Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Carlos Coimbra

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2020
1925 Brasil / São Paulo / Campinas
2007 Brasil / São Paulo / São Paulo
Jaime Coimbra Junior (Campinas, São Paulo, 1925 – São Paulo, São Paulo, 2007). Diretor, montador, roteirista, produtor. Na adolescência em Campinas, trabalha em escritório de cinema e canta na rádio local. A partir de 1949, assume funções diversas nas rádios Tamoyo e Tupi e tenta consolidar carreira como artista de rádio no Rio de Janeiro, sem s...

Texto

Abrir módulo

Jaime Coimbra Junior (Campinas, São Paulo, 1925 – São Paulo, São Paulo, 2007). Diretor, montador, roteirista, produtor. Na adolescência em Campinas, trabalha em escritório de cinema e canta na rádio local. A partir de 1949, assume funções diversas nas rádios Tamoyo e Tupi e tenta consolidar carreira como artista de rádio no Rio de Janeiro, sem sucesso. Também é correspondente cinematográfico da revista Palmeiras, figurante em filmes da Atlântida e assistente de direção de Luzes nas Sombras (1953), filme dirigido por Carlos Ortiz (1910-1995) e Heládio Fagundes (1914 - ?).

Já em São Paulo, escreve e dirige os faroestes Armas da Vingança (1955), com Alberto Severi, vencedor do prêmio Saci, e Dioguinho (1957), em que também assina a montagem. Escreve o roteiro e assina a montagem do longa-metragem Cavalgada da Esperança: Padroeira do Brasil (1958), de Heládio Fagundes. Realiza, em seguida, Crepúsculo de Ódios (1959) e monta Fronteiras do Inferno (1958), de Walter Hugo Khouri (1929-2003), Rastros na Selva (1959), do italiano Mário Civelli (1923-1993), e A Moça do Quarto 13 (1961), do estadunidense Richard E. Cunha (1922-2005). Dirige, em 1960, o nordestern1 A Morte Comanda o Cangaço. Selecionado para o 11º Festival de Berlim, o filme é distribuído pela Cinedistri, de Oswaldo Massaini (1919-1994), com quem desenvolve longa parceria, iniciada com a montagem de O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte (1920-2009)

Dirige, escreve e monta para a Cinedistri sete longas: os nordesterns Lampião, o Rei do Cangaço (1963), Cangaceiros de Lampião (1967) e Corisco, o Diabo Loiro (1969); as comédias O Santo Milagroso (1966) e Se Meu Dólar Falasse... (1970); o drama religioso A Madona de Cedro (1968); e o épico histórico Independência ou Morte (1972). Este, realizado em comemoração dos 150 anos da independência do Brasil, tem êxito de bilheteria e recebe elogios de Emílio Garrastazu Médici (1905-1985), presidente à época. 

Nos anos 1970, volta a montar filmes de terceiros, como Idílio Proibido (1971), de Konstantin Tkaczenko (1925-1973); Ana Terra (1971), de Durval Garcia (1931); A Marcha (1972), de Oswaldo Sampaio (1912-1996); O Descarte (1973), de Anselmo Duarte e Elas São do Baralho (1977), de Silvio de Abreu (1942). Funda, em 1973, a produtora CSC Produções Cinematográficas para realizar o thriller O Signo de Escorpião (1974), seu maior fracasso, e o sucesso Iracema, a Virgem dos Lábios de Mel (1979). Realiza também, por encomenda, o policial O Homem de Papel (1976) e a aventura automobilística Os Campeões (1982). Sem conseguir viabilizar novos projetos para cinema, faz o especial televisivo A Guerra dos Farrapos (1986), para a TV Bandeirantes.

Análise

Carlos Coimbra inicia a carreira de diretor cinematográfico durante um vácuo criado na produção de São Paulo, em que a falência dos projetos de sistema de estúdio propicia oportunidades para filmes independentes. O sucesso financeiro de seus primeiros longas, leva-o para a Boca do Lixo, ainda em formação, que sedia quase todos seus trabalhos posteriores. Coimbra firma-se como um diretor de encomendas, nome de confiança de Oswaldo Massaini. Responsabiliza-se pelo controle de boa parte do processo, pela escrita do roteiro e pela montagem dos filmes. Com isso, adquire reputação e liberdade para escolher os projetos que lhe interessam, como filmes de ação, cangaço, comédia, romance histórico e drama.

Coimbra realiza A Morte Comanda o Cangaço, da produtora Aurora Duarte (1933), depois de fazer três filmes de cangaço com parcos recursos. Adapta a estrutura dos faroestes norte-americanos ao nordeste brasileiro, regido pela lei do sertão. O modelo estadunidense de confronto entre o bem e o mal, numa terra sem lei e prestes a ser civilizada, é reconstruído em cenário nacional. No filme, um modesto fazendeiro busca se vingar de um cangaceiro que destrói sua terra e degola sua mãe. O diretor inova ao realizar a história no sertão cearense, em Quixadá, captando a paisagem local, e ao filmar em cores, dando uma exuberância às imagens da terra árida, em que predominam matizes do vermelho, amarelo e do laranja.

Ainda que o longa O Cangaceiro (1953), de Lima Barreto (1906-1982), seja o filme inaugural do ciclo do cangaço, apenas com A Morte Comanda o Cangaço que o gênero efetivamente se desenvolve, com produções realizadas nos anos 1960 e início dos 1970. Coimbra realiza ainda outros três filmes, com raízes históricas: Lampião, o Rei do Cangaço, Cangaceiros de Lampião e Corisco, o Diabo Loiro.

Cangaceiros de Lampião remonta à trama do filme de 1960, em que um fazendeiro busca vingança de cangaceiros bárbaros, em contexto posterior à morte de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião (1898-1938). Já os dois outros compõem-se de cinebiografias sobre personagens notórios do cangaço. O cineasta parte de pesquisas e depoimentos, inclusive de Dadá (1915-1994), companheira de Corisco (1907-1940), para escrever o roteiro, e busca a “fidelidade da história”. 

Para os filmes de cangaço, Coimbra utiliza uma estrutura narrativa diversa das demais produções. Em Lampião, o Rei do Cangaço, por exemplo, a história é contada em fragmentos por um cantador cego, o que confere uma dimensão mítica ao protagonista, e utiliza esculturas de Mestre Vitalino (1909-1963), filmadas em estúdio, para comentar a trama por meio das expressões das consagradas figuras de barro do artista. Em A Morte Comanda o Cangaço e Cangaceiros de Lampião, utiliza o retrato do cangaceiro truculento e vilão e, em Lampião... e Corisco.., o do homem obstinado e companheiro, ainda que violento.

Tal complexidade na composição do personagem histórico também está presente em Independência ou Morte. O filme aborda a vida do imperador D. Pedro I (1798-1834), seu romance com a Marquesa de Santos (1797-1867) e os episódios em torno da independência do Brasil em 1822. Coimbra arquiteta um herói falho e devasso, mais interessado em mulheres do que em política, e constrói uma independência acidental, de interesses espúrios, mesmo reproduzindo imagens míticas da fundação do Estado brasileiro.

O cineasta tem preferência por planos em movimento, com uso de carrinho e de lentes zoom, e cuidado na composição da mise-en-scène, sem prender-se a uma identidade cinematográfica autoral. Consolida-se como diretor de apuro técnico e visual e eficiente contador de histórias, preocupado em realizar um produto de qualidade com apelo popular.

Notas

1. Termo cunhado por Salvyano Cavalcanti de Paiva (1923-2000) para referenciar filmes do gênero faroeste, que se passam no nordeste brasileiro e têm cangaceiros como personagens.

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 28

Abrir módulo
  • ANDRADE, Valerio. Iracema – a virgem dos lábios de mel. O Globo, Rio de Janeiro, 16 jun. 1979. Rio Show, p. 37.
  • ANDRADE, Valerio. O signo do escorpião. O Globo, Rio de Janeiro, 1 jun. 1977. Rio Show, p. 34.
  • BITTENCOURT, Renato. Corisco, o diabo louro. O Globo, Rio de Janeiro, 5 nov. 1969. p. 7.
  • BIÁFORA, Rubem. Volta o “Acossado”, de Godard. Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 jan. 1971, p. 16.
  • BOMFIM, Octavio. A Morte Comanda o Cangaço. O Globo, Rio de Janeiro, 17 fev. 1961. p. 12.
  • BOMFIM, Octavio. Armas da Vingança. O Globo, Rio de Janeiro, 26 jun. 1956. p. 6.
  • BOMFIM, Octavio. Crepúsculo de Ódios. O Globo, Rio de Janeiro, 25 jun. 1959. p. 6.
  • BOMFIM, Octavio. Dioguinho. O Globo, Rio de Janeiro, 23 nov. 1957.
  • BRAGA, Roberto. Os Campeões. O Globo, Rio de Janeiro, 3 dez. 1982. Rio Show, p. 33.
  • BRANDÃO, Ignácio de Loyola. O homem que amava cinema. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 23 fev. 2007. Caderno 2, p. D10.
  • CARNEIRO, Gabriel. Iracema, a virgem dos lábios de mel. Cinequanon, São Paulo, set. 2013. Disponível em: http://www.cinequanon.art.br/grandeangular_detalhe.php?id=119. Acesso em: 11 out. 2016
  • DUARTE, B. J. A Morte Comanda o Cangaço: considerações finais. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 jan. 1961. p. 6.
  • DUARTE, B. J. A Morte Comanda o Cangaço: o diretor e a narração. Folha de S.Paulo, São Paulo, 31 dez. 1960. p. 6.
  • DUARTE, B. J. Introdução a A Morte Comanda o Cangaço. Folha de S.Paulo. São Paulo, 29 dez. 1960. p. 6.
  • FERREIRA, Fernando. Independência ou morte. O Globo, Rio de Janeiro, 6 set. 1972. p. 7.
  • GOMES, P. E. Sales. Artesãos e autores. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 15 abr. 1961. Suplemento Literário, p. 5.
  • MERTEN, Luiz Carlos. Carlos Coimbra: um homem raro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.
  • O ESTADO de S. Paulo. ARMAS da vingança. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 20 dez. 1955. p. 11.
  • O ESTADO de S. Paulo. DF vê antes o filme mais caro. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 ago. 1972. p. 22.
  • O GLOBO. M. L. Lampião, rei do cangaço. O Globo, Rio de Janeiro, 5 nov 1963. p. 6.
  • PEREIRA, Miguel. A madona de cedro. O Globo, Rio de Janeiro, 25 set. 1968, p. 7.
  • PEREIRA, Miguel. O signo do escorpião. O Globo. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 1974, Rio Show, p. 35.
  • PORTINARI, Maribel. Se meu dólar falasse. O Globo. Rio de Janeiro, 10 de março de 1971, p. 7.
  • PORTINARI, Maribel. Velocidade e aventura em ‘Os Campeões’, filme de Carlos Coimbra. O Globo. Rio de Janeiro, 02 de dezembro de 1982, p. 36.
  • THOMAZI, Arthur. O santo milagroso. O Globo. Rio de Janeiro, 09 de junho de 1966, p. 7.
  • UM jornalista diante de muitos perigoso. O Globo. Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 1977, p. 6.
  • VARTUCK, Pola. Uma aula de História alegre e movimentada. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 07 de setembro de 1972, p. 29.
  • VIEIRA, Marcelo Dídimo Souza. O cangaço no cinema brasileiro. 2007. 423 f. Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: