Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Newton Moreno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.09.2019
14.12.1968 Brasil / Pernambuco / Recife
Newton Fábio Cavalcanti Moreno (Recife, Pernambuco, 1968). Autor, diretor e ator. Radicado em São Paulo desde 1990, desponta a partir de 2000, especialmente no âmbito da escrita teatral. Sua dramaturgia tem influências da cultura popular e compreende temas de impacto em torno do homoerotismo, tônica atemporal que transita entre o campo e a cidade.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Newton Fábio Cavalcanti Moreno (Recife, Pernambuco, 1968). Autor, diretor e ator. Radicado em São Paulo desde 1990, desponta a partir de 2000, especialmente no âmbito da escrita teatral. Sua dramaturgia tem influências da cultura popular e compreende temas de impacto em torno do homoerotismo, tônica atemporal que transita entre o campo e a cidade.

É dirigido por artistas como João das Neves (1934-2018), Maria Thaís (1960) e Marcio Aurelio (1948) durante a formação como ator na Universidade Estadual de Campinas  (Unicamp), concluída em 1995. Na década seguinte, concilia criações e estudos de pós-graduação na Universidade de São Paulo (USP): conclui mestrado em 2003 e ingressa no doutorado em 2007. Figura entre os autores brasileiros que realizam intercâmbio numa das principais instituições mundiais de fomento à dramaturgia, The Royal Court Theatre, Londres, em 2005.

O ambiente da Unicamp dá origem à companhia Os Fofos Encenam, da qual é um dos fundadores, em 2000. A profissionalização do grupo ocorre com a direção de seu primeiro texto, Deus Sabia de Tudo e Não Fez Nada, em 2001. São cinco esquetes cômicos de amor entre homens, às vezes como crítica à discriminação. Um dos quadros fictícios dá conta do que teria sido a primeira relação homossexual no Brasil, entre um índio e um português.

Em paralelo à companhia, a peça curta Dentro é apresentada na Mostra de Dramaturgia Contemporânea do Sesi, com direção de Nilton Bicudo (1966), em 2002. No poema dramático, conforme o autor, um homem rememora a paixão por um garoto na infância. A estudiosa Sílvia Fernandes (1953) analisa a representação do amor gay: "A peça explora a complexidade de relacionamentos e práticas homoeróticas na narrativa polêmica de um 'fist-fucking', aproximando-se de Jean Genet em Nossa Senhora das Flores, na combinação de primitivo e simbólico e na mistura de carne e alma que resultam numa síntese poética do comportamento marginal e da vida de riscos".1

A peça de maior repercussão é a quarta a ser encenada, Agreste, direção de Marcio Aurelio, em 2004. Ganha os prêmios Shell de Teatro e Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA), ambos por melhor texto. O projeto é da companhia Razões Inversas, capitaneada por seu ex-professor Marcio Aurelio. A sexualidade manifesta retorna à cena para expor mecanismos de supressão do outro, do "diferente", numa narrativa sofisticada que equilibra o épico político e o imaginário popular.

O pesquisador Antônio Rogério Toscano situa o experimento formal do texto: "Marcio Aurelio encontrou em Newton Moreno um vetor poderoso de continuidade para sua pesquisa que atravessa décadas. O tom regionalista da fala e as 'incelenças' a serem cantadas no enterro sertanejo foram peneirados pelo formalismo extremado do jogo dos atores. Texturas cênicas foram criadas com linhas e pesos, evidenciaram os aspectos cruéis da narrativa e uma outra escritura, grafada no espaço e no tempo, nos sons e nas luzes, desdobrou-se do desejo original da fábula homoerótica de Newton Moreno. Texto-material, esboço: o desejo está no centro gravitacional da dramaturgia do autor".2

Escrita como resultado de pesquisa financiada pela extinta Fundação Vitae, Assombrações do Recife Velho marca o retorno ao berço, em 2005. Ele próprio dirige Os Fofos na livre adaptação da obra homônima do sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987). São personagens populares que contam histórias de fantasmas e de figuras sobre-humanas (Lobisomem, Papa-Figo, Boca-de-Ouro, etc.), sempre evocadas numa atmosfera de humor e mistério.

Nos projetos paralelos, colabora para a segunda das três peças que compõem Západ, A Tragédia do Poder, da Companhia Balagan, dirigida por Maria Thaís, recorrendo ao imaginário arquetípico e alegórico em torno das personagens de Ivan, o Terrível e a Rainha Elizabeth; e em A Refeição, direção de Denise Weinberg (1956), e VemVai – O Caminho dos Mortos, de Cibele Forjaz (1966), com a Cia. Livre, o autor sublinha o caráter antropofágico de sua obra; descola-a do domínio homoerótico e aponta a lupa para outras entranhas da condição humana, todas montagens de 2007. Ainda nesse ano, escreve, em colaboração com Alessandro Toller e o Núcleo Experimental do Sesi, Fronteiras, e assina também a direção.

Newton Moreno também tem atividades como ator, tendo participado de Senhorita Else, de Arthur Schnitzler (1862-1931), 1997; O Maligno Baal, de Bertolt Brecht (1898-1956), 1998; e A Arte da Comédia, de Eduardo De Filippo (1900-1984), 1999, todas produções do grupo Razões Inversas, com direção de Marcio Aurelio. Em 2000, é a única figura masculina a integrar o elenco de Sacromaquia, de Antonio Rogério Toscano, outra produção da Companhia Balagan e, em 2003, está em A Mulher do Trem, de Maurice Hennequin e George Mitchell, espetáculo da companhia Os Fofos Encenam.

Notas

1. FERNANDES, Sílvia. Subjetividade, paródia e polêmica dominam novo ciclo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 23 de junho de 2002. Ilustrada.

2. TOSCANO, Antônio Rogério. Agreste: uma dramaturgia desejante. Sala Preta, São Paulo, n. 4, p. 105-113. 28 nov. 2014. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v4i0p105-113 >. Acesso em: 05 jun. 2019.

Eventos relacionados 32

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Newton Moreno - Série Encontra - Arte 1 (2019)
Newton Moreno recebe em sua casa-escritório Gisele Kato e apresenta seu trabalho no teatro, com o grupo Os Fofos, suas referências na literatura e a organização nesse espaço híbrido. Comenta, também, sobre a tensão envolvida em uma estréia e como aprendeu a lidar com ela.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: André Santos

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • AGRESTE. Programa do espetáculo, 2004.
  • Catálogo do Espaço Os Fofos Encenam - 2008.
  • FERNANDES, Sílvia. Subjetividade, paródia e polêmica dominam novo ciclo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 23 de junho de 2002. Ilustrada.
  • MORENO, Newton. [Currículo]. Enviado pelo artista em: maio de 2007.
  • Programa do Espetáculo - As Centenárias - 2007.
  • Programa do espetáculo - Deus Sabia de tudo e não fez nada.
  • TOSCANO, Antônio Rogério. Agreste: uma dramaturgia desejante. Sala Preta, São Paulo, n. 4, p. 105-113. 28 nov. 2014. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v4i0p105-113 >. Acesso em: 05 jun. 2019

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: