Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Franklin Távora

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
13.01.1842 Brasil / Ceará / Baturité
18.08.1888 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

O Cabeleira, 1876
Franklin Távora
Brasiliense Itaú/Acervo Banco Itaú

Franklin Távora (Baturité CE 1842 - Rio de Janeiro RJ 1888). Romancista, jornalista, teatrólogo, advogado e político. Faz seus primeiros estudos em Fortaleza e depois, em 1854, transfere-se com a família para Pernambuco. Ingressa na Faculdade de Direito do Recife em 1859 e bacharela-se em 1863. Publica seu primeiro livro, A Trindade Maldita, uma...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Franklin Távora (Baturité CE 1842 - Rio de Janeiro RJ 1888). Romancista, jornalista, teatrólogo, advogado e político. Faz seus primeiros estudos em Fortaleza e depois, em 1854, transfere-se com a família para Pernambuco. Ingressa na Faculdade de Direito do Recife em 1859 e bacharela-se em 1863. Publica seu primeiro livro, A Trindade Maldita, uma coleção de contos, em 1861. Com a morte do pai, formado e precisando de trabalho, emprega-se como revisor no Jornal do Recife, mas é mal remunerado. Mais tarde é nomeado diretor-geral da instrução primária, graças ao conselheiro Francisco de Paula da Silveira Lobo (1826 - 1886), que aprecia sua inteligência e seu talento. Elege-se deputado estadual em Pernambuco. Entre 1869 e 1870 escreve para o jornal A Consciência Livre, funda a Verdade, semanário do Recife que defende a maçonaria, e faz parte de sua redação de 1872 a 1873. Nesse período, com o pseudônimo Semprônio, escreve artigos em forma de carta atacando o escritor José de Alencar (1829 - 1877), especialmente pelos romances Iracema e O Gaúcho. É considerado um precursor do estilo realista, embora ainda escreva de modo grandiloqüente, e é também um dos primeiros escritores regionalistas. Pratica a advocacia, mas abandona-a para ser secretário de governo da província do Pará. Logo depois, vai para o Rio de Janeiro para integrar a Secretaria do Império, chegando a oficial de gabinete. Muito ativo durante sua vida no Rio de Janeiro, funda e dirige a Revista Brasileira, de 1879 a 1881. Sua narrativa O Cabeleira, passada em Pernambuco do século XVIII, faz sucesso ao ser lançada em 1876. É um dos fundadores da Associação dos Homens de Letras, em 1883. Colabora em diversos jornais do Recife e Rio de Janeiro: Diário de Pernambuco, Jornal do Recife, Situação Liberal, O Globo, Mefistófeles, Ilustração Brasileira, Revista Brasileira. Pobre no fim da vida, tem de vender grande parte de sua biblioteca. Após sua morte, que ocorre em 1888, é escolhido, pelo jurista e historiador Clóvis Bevilácqua (1859 - 1944), para ser o patrono da cadeira número 14 da Academia Brasileira de Letras - ABL, em sua fundação.

Obras 1

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: