Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Rodrigo Lefèvre

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.08.2021
09.02.1938 Brasil / São Paulo / São Paulo
09.07.1984 Guiné-Bissau
Rodrigo Brotero Lefèvre (São Paulo, São Paulo, 1938 - Guiné-Bissau, África, 1984). Arquiteto, urbanista e professor. Ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), em 1957. No ano seguinte, vence o Concurso de Decoração dos Salões do Jardim de Inverno para o restaurante Fasano, no Conjunto Nacional, São ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Rodrigo Brotero Lefèvre (São Paulo, São Paulo, 1938 - Guiné-Bissau, África, 1984). Arquiteto, urbanista e professor. Ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), em 1957. No ano seguinte, vence o Concurso de Decoração dos Salões do Jardim de Inverno para o restaurante Fasano, no Conjunto Nacional, São Paulo, juntamente com Sérgio Ferro (1938), com quem inicia parceria. Três anos depois, Flávio Império (1935-1985) se integra ao ateliê, no qual trabalham coletiva ou individualmente, desenvolvendo textos e projetos de arquitetura, urbanismo, cenografia e programação visual, cujo impacto leva a revista Acrópole a lhes dedicar um número especial em 1965. A parceria marca sua produção individual, mesmo depois de desfeito o grupo, nomeado posteriormente Arquitetura Nova, cujas bases são lançadas no texto Proposta para um Debate: Possibilidade de Atuação (1963).

A casa Juarez Brandão Lopes (São Paulo, 1968) é o último projeto do grupo, que se dissolve em 1970 com a prisão de Lefèvre e Ferro, membros da Ação Libertadora Nacional (ALN)1 desde 1968. Durante a prisão, Lefèvre estabelece novas parcerias com os arquitetos Nestor Goulart Reis Filho (1931), Ronaldo Duschenes (1943) e Félix Alves de Araújo. Nos anos 1970, continua as pesquisas iniciadas com o grupo e apresenta a dissertação Projeto de um Acampamento de Obras: Uma Utopia (1976-1981). Em 1972, é contratado pela Hidroservice Engenharia de Projetos Ltda. para atuar no Departamento de Arquitetura, que começa a dirigir em 1973. A experiência como assalariado o faz refletir sobre a prática profissional e docente, resultando no texto Notas de um Estudo sobre Objetivos do Ensino da Arquitetura e Meios para Atingi-los em Trabalho de Projeto (1977). Desde 1962, quando se torna instrutor de ensino do Departamento de História de Arquitetura da FAU/USP, se dedica à docência. Participa do 2º Fórum de Ensino da FAU/USP (1968) e transfere-se para o Departamento de Projeto. Em 1968, Lefèvre, Ferro e os arquitetos Mayumi e Sérgio de Souza Lima, ao lado dos sociólogos Francisco de Oliveira (1933) e Gabriel Bolaffi, criam uma proposta alternativa ao ensino da FAU/USP e FAU/UnB, implementada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de Santos (Faus). A experiência termina em 1970 com a prisão de professores. Durante a detenção, é demitido da FAU/USP por excesso de "faltas".

Em 1975, muda-se para Grenoble, França, colaborando com a socióloga Françoise Du Boisberrange na Unité Pedagogique d´Architecture, e escreve Notes Sur le Travail de Projet dans une École d´Architecture (1976). É readmitido pela FAU/USP em 1977 e participa da comissão de reestruturação do ensino, que dá origem ao Relatório 1977, do qual é redator e, no ano seguinte, do Fórum de 1978. Ainda em 1977, começa a dar aulas na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas), onde fica até 1979. Retorna à FAU/USP em 1981 e é eleito vice-diretor, cargo que ocupa até 1982, quando se muda para a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Fundação de Ensino de Belas Artes de São Paulo. Em 1983, encerra sua atividade docente, mudando-se para a Guiné-Bissau, na África, encarregado pela Hidroservice de implantar o Projeto de Formação de Pessoal e de Gestão dos Serviços de Saúde. Morre no ano seguinte num acidente de carro. É homenageado com números especiais das revistas Espaço & Debates e Novos Estudos Cebrap, em 1984 e 1985, respectivamente.

Análise

Apesar de ter se formado durante a construção de Brasília na FAU/USP, Rodrigo Lefèvre não compartilha com a maioria dos arquitetos de sua geração o entusiasmo com o programa desenvolvimentista encampado pelo governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960). Sua crítica ao programa é formulada com Sérgio Ferro (1938) e Flávio Império (1935-1985), com base em um conjunto de experiências que marcam profundamente a carreira dos três arquitetos e que tem como questões centrais a democratização da produção e do consumo da arquitetura no país.

Ainda estudante, Lefèvre vivencia ao lado de Ferro as péssimas condições de vida e trabalho dos operários nos canteiros de obra da nova capital, onde realizam os edifícios São Paulo e Goiás (1960-1961). Os dois arquitetos - discípulos de Vilanova Artigas (1915-1985) - constatam a precariedade da indústria de construção civil, flagrante em Brasília. Essa deficiência é confirmada por Ferro durante as obras da casa Boris Fausto (São Paulo, 1961), levando-o a buscar alternativas para superar o atraso e a desigualdade do país por meio da modernização da construção civil. Uma proposta é formulada no ateliê dos arquitetos e testada no cenário da peça Morte e Vida Severina (1960) e nas casas Simão Fausto (Ubatuba, 1961) e Bernardo Issler (Cotia, 1961) e radicalizada após o Golpe Militar de 1964. Ela tem como premissa a aposta na produção manufaturada da arquitetura por meio da racionalização de materiais e técnicas construtivas muito simples, disponíveis no mercado da construção civil e acessíveis à maioria da população. Tomando a carência não como obstáculo, mas como fator constituinte da obra, tal como faziam os propositores do cinema novo, os arquitetos declaram no artigo Proposta Inicial para um Debate: Possibilidade de Atuação (1963): 

"Assim é que do mínimo útil, do mínimo construtivo e do mínimo didático necessários tiramos, quase, as bases de uma nova estética que poderíamos chamar a 'poética da economia', do absolutamente indispensável, da eliminação de todo o supérfluo, da 'economia' de meios para a formulação da nova linguagem, para nós, inteiramente estabelecida nas bases da nossa realidade histórica."2

A expressão arquitetônica dessa proposta, há um tempo técnica, estética e ética, é sintetizada pela abóbada, sistema construtivo econômico que utiliza materiais prosaicos, facilmente manejados pelos operários - como tijolos, vigotas pré-fabricadas de concreto armado e madeira - e transparece nas instalações aparentes e nas paredes sem revestimento. Testado inicialmente na casa Bernardo Issler, o sistema é aprimorado por Lefèvre nas residências Pery Campos (São Paulo, 1970), em coautoria com Nestor Goulart Reis Filho (1931); Dino Zammattaro (São Paulo, 1970), em colaboração com Ronaldo Duschenes (1943) e Félix Alves de Araújo; e Carlos Ziegelmeyer (Guarujá, 1972).

Em seu mestrado, Projeto de um Acampamento de Obra: uma Utopia (1981), Lefèvre retoma essas experiências, reafirmando o compromisso com o trabalho coletivo, a democratização do conhecimento e a transformação das relações de produção no campo da arquitetura, propondo um canteiro-escola em que a autoconstrução de habitações populares é pensada como uma forma futura de conscientização dos construtores e como integração entre teoria e prática, próxima ao método pedagógico do educador Paulo Freire (1921-1997).

O engajamento permanente do arquiteto em sua carreira é visível ao participar dos debates sobre a produção do espaço urbano, como atesta o texto Notas sobre o Papel dos Preços e dos Terrenos em Negócios Imobiliários de Apartamentos e Escritórios na Cidade de São Paulo, publicado na coletânea A Produção Capitalista da Casa (e da Cidade) no Brasil Industrial, organizada por Ermínia Maricato, em 1979. Por outro lado, também é claro seu embate com a assimilação das suas propostas pela elite paulista, vistas como uma expressão arquitetônica moderna a mais, desprovidas de seu conteúdo político, tal como revelam as residências Thomas Farkas (Guarujá, 1971), em coautoria com Duschenes e Paulo Madeira; e Frederico Brotero (São Paulo, 1971), projetada com Araújo. Trabalhando como arquiteto assalariado na Hidroservice Engenharia de Projetos Ltda. desde 1972, Lefèvre experimenta a contradição entre seu discurso e a atuação numa empresa comprometida com o projeto de modernização que ele criticava no início da carreira. Isso fica evidente ao participar de projetos de grande porte, como a sede do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), em 1972, em Brasília, e o Instituto dos Ambulatórios do Hospital das Clínicas (1973), em São Paulo. Recusando-se agora a abandonar a sua atuação como arquiteto em seu compromisso de construir o país, mas já consciente de seus limites, Lefèvre aproveita a experiência para denunciar o processo de proletarização da profissão e ao mesmo tempo apontar as possibilidades de se estabelecer uma dimensão mais coletiva e democrática, ao menos no âmbito do projeto. Nesse sentido, o arquiteto "deveria arrefecer o subjetivismo do processo criativo, esclarecer as suas escolhas e estabelecer um trabalho concreto de cooperação com os profissionais de outras áreas, reconhecendo o seu papel dentro de um processo produtivo, que envolve várias áreas de conhecimento, várias etapas de concepção e de produção da obra."3

São essas questões que dão sentido ao seu trabalho na Hidroservice, como revela o seu depoimento no evento Arquitetura e Desenvolvimento Nacional, promovido pelo Departamento Paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/SP), em 1978, e que o animam a repensar o ensino da arquitetura como revela o artigo Notas de um Estudo sobre Objetivos do Ensino da Arquitetura e meios para Atingi-los em Trabalho de Projeto.

Notas

1. Organização revolucionária de esquerda, criada em 1967, que participa da luta armada contra a ditadura militar implantada no Brasil em 1964.
2. FERRO, Sérgio; LÉFEVRE, Rodrigo. Proposta inicial para um debate: possibilidade de atuação, In: Encontros GFAU 63, São Paulo, GFAU, 1963.
3. KOURY, Ana Paula. Grupo Arquitetura Nova: Flávio Império, Rodrigo Lefèvre e Sérgio Ferro. São Paulo, Romano Guerra Ed./Edusp/Fapesp, 2003, p. 107. IN: GUIMARÃES, H. P. Rodrigo Brotero Lefèvre: a construção da utopia. 2006. 206f. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2006, p. 81.

Espetáculos 2

Abrir módulo

Espetáculos de dança 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • ARANTES, Pedro Fiori. Arquitetura nova: Sérgio Ferro, Flávio Império e Rodrigo Lefèvre, de Artigas aos mutirões. São Paulo: Editora 34, 2004. 254 p., il. p&b.
  • ARENA conta Zumbi. São Paulo: Teatro de Arena, 1965. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro de Arena. Não catalogado
  • BUZZAR, Miguel Antonio. Rodrigo Brotero Lefèvre e a idéia de vanguarda. 2001. 409 f. Tese (Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2001.
  • GUIMARÃES, Humberto Pio. Rodrigo Brotero Lefèvre, a construção da utopia. 2006. 204 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • KOURY, Ana Paula. Grupo Arquitetura Nova: Flávio Império, Rodrigo Lefèvre e Sérgio Ferro. São Paulo: Edusp: Fapesp: Romano Guerra, 2003. 136 p., il. p&b. (Olhar arquitetônico, 1).
  • ROCHA, Angela Maria. No Horizonte do Possível. AU/Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, n. 18, p. 82-87, jun./jul. 1988.
  • TEIXEIRA, Isabel (Coord.). Arena conta arena 50 anos. São Paulo: Cia. Livre da Cooperativa Paulista de Teatro, [2004]. CDR792A681
  • TODO Anjo É Terrível. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1962]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: