Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Jane Blauth

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.10.2019
23.11.1937 Brasil / Rio Grande do Sul / Passo Fundo
Jane Blauth da Costa (Passo Fundo, Rio Grande do Sul, 1937 –  Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2012). Bailarina e professora de dança clássica. Inicia seus estudos em dança clássica, aos 11 anos de idade, em Porto Alegre, com Tony Petzhold (1914-2000) e, em seguida, com Marina Fedossejeva (1918-1984). Com Rony Leal (1935), atua na montagem de A ...

Texto

Abrir módulo

Jane Blauth da Costa (Passo Fundo, Rio Grande do Sul, 1937 –  Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2012). Bailarina e professora de dança clássica. Inicia seus estudos em dança clássica, aos 11 anos de idade, em Porto Alegre, com Tony Petzhold (1914-2000) e, em seguida, com Marina Fedossejeva (1918-1984). Com Rony Leal (1935), atua na montagem de A Bela Adormecida de Petzhold em 1957. Em seguida, transfere-se para o Rio de Janeiro. 

Forma-se pela Escola de Danças Clássicas do Teatro Municipal, em 1959. Com a entrada de Eugenia Feodorova (1923-2007), diterorta do Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Jane atua como estagiária na montagem de O Lago dos Cisnes. Permanece na companhia até 1961, quando se transfere para Los Angeles, Estados Unidos, para estudar com o bailarino e professor norte-americano Eugene Loring (1911-1982) e o brasileiro, radicado nos Estados Unidos, Wilson Morelli (1925 -2005). Em seguida, integra a Los Angeles Opera Company na qual permanece por mais de dois anos. De lá, em 1963, muda-se para a Europa e integra o Le Théâtre D´Art du Ballet, oportunidade que a faz conhecer a África do Norte e países do médio e extremo-oriente em turnês da companhia da franco-americana Anna Galina (1936). Em 1966, integra a companhia da Ópera de Zurique, Suíça. 

Retorna ao Brasil, em 1967, para atuar na Companhia Brasileira de Ballet, com a qual se apresenta, no ano seguinte, em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Em outro período em Paris, integra a companhia de Anna Galina, e estuda com Raymond Francketti (1921-2003), professor da Escola da Ópera de Paris. 

Volta ao Brasil nos anos 1970 e inicia carreira pedagógica pelas mãos de Tatiana Leskova (1922). Em 1974, ensina no Serviço Social da Indústria (Sesi), em uma escola de balé conduzida por Dennis Gray (1928-2005) e por ela, para filhos de operários, em Fortaleza. No Rio de Janeiro, em 1975, retoma as aulas na escola de Tatiana Leskova. Com a entrada do professor cubano Jorge Garcia no Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Blauth é convidada como assistente. No início de 1978, é contratada para atuar junto à companhia e ensinar na escola do Balé Stagium, em São Paulo. Em 1979, assume as aulas para o ex-Corpo de Baile Municipal, atual Balé da Cidade de São Paulo. Em julho de 1980, retira-se para abrir o estúdio Centro de Dança e Artes Integradas, em sociedade com Vitoria Mendonça de Barros. Nele, permanece durante dez anos quando se muda para Porto Alegre, no início dos anos 1990. 

 

Análise

Desde a chegada dos primeiros bailarinos e formadores europeus em solo brasileiro, são correntes as tentativas de moldar uma “escola” brasileira para a dança clássica. Tais tentativas requerem a proximidade com as “escolas” ocidentais e o que delas sobrevive entre nós. Como bailarina, Blauth desenvolve um vocabulário do balé, que não se restringe a somatória das tendências da época. A metodologia é baseada nas aulas de Raymond Franchetti, renomado professor da Escola da Òpera de Paris, e Tatiana Grantzeva, com quem estuda nos anos 1960 em Paris.

Com Tatiana Leskova, tem a oportunidade de se especializar na “escola russa” quando passa a ensinar na escola dessa professora, naturalizada brasileira. A primeira experiência desafiadora, de 1974-1975, é o ensino de balé para filhos de operários no Sesi de Fortaleza, um laboratório de soluções para alunos sem nenhum tipo de instrução de dança. Outra via tem papel decisivo para a fusão de conhecimentos em dança: a da “escola cubana” quando, nos anos 1976 e 1977, torna-se assistente do renomado professor Jorge Garcia no Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O interesse de Blauth pela “escola cubana” é explícito: “É o melhor método, já que o físico dos cubanos aproxima-se do nosso”, declara em depoimento1.

O produto dessa fusão materializa-se nos mais de dez anos de ensino entre a escola e o grupo do Balé Stagium, o ex-Corpo de Baile Municipal (atual Balé da Cidade de São Paulo), e no estúdio Centro de Dança e Artes Integradas, que mantém em sociedade com Vitória Mendonça de Barros. Essa atividade possibilita que dezenas de alunos e artistas conheçam um  modelo diferente de treinamento de dança clássica. Como assinala Helena Katz: “E já entrou em ação, ou seja, suas classes, sempre lotadas, também aqui atraem até as mais radicais dissidências. Jane Blauth consegue o impossível: ser uma unanimidade”2. Em Porto Alegre, a partir dos anos 1990, trabalha em academias locais até ser obrigada a se afastar por problemas de saúde.

Jane Blauth, pedagoga de dança clássica, modela um ensino sem correspondentes na segunda metade dos anos 1970 e anos 1980. Como outros profissionais, valoriza a dedicação e o esforço no treinamento do balé. Com isso, inaugura um viés no acesso e na formação de dezenas de artistas da cidade de São Paulo, graças a uma bem-sucedida fusão de método e instruções de diferentes escolas em voga.

A bailarina, é lembrada, especialmente, por sua Julieta, com Aldo Lotufo (1925-2014), na Companhia Brasileira de Ballet (1968), e por sua atuação como convidada em espetáculos do Balé Stagium (1975, 1978). Além disso, é reconhecida como uma das principais professoras de balé do Brasil, por formar profissionais da dança em diferentes estilos.

 

 

Notas

1. BRAGATO, Marcos. A Seriedade no ensino do balé. Dançar, São Paulo, Ano III, n. 9, p. 10, 1984. 

2. KATZ, Helena. A super-professora chegou para ficar. Folha de S.Paulo, São Paulo, 8 jan. 1978.

Espetáculos 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BRAGATO, Marcos. A Seriedade no ensino do balé. Dançar, São Paulo, Ano III, n. 9, p. 10, 1984.
  • DIOGO, Carolina Duarte. 20 Ato: Os Homens entram na dança de Porto Alegre. Trabalho de conclusão de curso em Educação Física – Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/24915. Acesso em: 11 set. 2019.
  • KATZ, Helena. A super-professora chegou para ficar. Folha de S.Paulo, São Paulo, 8 jan. 1978.
  • KATZ, Helena. O país dos ritmos e das danças faz importações. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 fev. 1979.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: