Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Mazzaropi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.08.2021
09.04.1912 Brasil / São Paulo / São Paulo
13.06.1981 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Cartaz do filme Candinho, 1953
Antonio Gomide, Mazzaropi
Desenho
76,00 cm x 112,00 cm

Amácio Mazzaropi (São Paulo, São Paulo, 1912 - Idem, 1981). Ator, diretor, cantor e humorista. Conhecido por interpretar um caipira matuto e personagens que transitam entre o interior e a capital de São Paulo, protagoniza mais de 30 filmes, a maioria dirigido e produzido por ele mesmo. Sua obra se volta para o cotidiano de grupos marginalizados ...

Texto

Abrir módulo

Amácio Mazzaropi (São Paulo, São Paulo, 1912 - Idem, 1981). Ator, diretor, cantor e humorista. Conhecido por interpretar um caipira matuto e personagens que transitam entre o interior e a capital de São Paulo, protagoniza mais de 30 filmes, a maioria dirigido e produzido por ele mesmo. Sua obra se volta para o cotidiano de grupos marginalizados na sociedade brasileira.

Neto de imigrantes italianos e portugueses, já na infância demonstra talento artístico ao declamar poesias e receber elogios de seus familiares. Devido a dificuldades financeiras, a família muda-se da cidade de São Paulo para Taubaté, no interior do estado, onde seus pais passam a trabalhar na indústria têxtil da região. Fica sob os cuidados de seus avós maternos, aproximando-se de seu avô João José Ferreira, violeiro e atuante nos eventos culturais locais. Mazzaropi entra em contato com a produção e cultura caipira, marcada por referências ao trabalho, produção, religião e lazer.

Em 1926, apesar da divergência com seu pai, ingressa na trupe do modesto circo La Paz, viajando pelo país como ajudante do faquir1 e entretendo o público nos intervalos de cada apresentação. Com dificuldades financeiras, retorna a Taubaté e trabalha por um ano na Companhia Taubaté Industrial, enquanto frequenta o Theatro Polytheama. Nesse período, realiza suas primeiras apresentações como um personagem caipira.

No início da década de 1930, Mazzaropi estreia na comédia teatral A Herança do Padre João, escrita por Baptista Macedo, com ajuda de Luiz Carrara. Em 1934, a Trupe Arruda chega a Taubaté. Capitaneada por Sebastião Arruda, com seu irmão Genésio Arruda (1898-1967), o grupo tem uma representação de caipira muito prestigiada no interior de São Paulo, o que influencia o jovem ator. No mesmo ano, Mazzaropi é empregado na Trupe Olga Crutt, grupo de pouca condição econômica e que se apresenta principalmente no interior da região Sudeste. Um tempo depois, seus pais passam a trabalhar com o grupo e, em 1935, a trupe passa a se chamar Trupe Mazzaropi, estreando em Jundiaí com a peça Divino Perfume, de autoria de Renato Vianna (1894-1953).

Fica no teatro até 1946, quando é contratado pela Rádio Tupi para protagonizar o programa Rancho Alegre, período em que os meios de comunicação de massa se voltam para o público que migra do interior para a capital de São Paulo. Utilizando seu conhecimento e trabalho, interpreta até 1955 um caipira que conta “causos”, acompanhado musicalmente por um sanfoneiro.

Com a popularização da televisão, o programa de rádio é transportado para a TV Tupi e estreia em 1951. O novo meio de comunicação exige adaptações, e o quadro ganha mais personagens, encenando situações de cunho humorístico, com o mesmo foco de público. A visualidade permite que Mazzaropi utilize a linguagem corporal do teatro nas apresentações televisivas. 

No mesmo período, entra na Companhia Cinematográfica Vera Cruz e estreia no filme Sai da Frente (1952), dirigido por Abílio Pereira de Almeida (1906-1977). O sucesso de público lhe rende papel em mais duas produções da companhia, Nadando em Dinheiro (1952) e Candinho (1953), baseado no conto “Cândido” (1759), do filósofo francês Voltaire (1694-1778). No filme, a história de seu personagem tem semelhanças com a vida do ator. Candinho é expulso da fazenda onde mora, após seu pai adotivo descobrir que ele se apaixona por sua irmã de criação, obrigando-o a ir para a cidade, onde vive situações difíceis em meio ao estranhamento e deslumbre com o novo local. 

Deixa a televisão em 1954, e em 1958 inaugura sua produtora de cinema PAM Filmes - Produções Amácio Mazzaropi, em Taubaté. O universo caipira, presente em seu percurso de atuação, o aproxima da cidade, que se torna cenário de grande parte de sua obra. Mazzaropi é responsável pela direção, produção, roteiro, busca de apoio financeiro e distribuição nas salas de cinema. Seu primeiro filme na PAM Filmes é Chofer da Praça (1959), em homenagem a seu pai, que trabalha inicialmente como motorista.

Também em 1959, produz Jeca Tatu, inspirado no conto “Jeca Tatuzinho” (1924), do escritor Monteiro Lobato (1882-1948). Ao personagem, presente em boa parte de sua obra, são incorporados o linguajar, o corpo anguloso e a característica de preguiçoso, esta última importante para sua produção, pois contribui para seu sucesso no cinema. A dissimulação do Jeca abre caminho para a resolução dos problemas na história, em que a esperteza do caipira se sobressai à violência, utilizada apenas em último caso.

Com uma produção de mais de 30 filmes ao longo dos 50 anos de carreira, sua obra é acompanhada de uma trilha sonora marcada pela música popular e pelo nascente rock nacional, em grande parte interpretada pelo próprio ator. Na década de 1960, grava a marcha “Nhá Carola (Petit)”, com atriz e cantora Lolita Rodrigues (1929) e “O Azar É Festa”, composto por Ado Benatti (1908-1962) e Zé do Rancho (1927-2015), ambas com grande repercussão. 

A maioria de suas músicas é organizada nas coletâneas Os Grandes Sucessos de Mazzaropi (1968) e Os Grandes Sucessos de Mazzaroppi, vol. 1 (1995). Em 1990, a dupla Pena Branca e Xavantinho (1961-1999) grava a toada “Mazzaropi”, homenagem feita pelos compositores Jean (1954) e Paulo Garfunkel.

Com uma vasta produção e repertório, Amácio Mazzaropi torna-se referência na popularização da cultura caipira nos meios de comunicação, e é reconhecido por incorporar esse universo em sua atuação como ator e cantor.

 

Nota

1. Artista que apresenta o número da cama de prego ou que fica um longo período sem se alimentar.

Obras 3

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: