelos projetos e obras do escritório. Em 1960, associa-se ao arquiteto brasileiro Abelardo Gomes de Abreu (1929), que, inspirado pelo modelo norte-americano, sugere a separação entre as atividades de projeto e construção, que passam a ser desenvolvidas pelo Escritório Técnico Lucjan Korngold Engenharia e Construções Ltda. e o escritório Lucjan Korngold e Abelardo Gomes de Abreu, respectivamente. Os projetos de Korngold no Brasil são divulgados a partir dos anos 1940 pela L'Architecture D'Aujourd'hui; na exposição Arquitetura Latinoamericana desde 1945, organizada pelo historiador da arquitetura Henry-Russell Hitchcock (1903 - 1987) no Museum of Modern Art of New York - MoMA [Museu de Arte Moderna de Nova York]; e pelo livro Arquitetura Moderna no Brasil de Henrique E. Mindlin (1911 - 1971).

Comentário crítico
Integrante de um grupo amplo de fotógrafos, artistas, engenheiros, investidores e arquitetos estrangeiros que imigram para o Brasil no entre-guerras e, sobretudo, no imediato pós Segunda Guerra Mundial (1939-1945), Lucjan Korngold contribui ao lado de Franz Heep (1902 - 1978), Jacques Pilon (1905 - 1962), Giancarlo Palanti (1906 - 1977), entre outros, para o processo de metropolização de São Paulo em curso desde os anos 1930. Aprofundado entre as décadas de 1950 e 1960, esse processo se caracteriza por um intenso crescimento da cidade que se revela na ampla expansão horizontal da periferia e na verticalização acelerada da área central,1 para a qual esses arquitetos estrangeiros e também brasileiros, como Rino Levi (1901 - 1965), Oswaldo Bratke (1907 - 1997) e Oscar Niemeyer (1907 - 2012) contribuem mais diretamente.

Símbolos da metropolização e modernidade de São Paulo, os arranha-céus representam o rápido desenvolvimento da capital, a sua capacidade produtiva e tecnológica, assumindo formas variadas, do edifício residencial ao condomínio, do edifício conjunto ao edifício galeria,2 todos marcados pela multifuncionalidade e inserção urbana que valoriza o convívio. Dessa forma, muitos desses novos arranha-céus oferecem, além de apartamentos residenciais, comerciais e/ou de serviço, restaurantes, salões de jogos, dança ou esporte, cinemas, teatros e outras atividades dirigidas não só aos moradores e usuários, mas também a toda a população.

Korngold constrói nesse período um dos cartões-postais da cidade: o CBI-Esplanada, 1947 no parque do Anhangabaú,3 destinado a abrigar hotel, escritórios, lojas e salas comerciais. De concreto armado, diante da impossibilidade técnica e financeira de utilizar a estrutura metálica, o CBI-Esplanada tem a estrutura independente que garante a flexibilidade necessária à complexidade do programa e da organização dos novos escritórios comerciais. As fachadas, marcadas por uma grelha ortogonal pré-fabricada de concreto e por panos contínuos de vidro, revelam a organização espacial e estrutural da construção, e as soluções empregadas pelos arquitetos para proteger o edifício do sol e das chuvas tropicais. Essa variante de brise-soleil está presente em outros projetos de Korngold como os edifícios Thomas Edison, 1944, realizado com o sócio Francisco Beck (1901 - 1990), e Rio Claro, 1946, acentuando a influência do classicismo italiano na produção contemporânea indicada também pela composição tripartite dos edifícios. No Palácio do Comércio, 1955, um prisma puro cuja verticalidade é acentuada pelas fachadas contínuas de vidro e aço, sente-se mais fortemente a presença do modelo norte-americano, referência predominante entre os edifícios de escritórios construídos no Brasil a partir dos anos 1950.

 

Notas
1 MEYER, Regina. Metrópole e Urbanismo. São Paulo anos 50. 1991. 290f. Tese (Doutoramento em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.
2 Idem, ibidem.
3 Tombado, em 1992, pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo - Conpresp.

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • FALBEL, Anat. Lucjan Korngold: a trajetória de um arquiteto imigrante. 2003. 323f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2003.
  • FALBEL, Anat. Lucjan Korngold: a trajetória de um arquiteto imigrante. 2003. 323f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2003. Não Cadastrado
  • LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Arquitetura brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1979. 720.981 L557a
  • MEYER, Regina. Metrópole e Urbanismo. São Paulo anos 50. 1991. 290f. Tese (Doutoramento em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, São Paulo, 1991. T711.4098161 M613m
  • MINDLIN, Henrique. Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999. 720.981 M663a
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999. 720.981 S454a

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: