Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Christiano Stockler das Neves

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1889 Brasil / São Paulo / Casa Branca
08.03.1982 Brasil / São Paulo / São Paulo
Christiano Stockler das Neves (Casa Branca SP 1889 - São Paulo SP 1982). Arquiteto e professor. Ingressa no curso de engenheira e arquitetura da Escola Politécnica de São Paulo - Poli, em 1907. Insatisfeito, transfere-se para os Estados Unidos, decidido a estudar no Instituto de Belas Artes da Universidade da Pensilvânia. Incomum num período em ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Christiano Stockler das Neves (Casa Branca SP 1889 - São Paulo SP 1982). Arquiteto e professor. Ingressa no curso de engenheira e arquitetura da Escola Politécnica de São Paulo - Poli, em 1907. Insatisfeito, transfere-se para os Estados Unidos, decidido a estudar no Instituto de Belas Artes da Universidade da Pensilvânia. Incomum num período em que a Europa é a grande referência cultural, essa escolha, segundo alguns autores, é sugerida pelo engenheiro-arquiteto George Krug (1869 - 1919), tio de Anita Malfatti (1889 - 1964), formado naquele instituto, professor da Poli e colaborador no Escritório Técnico de Construções do engenheiro Samuel das Neves (1863 - 1937), pai de Christiano. É admitido no instituto, em 1909, após comprovar seu ingresso na Poli e realizar exames de proficiência de desenho à mão livre e história da arquitetura. Forma-se em 1911, e realiza uma viagem de seis meses pela Europa, considerada fundamental na formação dos arquitetos por proporcionar o contato direto com as capitais do velho mundo e seus monumentos.

Retorna ao Brasil em 1912, e integra-se ao escritório de seu pai, um dos mais prestigiados da capital paulista. Torna-se professor da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 1915, apresenta para a direção da instituição a proposta de criação de uma faculdade de arquitetura nos moldes do instituto de belas-artes americano, onde estudara. No ano seguinte, é criado experimentalmente um departamento de arquitetura na Escola de Engenharia. Diante do sucesso da empreitada, o curso de engenheira e arquitetura é oficializado em 1917, e tem Neves como diretor. O curso é separado da Escola de Engenharia em 1947, com a criação da Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Neves permanece no cargo de diretor e professor de composição até 1957, quando se aposenta.

Em março de 1947, é indicado pelo governador de São Paulo, Adhemar de Barros (1901 - 1969), para o cargo de prefeito. Institui a Comissão do Plano Diretor e cria o Departamento de Arquitetura e a Companhia Municipal de Transportes Coletivos - CMTC. Poucas semanas após a criação da companhia, eleva o valor da tarifa, inalterado por 36 anos, gerando protestos tão intensos que é destituído do cargo em agosto do mesmo ano.

Participa ativamente da criação dos órgãos de representação de classe, entre eles o Instituto Central dos Arquitetos, em 1921, no Rio de Janeiro, do qual é sócio-fundador, e o Instituto Paulista de Arquitetos, em 1930, sob sua direção.

Em 1927, a Estação de Ferro Sorocabana, 1922, atual Estação Júlio Prestes - Sala São Paulo, com projeto de sua autoria, recebe o prêmio de honra do 3º Congresso Pan-Americano de Arquitetura, realizado em Buenos Aires. Em 1930, sua obra é recebe medalha de ouro no 4º Congresso Pan-Americano de Arquitetos, no Rio de Janeiro.

Comentário Crítico
Polemista contumaz, Christiano Stockler das Neves é figura de destaque entre as décadas de 1910 e 1950 na criação de cursos de arquitetura autônomos e na luta pela regulamentação profissional. Motivado pelas dificuldades de exercer a profissão no Brasil e pela baixa qualidade das construções, Neves propõe, em 1915, à Universidade Presbiteriana Mackenzie a criação de um curso de arquitetura, inspirado no Instituto de Belas Artes da Universidade da Pensilvânia, onde estudara. O instituto, assim como muitas escolas de arte e arquitetura da virada do século XIX para o século XX, tem como modelo a Escola de Belas Artes de Paris, conhecida como Ecole de Beaux-Arts, cujo ensino enfatiza as matérias artísticas e históricas em detrimento das matérias técnico-científicas. Para os arquitetos acadêmicos vinculados a esse modelo, como Neves, a arquitetura é uma disciplina eminentemente artística que tem como objetivo principal atingir a beleza pela recuperação das formas que a história da arquitetura consagra a cada tipologia.1 Interessa a esses arquitetos não a originalidade ou o ineditismo de seu projeto, mas o perfeito conhecimento da tipologia e dos estilos a ela vinculados, e a sua adaptação às necessidades da época. Daí a importância que as disciplinas de desenho à mão livre, história, teoria, elementos da arquitetura e composição têm no curso que propõe ao Mackenzie, oficializado em 1917, inicialmente como um departamento da Escola de Engenharia e, a partir de 1947, como uma Faculdade de Arquitetura independente.

A orientação de ensino da faculdade e a valorização de estilos vinculados à tradição clássica, como o Renascimento e o neoclassicismo francês - nomeados pelo arquiteto como Luís XVI modernizado -, estão presentes nos projetos que desenvolve entre os anos 1912 e 1940, e na série de artigos que publica em revistas especializadas como a Architectura e Construções e nos jornais O Correio Paulistano, O Estado de S. Paulo e O Diário, este último do Rio de Janeiro.

Nesses artigos defende o estilo Luís XVI modernizado como o símbolo de civilização e progresso a ser adotado pela nação, criticando a campanha de arte tradicional liderada por Ricardo Severo (1869 - 1940), em São Paulo, e José Marianno Filho (1881 - 1946), no Rio de Janeiro,2 por considerar a arquitetura colonial uma manifestação artística de pouco ou nenhum valor. Em outro conjunto de artigos contrapõe-se aos preceitos básicos do movimento moderno,3 afirmando que os projetos "futuristas" de Frank Lloyd Wright (1867 - 1959), Le Corbusier (1887 - 1965), Gregori Warchavchik (1896 - 1972), Lucio Costa (1902 - 1998), entre outros, por se aterem apenas à utilidade, funcionalidade e estandardização da construção não podem ser considerados propriamente arquitetura. Antimodernista convicto, Neves trava uma verdadeira batalha contra esses arquitetos dentro e fora da faculdade, tendo como interlocutores, além dos arquitetos já citados, os escritores Oswald de Andrade (1890 - 1954) e Mário de Andrade (1893 - 1945) e, sobretudo, seus alunos, entre eles Eduardo Kneese de Mello (1906 - 1994), Oswaldo Bratke (1907 - 1997), Miguel Forte (1915 - 2002), Salvador Candia (1924 - 1991), Carlos Lemos (1925), Carlos Millan (1927 - 1964) e Paulo Mendes da Rocha (1928), que juntamente com os professores adeptos do movimento moderno conseguem afastá-lo do cargo em 1957.

Nos projetos que desenvolve nesse período, de fato predomina a referência à arquitetura neoclássica francesa, tal como fora interpretada pelos norte-americanos, e a Estação da Estrada de Ferro Sorocabana, 1922/1938 (atual Estação Júlio Prestes - Sala São Paulo) é o exemplo mais marcante da monumentalidade e solidez almejadas por Neves em seus projetos. Além do aspecto estilístico, chama atenção a grande quantidade de projetos desenvolvidos para edifícios comerciais e de escritórios que empregam uma técnica que é, anos depois, muito cara aos arquitetos modernos paulistas: o concreto armado. São exemplos dessas novas construções os edifícios Riachuelo, ca.1917, e Sampaio Moreira, 1923/1937, cuja aprovação é dificultada pelo então diretor de obras municipais, o engenheiro Victor da Silva Freire (1869 - 1951), temeroso de que esse arranha-céu de inspiração norte-americana desvirtuasse o perfil europeu que a cidade adquire no fim do século XIX, o que de fato ocorre.

De todas as polêmicas em que se envolve, a mais recorrente, cujos resultados são sentidos até hoje, diz respeito à defesa dos direitos dos arquitetos. Defensor ferrenho da autoria e do respeito às definições de projeto, Neves renega a autoria de algumas de suas obras alteradas durante a construção - como a Estação Sorocabana e o Ministério da Guerra, 1939 -, rescinde contratos e tem pouco de seus projetos efetivamente realizados. O que importa destacar, contudo, é a sua preocupação em distinguir a atividade do arquiteto da do engenheiro, projetista, desenhista e mestre-de-obras, seu empenho em criar uma faculdade de arquitetura independente, constituir órgãos de classe, como o Instituto Central de Arquitetos e o Instituto Paulista de Arquitetos, e regulamentar o exercício profissional, escrevendo artigos, conferências e palestras em que defende veementemente que ao arquiteto, e só a ele, cabe o desenvolvimento de projetos e a fiscalização da obra.4

 

Notas
1 As tipologias na tradição acadêmica são definidas pelo programa ou usos do edifício, de forma que existiriam estilos apropriados para edifícios públicos, teatros, hospitais etc. Conceito de architecture parlante.
2 NEVES, Christiano Stockler das. Architectura colonial. Revista de Engenharia, n. 22, p. 50-60, republicado no Jornal do Comércio de São Paulo, São Paulo,  24 abr. 1917.
3 ______. A pretensa architectura moderna. Revista Architectura e Construções, n. 1, v. I, 08/1929, p. 15-19; ______. A Architectura e o Futurismo. Revista Architectura e Construções, n. 9, v. I, 4/1930, p. 3-4; ______. O "buff" architectônico: as teorias do arch. Frank Lloyd Wright, as machinas de habitar, o caso da Escola de Bellas Artes, Revista Architectura e Construções, 11/1931, p. 1-7.
4 ______. O que é architectura. Revista Architectura e Construções, n. 4, v. I, 1929, p. 5-9; ______. Architectura e engenharia: considerações sobre o recente Congresso de Architectos. Revista Architectura e Construções, 12/1930; ______. O arquiteto e o engenheiro. Revista de Engenharia do Mackenzie, n. 85, abr. 1944; ______. Conferências proferidas nos 3º e 4º Congressos Pan-Americanos de Architectos, 1927 e 1930.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CARVALHO, Maria Cristina Wolff. Ramos de Azevedo. São Paulo: Edusp, 2000. 406p. il. p &b.
  • FICHER, Sylvia. Os Arquitetos da Poli: Ensino e Profissão em São Paulo. São Paulo: Fapesp/Editora da Universidade de São Paulo, 2005.
  • PEREIRA, Gustavo. Christiano Stockler das Neves e a formação do curso de arquitetura no Mackenzie College. Um estudo sobre a disseminação dos métodos da "École des Beaux-Arts de Paris" e das "Fine-Arts Schools" Norte-americanas. 2005, 496 f . Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. 2005.
  • SAMPAIO, Maria Ruth do Amaral; DERNTL, Maria Fernanda. Christiano Stockler das Neves, o arquiteto, o professor e o defensor da profissão. In: Universidade Mackenzie. Pró-memória. São Paulo: Setor de Gráfica do Instituto Presbiteriano Mackenzie, 1997, pp. 46-51. 88p, il p&b.
  • SILVA, Maurício Candido. Christiano Stockler das Neves e o Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. 2006. 283 f. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2006.
  • SUMMERSON, John. A linguagem clássica da arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1982. 149p. il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: