Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Maria Helena Nery Garcez

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.04.2017
08.04.1943 Brasil / São Paulo / São Paulo
Maria Helena Nery Garcez (São Paulo, São Paulo, 1943). Cursa Letras Neo-Latinas na USP, entre 1961 e 1964, aproximadamente. Defende sua tese de doutorado, O Novo Romance em Portugal, em 1972. É professora de Literatura Portuguesa no curso de Letras da USP no período de 1970 a 1994. Nos anos de 1986 a 1991 publicoa poemas no suplemento Cultura do...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Maria Helena Nery Garcez (São Paulo, São Paulo, 1943). Cursa Letras Neo-Latinas na USP, entre 1961 e 1964, aproximadamente. Defende sua tese de doutorado, O Novo Romance em Portugal, em 1972. É professora de Literatura Portuguesa no curso de Letras da USP no período de 1970 a 1994. Nos anos de 1986 a 1991 publicoa poemas no suplemento Cultura do jornal O Estado de S. Paulo. Seu primeiro livro de poesia, Conta Gotas, é publicado em 1987; no ano seguinte, publica Telhado de Vidro. É autora dos livros de ensaio Trilhas em Fernando Pessoa e Mário de Sá-CarneiroO Tabuleiro Antigo: Uma Leitura do Heterônimo Ricardo Reis e O Mestre, além do livro de contos Em Trânsito. A poesia de Maria Helena, de tendências contemporâneas, é assim analisada pela crítica Zélia de Almeida Cardoso: "(...) por trás dos jogos poéticos cujas regras Maria Helena conhece tão bem, por trás das figuras históricas que invadem vez por outra sua poesia, por trás das metáforas, dos símbolos, do prosaísmo cotidiano que fornece assunto e das múltiplas referências a obras alheias, existe um mundo pessoal que se mostra meio a medo, povoado de personagens familiares, de ambientes domésticos, de orações ditas em surdina, de anseios e esperanças mal disfarçadas, de tímidas confissões".

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • CARDOSO, Zélia de Almeida. Conta-gotas. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26 mar. 1988. Cultura. Suplemento, p.11.
  • MARTINS, Wilson. Poetas. Jornal da Tarde, São Paulo, 25 fev. 1989. p.6, Caderno de Sábado.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: