Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Péricles Cavalcanti

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.09.2021
21.09.1947 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Péricles da Rocha Cavalcanti (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1947). Compositor, cantor, instrumentista e arranjador. Humor sutil, referências a mitologia grega, literatura, poesia e à própria música são alguns dos elementos de sua obra, que transita por diversas mídias e vertentes.

Texto

Abrir módulo

Péricles da Rocha Cavalcanti (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1947). Compositor, cantor, instrumentista e arranjador. Humor sutil, referências a mitologia grega, literatura, poesia e à própria música são alguns dos elementos de sua obra, que transita por diversas mídias e vertentes.

Desde a infância desenvolve uma escuta plural. Com o pai, interessa-se por música erudita e pelo baião de Luiz Gonzaga (1912-1989), e, com a mãe, por intérpretes da era de ouro do rádio, como Orlando Silva (1915-1978) e Dalva de Oliveira (1917-1972). A estas referências, junta a bossa nova, com a qual toma contato na adolescência.

Conhece Caetano Veloso (1942), Gal Costa (1945) e Gilberto Gil (1942) antes de ingressar no curso de filosofia na Universidade de São Paulo (USP). Da amizade com estes artistas ligados ao Tropicalismo resultam seu interesse pelo fazer musical e suas primeiras parcerias profissionais. Deixa a carreira acadêmica para aderir ao temário da contracultura e parte para o autoexílio em Londres, em 1969, onde acompanha a cena do rock britânico. A convite de Gilberto Gil, participa da trilha do filme Copacabana, Mon Amour (1970) do diretor de cinema Rogério Sganzerla (1946-2004). Retorna ao Brasil em 1971, quando começa a compor com mais regularidade, e é gravado por Gal Costa – “Quem Nasceu” (1974) e “Clariô” (1977) – e Caetano Veloso – “Elegia” (1979). Em “Elegia”, o compositor valoriza a melodia das próprias palavras, criando um bolero com base em um poema do inglês John Donne (1572-1631) traduzido por Augusto de Campos (1931).

A versatilidade de estilos e a veia cômica estão presentes em sua trilha para o espetáculo A Farra da Terra (1983) do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, na qual figuram gêneros como o reggae, em “Farol da Jamaica”, e as metalinguísticas “Heavy Metal” e “Blues da Passagem”.

Embora tenha produzido ininterruptamente nas décadas anteriores, seu primeiro disco interpretando sua obra, Canções, é lançado em 1991, quando Péricles já é um músico maduro. O samba de abertura, “Dos Prazeres, das Canções”, revela algumas de suas referências: Herivelto Martins (1912-1992), Dorival Caymmi (1914-2008), Noel Rosa (1910-1937) e Heitor dos Prazeres (1898-1966). A estes soma-se a influência de João Gilberto (1931-2019), na batida do violão e no timbre de voz, além de Tom Jobim (1927-1994), em quem se inspira para fazer o arranjo com piano e assobio na faixa “Sem Drama”. “Tudo Sobre Eva” incorpora o folk do cantor americano Bob Dylan (1941). Em seu segundo álbum, Sobre as Ondas (1995), a sonoridade remete ao compositor João Donato (1934), pelo registro de voz e pela economia na instrumentação, cujos arranjos prescindem de densas massas sonoras.

Em 2004, lança Blues*55, reunindo dois projetos complementares. Na primeira parte, prevalece a base acústica, na qual o compositor recria a sonoridade anterior ao advento do estéreo, ao passo que a segunda aproxima-se mais da música experimental erudita, por meio de um tratamento eletrônico. Retoma a canção do compositor americano Cole Porter (1891-1964) em “Será o Amor”, e homenageia o pianista estadunidense Thelonious Monk (1917-1982) em “Um abraço no Thelonious”, ao mesmo tempo em que faz uma síntese do cruzamento entre o jazz e a bossa nova – já que a canção é inspirada em “Um Abraço no Bonfá” (1960), de João Gilberto. Apresenta, ainda, composições de sua autoria conhecidas na voz de outros intérpretes e com outros arranjos, como a faixa-título “Blues”, lançada por Caetano Veloso nos anos 1970, e as canções “Medo de Amar nº 3” e “Dançando”, gravadas por Adriana Calcanhotto (1965).

O conceito de 55 é aperfeiçoado no trabalho seguinte, O Rei da Cultura (2007). A faixa-título é autoderrisória: o verso “Eu sou o rei da Cultura” é rebatido pela intertexto “AM”. Ao trazer à tona esse elemento oculto, o compositor refere-se à única emissora de rádio que toca suas músicas, ressignificando a afirmação de que ele é o “rei da cultura” e reposicionando-se diante da música popular brasileira (MPB). Uma das faixas mais experimentais do CD é “Perguntaram a Stravinsky”, na qual o artista recorre a procedimentos da música concreta, como colagens e manipulação de fragmentos sonoros. Na faixa “Porto Alegre (Nos braços do Calipso)”, faz um jogo de palavras, referindo-se simultaneamente à Calipso – na mitologia grega, uma ninfa do mar – e ao ritmo caribenho que serve de base para essa canção.

Em Frevox (2013), o compositor aprofunda o diálogo com músicos brasileiros da nova geração, como seu filho Leo Cavalcanti (1984), Karina Buhr (1974) e Tulipa Ruiz (1978). As cantoras também participam do CD Mulheres de Péricles (2013), realizado pelo DJ Zé Pedro (1970), com curadoria da produtora Nina Cavalcanti, filha do compositor. Sem a intervenção de Péricles, o trabalho compila músicas de várias fases da carreira do artista, com assinaturas de 17 intérpretes, conectadas pela própria polifonia e multiplicidade do repertório. Em Clássicos Daora (2019), o compositor faz uma releitura de temas clássicos que remetem à origem da canção como forma de expressão, como em “Moinhos e Moças”, feita com base em um poema de autor grego anônimo do século I a.C. O disco traz pela primeira vez a participação de Gal Costa, em “Karaokê Total”, e Gilberto Gil, em “O Velho Lenhador e a Morte”, em seus trabalhos autorais.

Gravada por intérpretes de três gerações da MPB, a obra de Péricles Cavalcanti é eclética e aberta a experimentações, sintetizando de maneira intuitiva elementos dispersos na canção popular.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 2

Abrir módulo

Mesas redondas 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo
  • ANTUNES, Arnaldo. Mulheres de Péricles. In: ARNALDO ANTUNES. Site Oficial do Artista. [S.l.], 10 dez. 2012. Disponível em: https://arnaldoantunes.com.br/new/sec_news_list.php?page=17&id=379. Acesso em: 2 abr. 2020.
  • CAVALCANTI, Nina. Mulheres de Péricles. [Entrevista cedida a] Natacha Cortêz. TPM, [s.l.], 4 out. 2012. Disponível em: https://revistatrip.uol.com.br/tpm/mulheres-de-pericles. Acesso em: 2 abr. 2020.
  • CAVALCANTI, Péricles. Apresentação do álbum Clássicos Daora. Canal oficial do artista, [s.l.], 23 jul. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=O3iynj6_QFQ. Acesso em: 2 abr. 2020.
  • CAVALCANTI, Péricles. Na trilha de Péricles Cavalcanti. [Entrevista cedida a] Carlos Adriano. Trópico, São Paulo, [s.d.].
  • CAVALCANTI, Péricles. Péricles Cavalcanti no Cultura Livre. [Entrevista cedida a] Roberta Martinelli. Cultura Livre, [s.l.], 11 fev. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QMNqxp5gQPc. Acesso em: 2 abr. 2020.
  • CAVALCANTI, Péricles. Péricles Cavalcanti – série +70 (2017). [Entrevista cedida a] série +70. Itaú Cultural, São Paulo, mai. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QZZURQPZ60I. Acesso em: 6 abr. 2020.
  • FERREIRA, Mauro. Péricles Cavalcanti celebra tenacidade na velhice, com Gilberto Gil, em blues de disco autoral. G1, 2 ago. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/pop-arte/musica/blog/mauro-ferreira/post/2019/08/02/pericles-cavalcanti-celebra-tenacidade-na-velhice-com-gilberto-gil-em-blues-de-disco-autoral.ghtml. Acesso em: 4 abr. 2020.
  • GARCIA, Lauro Lisboa. A estreia de um poeta das canções. O Estado de S. Paulo, 18 ago. 1991, p. 158. Caderno 2.
  • GARCIA, Lauro Lisboa. Péricles Cavalcanti faz dois em um. O Estado de S. Paulo, 28 jul. 2004, p. 38. Caderno 2.
  • GARCIA, Lauro Lisboa. Um “Rei da Cultura” ao contrário. O Estado de S. Paulo, 18 mai. 2007, p. 55. Caderno 2.
  • HAM-LET. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1993]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • RENNÓ, Carlos. Sobre as ondas. Release do disco homônimo (Radical) de Péricles Cavalcanti, de 1995. In: ______. O voo das palavras cantadas. São Paulo: Dash, 2014.
  • VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: