Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

De Chocolat

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.10.2015
18.05.1887 Brasil / Bahia / Salvador
27.12.1956 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
João Cândido Ferreira (Salvador, BA, 1887 - Rio de Janeiro, RJ, 1956). Cantor, compositor, autor teatral, produtor, ator, dançarino. Muito jovem, ainda em Salvador, ingressa como cançonetista numa companhia espanhola de zarzuela. Com ela se transfere para o Rio de Janeiro, onde passa a atuar, na primeira década do século, em chopes berrantes, ci...

Texto

Abrir módulo

Biografia
João Cândido Ferreira (Salvador, BA, 1887 - Rio de Janeiro, RJ, 1956). Cantor, compositor, autor teatral, produtor, ator, dançarino. Muito jovem, ainda em Salvador, ingressa como cançonetista numa companhia espanhola de zarzuela. Com ela se transfere para o Rio de Janeiro, onde passa a atuar, na primeira década do século, em chopes berrantes, circos, "teatrinhos" e salas de espera de cinemas, com o pseudônimo Jocanfer, notabilizando-se por fazer versos de improviso. Na época, viaja para a Argentina, apresentando-se no Cine Éden Cosmopolita de Buenos Aires. Em ca.1910, vai a Portugal, Espanha e França. Nos cabarés parisienses, apresenta-se com o nome artístico De Chocolat, que adota ao retornar ao Rio de Janeiro. Em Paris, que vive então os "anos loucos", entra em contato com a negrofilia1 e com as danças modernas, que incorpora ao seu repertório, sendo considerado o principal divulgador do charleston no Brasil.

Inspirado no sucesso da Revue Nègre, espetáculo estrelado por Josephine Baker (1906-1975), em 1925, no Théâtre des Champs-Elysées, em Paris, funda com Jaime Silva, no ano seguinte, a Companhia Negra de Teatro de Revistas, formada por artistas negros. A peça de estreia, de sua autoria, é Tudo Preto. No elenco, destacam-se Dalva Espínola - mãe de Aracy Cortes (1904-1985) -, o menino Otelo (1915-1993) (futuro Grande Otelo) e Pixinguinha (1897-1973), que dirige a orquestra. Depois de excursionar com a trupe por São Paulo e Minas Gerais, desentende-se com Jaime Silva e funda a Ba-Ta-Clan Preta, com remanescentes da Cia. Negra. A estreia se dá com Na Penumbra, escrita em parceria com Lamartine Babo (1904-1963) e Gonçalves Oliveira, mas essa trupe logo se dissolve.

Das suas composições destacam-se Falando ao Teu Retrato, parceria com Jaime Florence, o Meira, gravada por Augusto Calheiros, o Patativa do Norte, em 1935, e por Teca Calazans e Heraldo do Monte (1935), em 2003. O samba Mulata, por Francisco Alves (1898-1952), em 1929, que grava ainda a marcha Negra Também É Gente (1934), parceria de De Chocolat e Ary Barroso (1903-1964); e no mesmo ano a Modinha Brasileira é interpretada por Silvio Salema. A valsa Não Te Perdoo é gravada por Silvio Caldas (1908-1998), em 1940, que é parceiro de De Chocolat nessa canção. Caldas grava também o samba Na Aldeia, de sua autoria com Caruzinho e De Chocolat, em 1933, regravado em 2004 por Mônica Salmaso e Teresa Cristina; o fox-canção Três da Manhã, parceria com Manoel Pereira Franco, por Moacir Bueno Rocha, em 1932, e ainda grava Olhos Passionais (1932), parceria com Gastão Bueno Lobo; o samba-canção Meu Branco, parceria com Benedito Lacerda, e gravado em 1935 por Aurora Miranda. Vicente Paiva grava em 1929 o samba-canção Machuca, parceria com Donga. Em 1932, Jorge Fernandes interpreta Aventura de um Beijo, parceria com Guilherme Pereira, e Gastão Formenti grava Felicidade, parceria com J.C. Rondon, de 1937.

Em 1936, cria com o dançarino Duque e Humberto Miranda a Companhia Casa de Caboclo, para a qual cria várias peças. Em 1938, funda a Companhia Negra de Operetas e Revistas - de vida curta, como as anteriores -, e para ela escreve a opereta Algemas Quebradas.

É diretamente atingido pelo fechamento dos cassinos pelo governo Vargas, em 1946. Nos últimos anos de sua vida, escreve sketches e produz show para boates como Night and Day e Cinelândia.

Comentário Crítico
Como muitos outros músicos populares das décadas de 1920 e 1930, De Chocolat desenvolve uma escuta aberta, incorporando ao seu repertório novos gêneros e sonoridades que fazem sucesso entre o público da época, à espera de novidades. Daí a presença de foxtrotes e fox-canções entre os sambas, marchas e maxixes de seu repertório. Daí também sua tendência a fazer versões de músicas estrangeiras, a exemplo do foxtrote Boa Noite, Querida, de Ray Noble, gravado por Castro Barbosa, em 1932, e da valsa Guarde a Última Valsa para Mim, de Walter Hirsch, gravada pelo grupo vocal As Três Marquesas, em 1932.

As letras de suas canções, geralmente musicadas por outros artistas, fazem muitas vezes alusão a personagens tipo do teatro musicado, como é o caso de Baianinha, parceria com Oscar Mota, gravado em 1929 por Araci Cortes (com a denominação de samba) e por Laís Areda (como maxixe). Tal imprecisão, aliás, é típica desse período, quando as características dos gêneros musicais populares ainda estão se delineando no Brasil. Em versos cheios de espirituosidade, o cançonetista descreve a "baianinha faceira / Toda dengosa e gentil", ressaltando sua sensualidade ("Tem um teto requebrado / E um quadril ondulante").

O gosto pela cançoneta francesa, gênero que costuma comentar o cotidiano por meio de chistes e double-sens, também transparece em suas composições. É o caso de Miss Brasil, paródia do famoso Pelo Telefone, gravado por Alfredo Albuquerque em 1929. A letra satiriza o concurso de Miss Brasil promovido pelo jornal A Noite:

"O chefe da folia por um cabograma mandou me avisar
Que o carioca já tem um motivo pro tempo passar
O jornal A Noite lançou um concurso em que os leitores fiam
Para entre as patrícias ver qual é que pode ser Miss Brasil
Ai, ai, ai!
Se essa ideia feliz assim não me logra
Ai, ai, ai!
Vencedora certa será minha sogra".

Como intérprete, o chansonnier De Chocolat destaca-se pelas interpretações brejeiras e maliciosas, entremeadas por quadrinhas satíricas e monólogos versejados de improviso, em que retrata tipos e costumes brasileiros. Com sua grande capacidade de granjear aplausos e risos da plateia, marca época nos palcos do Rio de Janeiro da primeira metade do século XX.

Nota
1 Também conhecida como "moda negra", a negrofilia é a tendência, observada na Europa do pós-Primeira Guerra, de valorizar tudo o que viesse da África, desde amuletos, máscaras e rituais xamânicos até o jazz norte-americano, identificado com o "primitivismo" africano. Essa tendência "refletia a mudança de status dos negros em relação aos brancos, a qual sugeria que eles poderiam recuperar e revitalizar a cultura europeia. Havia também uma preocupação particular com a autenticidade cultural negra. De modo turvo e ingênuo, achava-se que quanto mais próximo estivesse de sua origem africana, maior o seu poder e sua força". (ARCHER-STRAW, Petrine. Negrophilia. Avant-Garde Paris and Black Culture in the 1920s. Londres: Thames & Hudson, 2000. p. 94.)

Espetáculos 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BARROS, Orlando de. Corações De Chocolat. A história da Companhia Negra de Revistas (1926-27). Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2005.
  • De Chocolat. In: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Disponível em: www.dicionariompb.com.br/de-chocolat. Acesso em: 28 ago. 2011.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • GOMES, Tiago de Melo. Um espelho no palco: identidades sociais e massificação da cultura no teatro de revista dos anos 1920. Campinas: Ed. da Unicamp, 2004.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: