Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Heloisa Espada

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.11.2019
12.02.1975 Brasil / Santa Catarina / Tubarão
Heloisa Espada Rodrigues Lima (Tubarão, Santa Catarina, 1975). Curadora, pesquisadora e crítica de arte. Com trânsito nacional e internacional, é um dos principais nomes da pesquisa sobre arte concreta, especialmente sobre fotografia. Seus interesses curatoriais partem de uma reflexão sobre a fotografia moderna e contemporânea, com o intuito de ...

Texto

Abrir módulo

Heloisa Espada Rodrigues Lima (Tubarão, Santa Catarina, 1975). Curadora, pesquisadora e crítica de arte. Com trânsito nacional e internacional, é um dos principais nomes da pesquisa sobre arte concreta, especialmente sobre fotografia. Seus interesses curatoriais partem de uma reflexão sobre a fotografia moderna e contemporânea, com o intuito de questionar o documento fotográfico, analisando seu contexto de circulação, desconstruindo a ideia da imagem transparente e entendendo a fotografia como uma produção cultural ligada a intenções.

Inicia trajetória de pesquisadora em Florianópolis, durante graduação em Educação Artística (1997), com iniciação científica sobre Franklin Cascaes (1908-1983), artista catarinense que registrou os costumes de sua região. Terminada a pesquisa, ganha concurso da Fundação Franklin Cascaes para publicação do livro Na Cauda do Boitatá: um Estudo do Processo de Criação dos Desenhos de Franklin Cascaes, em que analisa os esboços do artista.

Em 2006, completa o mestrado com Fotoformas: a Máquina Lúdica de Geraldo de Barros, na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Na dissertação, analisa as relações de Geraldo de Barros (1923-1998) com diferentes grupos durante o período de 1946 a 1952, como Grupo Ruptura, MAM/SP, Masp e Foto Cine Clube Bandeirante. Além disso, trata também dos eventos que ocorreram na época da realização da série Fotoformas.

O grupo de Jovens Críticos do Centro Universitário Maria Antonia da USP é importante para sua formação como crítica de arte, por possibilitar, em conjunto com outros curadores, o estudo de artistas e obras, estimular a reflexão sobre arte contemporânea e ser o primeiro espaço em que Heloisa cura uma exposição: Fotoformas e Suas Margens (2008) apresenta cinquenta trabalhos de Geraldo de Barros, entre fotografias, gravuras e desenhos, e contribui para leituras da obra do artista e da arte concreta.

Trabalha como pesquisadora do projeto “Documents of 20th Century of Latin American and Latino Art”, coordenado pela curadora porto-riquenha Mari Carmen Ramírez (1955), ligado ao Museu de Belas Artes de Houston (Estados Unidos) e dedicado à pesquisa de textos críticos de artistas latino-americanos do século XX. No Brasil, a professora e pesquisadora Ana Maria Belluzzo (1943) coordena o projeto e Heloisa se dedica aos documentos sobre arte concreta brasileira. Este é um lugar de formação para sua trajetória, por unir pesquisa, crítica e trocas com pesquisadores da América Latina.

Em 2014, realiza a exposição Geraldo de Barros e a Fotografia, no Instituto Moreira Salles (IMS), em São Paulo, como desdobramento de seu mestrado. O catálogo da exposição, organizado por Heloisa, traz textos inéditos de sua autoria e de outros curadores. A mostra reúne as séries Fotoformas e Sobras e também pinturas dos anos 1960 e 1970 sobre fotos publicitárias. Exposição e catálogo mostram que Geraldo de Barros é um dos pioneiros da pintura e fotografia abstratas no país.

Em 2011, defende seu doutorado na ECA/USP, com o título Monumentalidade e Sombra: a Representação do Centro Cívico de Brasília por Marcel Gautherot, pelo qual ganha o Prêmio Capes em 2012. A pesquisa versa sobre a criação de Brasília e a ideia de um Brasil moderno a partir das imagens produzidas pelo fotógrafo franco-brasileiro entre o final da década de 1950 e os anos de 1960. Além de mostrar as relações entre o novo urbanismo brasileiro e a fotografia moderna, a autora observa também a veiculação das fotos de Gautherot (1910-1996) em revistas e exposições.

A exposição As Construções de Brasília (2010), desdobramento de seu doutorado, reúne fotografias de Marcel Gautherot, Peter Scheier (1908-1979) e Thomaz Farkas (1924-2011) e mostra as imagens da nova capital, considerando aspectos formais e os significados simbólicos que essa construção representa para a identidade nacional.

Em 2013, publica Hércules Barsotti (1914-2010) pela Coleção Folha Grandes Pintores Brasileiros. No livro, analisa a obra do artista neoconcreto, que produz suas pinturas a partir da exploração de ilusões e ambiguidades da cor e das formas geométricas.

Em 2016, realiza pós-doutorado no Museu de Arte Contemporânea da USP sobre origens da arte concreta em São Paulo e agentes do Grupo Ruptura. Com publicações internacionais sobre arte concreta e neoconcreta, Heloisa endossa sua pesquisa sobre as relações entre os membros do Grupo e os artistas internacionais que lhes serviram de referência, como os participantes da delegação suíça da I Bienal de São Paulo (1951).

A exposição Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 (2018), realizada no IMS, aponta para o imaginário do Brasil como país pacífico e olha para a documentação fotográfica a fim de questioná-la. A mostra é publicada em livro, organizado com a socióloga Angela Alonso (1969), e conta com imagens de revoltas, revoluções e motins ocorridos entre o golpe que deu origem à República (1889) e o que instaurou a ditadura militar (1964). As imagens servem para refutar a ideia de um Brasil pacífico e faz reflexão sobre os significados das fotografias e de sua produção, analisando equipamentos, enquadramentos, circulação e outros elementos do contexto.

O trabalho de Heloisa Espada torna-se referência importante para a pesquisa sobre arte concreta e neoconcreta. Ao questionar a seleção e a apresentação de imagens, suas descobertas sobre as origens e os desdobramentos desses movimentos repercutem internacionalmente.

Exposições 11

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 17

Abrir módulo
  • ALONSO, Angela; ESPADA, Heloisa (Orgs.). Conflitos. São Paulo: IMS, 2017.
  • CYPRIANO, Fabio. Ampla, retrospectiva destaca ousadia de Geraldo de Barros. Folha de S.Paulo, São Paulo, 25 maio 2015. Ilustrada, p. C6.
  • CYPRIANO, Fabio. Mostra faz ótimo apanhado do Brasil não cordial. Folha de S.Paulo, São Paulo, 22 maio 2018. Ilustrada, p. 31.
  • DOCUMENTS of 20th Century of Latin American and Latino Art. A digital archive and publications projects at the Museum of Fine Arts, Houston, EUA. Disponível em: http://icaadocs.mfah.org/icaadocs/. Acesso em: 19 out. 2019
  • ESPADA, Heloisa (Org.). Geraldo de Barros e a Fotografia. São Paulo: Instituto Moreira Salles; Edições Sesc São Paulo, 2014.
  • ESPADA, Heloisa. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], 7 jul. 2019. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/3318254935346857. Acesso em: 19 out. 2019
  • ESPADA, Heloisa. Fotoformas: a Máquina Lúdica de Geraldo de Barros. 2006. 159 gl. Dissertação (Mestrado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • ESPADA, Heloisa. Heloisa Espada. Entrevista a Bianca Mantovani. Instituto Moreira Salles, São Paulo, set. 2019.
  • ESPADA, Heloisa. Hércules Barsotti. São Paulo: Folha de S.Paulo; Instituto Itaú Cultural, 2013.
  • ESPADA, Heloisa. Monumentalidade e Sombra: a Representação do Centro Cívico de Brasília por Marcel Gautherot. 2011. 224 fl. Tese (Doutorado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.
  • ESPADA, Heloisa. Verdadeira, só a arte concreta. Blog IMS. São Paulo, 29 jan. 2015. Disponível em: https://blogdoims.com.br/verdadeira-so-a-arte-concreta/. Acesso em: 20 out. 2019
  • FUNDAÇÃO Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/franklincascaes/index.php?cms=franklin+cascaes&menu=1&submenuid=sobre. Acesso em: 20 out. 2019
  • GERALDO de Barros e a Fotografia. Exposição São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2014. (4 min. 15 s.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_--B5x7V9LE. Acesso em: 20 out. 2019
  • GIOIA, Mario. Exposição repensa Geraldo de Barros. Folha de S.Paulo, São Paulo, 27 mar. 2008. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2703200811.htm. Acesso em: 20 out. 2019
  • MEIRA, Denise Araujo. Rompendo Silêncios: a Trajetória do Professor Franklin Cascaes na Escola Industrial de Florianópolis (1941-1970). 2009. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.
  • MENON, Isabella. Conflitos políticos do Brasil permeiam mostra fotográfica com 338 obras. Folha de S.Paulo, São Paulo, 9 maio 2018. Ilustrada, p. 34.
  • O PAPEL do fotógrafo. Exposição Conflitos. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2014. (5 min. 30 s.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DTljyl0h3zE. Acesso em: 20 out. 2019

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: