Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Jorane Castro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.11.2022
Jorane Ramos de Castro (Belém, Pará, 1968). Roteirista, diretora, fotógrafa. Com raízes na fotografia, sua produção cinematográfica prioriza a nacionalização do cinema brasileiro, evidenciando a multiplicidade e a riqueza cultural da região amazônica.

Texto

Abrir módulo

Jorane Ramos de Castro (Belém, Pará, 1968). Roteirista, diretora, fotógrafa. Com raízes na fotografia, sua produção cinematográfica prioriza a nacionalização do cinema brasileiro, evidenciando a multiplicidade e a riqueza cultural da região amazônica.

Forma-se em Comunicação Social pela Universidade Federal do Pará (UFPA), em 1990, e em Cinema pela Universidade de Paris 8, em 1994, na França. Estuda roteiro e direção de elenco na Escuela Internacional de Cine y Television (EICTV), em San Antonio de Los Baños, Cuba, em 2004. Desde 2009, atua como professora do curso Cinema e Audiovisual, na Universidade Federal do Pará. Atualmente, realiza doutorado em arte contemporânea no Colégio das Artes, na Universidade de Coimbra, em Portugal. Diretora de mais de vinte filmes, entre documentários e obras de ficção, que se destacam em festivais no Brasil e no exterior. Em 2000, a cineasta decide criar a produtora Cabocla Filmes, com o objetivo de desenvolver projetos audiovisuais que propõem um novo olhar sobre a Amazônia. 

O filme de ficção As mulheres choradeiras (2000) e o documentário Invisíveis prazeres xotidianos (2004) são os primeiros trabalhos audiovisuais lançados pela Cabocla Filmes. No primeiro, adaptação livre do conto “As mulheres choradeiras”, do escritor Fábio Horácio-Castro (1968), a história de três senhoras carpideiras acusadas pelo desaparecimento de um cadáver. No documentário, a cineasta investiga o que leva uma pessoa a expor sua vida na internet no período de surgimento dos blogs. Substituindo o diário na vida de adolescentes, o blog funciona como confessionário e espaço de liberdade, portanto os conteúdos publicados pelos jovens são um retrato das realidades locais. Para a realização de Invisíveis prazeres cotidianos, 33 blogueiros paraenses são entrevistados. 

A investigação de realidades locais ocorre também no documentário Mulheres de Mamirauá (2008). Com filmagens realizadas em Tefé, no Amazonas, município localizado dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, o documentário relata a vida das mulheres e o cotidiano das comunidades residentes da reserva. Nesta obra, a natureza não é um elemento de contemplação, mas um exemplo de como mulheres e homens vivem em total integração com a terra. 

Mulheres de Mamirauá é exibido na edição de 2021 da Arte Pará, que tem como tema a história da videoarte na Amazônia. Artista convidada da edição online da tradicional mostra, a diretora apresenta também o curta-metragem de ficção Ribeirinhos do asfalto (2011), que discorre sobre a cultura, modos de vida e saberes dos ribeirinhos da Amazônia. O curta, exibido em mais de vinte festivais nacionais e internacionais, ganha dois prêmios no Festival de Cinema de Gramado (RS): melhor atriz para Dira Paes (1969) e melhor direção de arte para o cenógrafo Rui Santa-Helena (1955-2020).

Em 2017, lança seu primeiro longa-metragem de ficção, Para ter onde ir, com foco no universo feminino, sobretudo na mulher amazônica. A obra acompanha as histórias de três mulheres que partem de um cenário urbano para outro, onde a natureza prevalece. A narrativa sensorial questiona os limites das linguagens, colocando o tempo em questão. A diretora torna o espectador uma peça ativa da obra ao levar a contemplação para o cotidiano. Além de ser o primeiro longa-metragem realizado e distribuído por uma paraense, o filme recebe os prêmios de melhor direção, melhor atriz coadjuvante, melhor trilha sonora original e melhor desenho de som no Festival Guarnicê 2017.

Em seguida, a cineasta trabalha em dois novos longa-metragens. O documentário de longa-metragem Mestre Cupijó e seu ritmo (2019) parte da pesquisa realizada na Amazônia sobre as influências da cultura africana na música brasileira. A obra de ficção A herança, com roteiro de Ângela Gomes (1971), é totalmente filmado em Belém, nos bairros da Cidade Velha e Campina. Um drama com doses de comédia, o filme narra a jornada de um paulistano que tem a vida transformada ao receber uma herança inesperada em Belém, o que o leva a uma descoberta de seu passado e suas origens. Em paralelo, inicia as filmagens do documentário Terruá Pará, sobre a história da música paraense, ambientado em diferentes regiões do estado.

Pautada pela defesa do cinema local, Jorane Castro constrói uma sólida trajetória como artista e cineasta, além de ampliar o campo de atuação dos criadores de cinema em Belém.

Eventos multiculturais 2

Abrir módulo

Exposições 11

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 23

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: