Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Anatol Rosenfeld

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.05.2017
28.08.1912 Alemanha / Berlim / Berlim
11.12.1973 Brasil / São Paulo / São Paulo
Anatol H. Rosenfeld (Alemanha 1912 - São Paulo SP 1973). Crítico e teórico. Importante filósofo, ensaísta e crítico de origem germânica, Anatol Rosenfeld torna-se um dos grandes intelectuais do panorama paulista dos anos 1960 e 1970, legando uma série de obras e escritos de indiscutível acuidade analítica, ainda hoje referências para a compreens...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Anatol H. Rosenfeld (Alemanha 1912 - São Paulo SP 1973). Crítico e teórico. Importante filósofo, ensaísta e crítico de origem germânica, Anatol Rosenfeld torna-se um dos grandes intelectuais do panorama paulista dos anos 1960 e 1970, legando uma série de obras e escritos de indiscutível acuidade analítica, ainda hoje referências para a compreensão de aspectos da cultura alemã e brasileira do período.

Não existem registros sobre sua exata procedência, mas sabe-se que estuda, entre 1930 e 1934, filosofia, letras e história na Universidade de Berlim. Radica-se no Brasil em 1937, para fugir das perseguições nazistas. Enquanto aprende a nova língua, é lavrador e caixeiro viajante. Já em São Paulo, nos primeiros anos da década de 1950, passa a freqüentar reuniões das colônias judaica e alemã, através das quais se aproxima do mundo intelectual. Torna-se jornalista e redator da Crônica Israelita, jornal quinzenal da Congregação Israelita Paulista, e correspondente de um jornal suíço de língua alemã. Dirige, para a editora Herder, a coleção O Pensamento Estético, vertendo dos originais alemães para o português importantes títulos, especialmente ligados aos períodos clássico e romântico. Sobrevive por meio de aulas particulares e, tendo aprendido a exprimir-se com desenvoltura e elegância em português, embrenha-se pelos caminhos da cultura brasileira. Colabora para o jornal do Han Staden Institute, escrevendo sobre literatura brasileira. Em 1956, indicado por Antônio Cândido, passa a dirigir a seção Letras Alemãs, do Suplemento Literário do jornal O Estado de S. Paulo, espaço onde divulgará autores germânicos de todas as épocas. No início dos anos 1960 passa a dar aulas na Escola de Arte Dramática - EAD, ocasião em que estreita vínculos com a atividade teatral, distinguindo-se pelos contatos com os artistas ligados aos espetáculos, antes ou depois das estréias, ocasiões em que o diálogo serve de suporte para longas e minuciosas análises. Em 1964 inicia a publicação de críticas teatrais, como colaborador, em diversos órgãos de imprensa.

Seu primeiro trabalho publicado é Doze Estudos, em 1959, basicamente dedicado à literatura alemã. O Teatro Épico, de 1965, expõe suas reflexões não só sobre o gênero como divulga, em primeira mão, as teorias de Bertolt Brecht. E O Teatro Alemão, súmula histórica lançada em 1968, enfeixa uma primorosa coleção de ensaios dedicados a aspectos históricos e autores germânicos. Texto e Contexto, volume de 1971, surge pouco antes de morrer, contendo alguns ensaios tornados clássicos, como O Fenômeno Teatral, O Teatro Agressivo e A Visão Grotesca, além de estudos sobre temas históricos e literários.

Sua biblioteca e manuscritos de teatro são doados à Biblioteca do Museu Lasar Segall e pesquisados, durante muito tempo, por Nanci Fernandes. O material coligido permite o lançamento, em 1993, de sete volumes, reunindo, por temas ou afinidades, a vasta obra legada por Anatol, pela Editora Perspectiva, organizada pelo editor Jacó Guinsburg, parte com Nanci Fernandes e outra com Abílio Tavares. Desse conjunto, ao menos três títulos agrupam escritos relacionados ao teatro. Texto e Contexto II, aborda, com perspicácia, autores e obras. Prismas do Teatro oferece, em finíssima análise, denominada Sobre Teatro, um debruçamento sobre os nexos existentes entre a criação do texto, sua transposição para o palco e a interpretação do ator, fases distintas do fazer teatral. Em O Mito e o Herói no Moderno Teatro Brasileiro, a problemática do herói - enfatizada na aguda discussão sobre o Sistema Coringa - é levada a efeito, situando quer a literatura popular quanto a erudita.

Numa avaliação de conjunto sobre suas posições, o professor de estética Jacó Guinsburg destaca: "O modelo que se pode projetar para seu pensamento é o de Thomas Mann. Sua afinidade com o espírito e a obra deste escritor era extrema. Nos cursos que ministrou sobre ele e na exegese de suas criações literárias, fazia caminhar a elaboração ficcional e filosófico-política do romancista entre o espírito wagneriano da música, do dionisíaco, e o espírito goethiano do plástico, do apolíneo; entre o classicismo e o romantismo alemães; entre a crítica nietzschiana a todos os valores na busca de sua transvaloração.[...] Assim como a personagem de Thomas Mann, para Anatol Rosenfeld a caça à razão de ser tinha sentido. Não poderia terminar no nada, pois, do contrário, a própria caça nada significaria".1 

Notas
1. GUINSBURG, Jacó (Org.); MARTINS FILHO, Plínio (Org.). Sobre Anatol Rosenfeld. São Paulo: Com-Arte, 1995.

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • GUINSBURG, Jacó (Org.); MARTINS FILHO, Plínio (Org.). Sobre Anatol Rosenfeld. São Paulo: Com-Arte, 1995.
  • GUINSBURG, Jacó. São Paulo, 27 nov. 2001. Entrevista do editor e ensaísta à pesquisadora Johana Albuquerque.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: