Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Pagu

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.04.2017
09.06.1910 Brasil / São Paulo / São João da Boa Vista
12.12.1962 Brasil / São Paulo / Santos
Patrícia Rehder Galvão (São João da Boa Vista, São Paulo, 1910 - Santos, São Paulo, 1962). Romancista, tradutora, jornalista e professora. Aos três anos, muda-se com a família para São Paulo e vai residir no bairro industrial do Brás. Conclui os estudos na Escola Normal em 1928, ao mesmo tempo que estuda literatura e arte dramática no Conservató...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Patrícia Rehder Galvão (São João da Boa Vista, São Paulo, 1910 - Santos, São Paulo, 1962). Romancista, tradutora, jornalista e professora. Aos três anos, muda-se com a família para São Paulo e vai residir no bairro industrial do Brás. Conclui os estudos na Escola Normal em 1928, ao mesmo tempo que estuda literatura e arte dramática no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. No ano seguinte, aos 19 anos, conhece o escritor Oswald de Andrade (1890-1954) e a artista plástica Tarsila do Amaral (1886-1973), envolvidos com o movimento antropofágico, e tem um de seus desenhos publicado na Revista de Antropofagia. Em 1930, Pagu, nome criado pelo amigo e escritor Raul Bopp (1898-1984), casa-se com Oswald e realiza o sonho de emancipar-se definitivamente da família. A militância política inicia-se em 1931, quando ingressa no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e afasta-se de casa para seguir as atividades do partido. Com a ajuda financeira de Oswald, publica Parque Industrial, em 1933, o primeiro romance brasileiro a ter operários como protagonistas, assinado com o pseudônimo Mara Lobo. Pagu viaja por diversos países como correspondente dos jornais Correio da Manhã, Diário de Notícias e Diário da Noite. No Brasil, por causa de suas atividades políticas fica presa de 1935 a 1940, é vítima de torturas e tem problemas com a saúde. Ao sair da prisão, separada de Oswald, casa-se com o jornalista e escritor Geraldo Ferraz (1905-1979). Com ele, escreve o romance A Famosa Revista, publicado em 1945, e trabalha em diversos jornais, até ambos tomarem a frente do Suplemento Literário do Diário de S. Paulo, para o qual Pagu realiza traduções de autores estrangeiros e escreve crônicas na seção Cor Local. A partir de 1952, frequenta aulas na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD/USP), envolvendo-se profundamente com o teatro. Ao mudar-se com o marido para Santos, em 1954, para trabalharem no jornal A Tribuna, inicia um intenso movimento pelo teatro amador na cidade, traduzindo e montando peças, lecionando e até mesmo fazendo campanha para a construção do Teatro Municipal. Morre em 1962 e deixa vários escritos inéditos, que começam a ser organizados e publicados posteriormente, como os contos policiais reunidos em Safra Macabra, originalmente escritos para a revista Detective, editada por Nelson Rodrigues (1912-1980), com o pseudônimo King Shelter.

Exposições 6

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • CAMPOS, Augusto de. Pagu. Patrícia Galvão: vida e obra. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.
  • CHAVES, Flávio Loureiro. Pagu e a experiência da linguagem. In: GALVÃO, Patrícia. Parque industrial. Porto Alegre: Mercado Aberto; São Paulo: Edufscar, 1994. (Novelas Exemplares).
  • FURLANI, Lúcia Maria Teixeira (Org). Croquis de Pagu - e outros momentos felizes que foram devorados reunidos. Santos: Unisanta; São Paulo: Cortez, 2004.
  • FURLANI, Lúcia Maria Teixeira. Patrícia Galvão: livre na imaginação, no espaço e no tempo. São Paulo: Editora da Uniceb, 1991.
  • GALVÃO, Patrícia. Paixão Pagu: uma autobiografia precoce de Patrícia Galvão. Rio de Janeiro: Agir, 2005.
  • GUEDES, Thelma. Pagu: literatura e revolução: um estudo sobre o romance Parque Industrial. Cotia: Ateliê; São Paulo: Nankin, 2003.
  • NEVES, Juliana. Geraldo Ferraz e Patrícia Galvão: a experiência do suplemento literário do Diário de S. Paulo anos 40. São Paulo: Fapesp: Annablume, 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: