Artigo da seção pessoas Jean-Pierre Chabloz

Jean-Pierre Chabloz

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deJean-Pierre Chabloz: 1910 Local de nascimento: (Suíça / Lausanne) | Data de morte 1984 Local de morte: (Brasil / Ceará / Fortaleza)

Biografia
Jean-Pierre Chabloz (Lausanne, Suíça 1910 - Fortaleza CE 1984). Pintor, desenhista, crítico de arte, músico, professor e publicitário. Entre 1929 e 1932, estuda na Escola de Belas Artes de Genebra, Suíça. Forma-se em 1938 pela Accademia Belle Arti di Brera, Milão. Em 1940, por causa da guerra, transfere-se para o Rio de Janeiro com a família. Freqüenta o núcleo artístico da Pensão Mauá, localizada em frente à casa de seus sogros. Expõe no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 1943, é convidado a trabalhar em Fortaleza, na campanha da borracha, parte do esforço de guerra. Expõe no 1º Salão de Abril e, em seguida, organiza uma mostra individual. Participa da Associação Cultural Franco-Brasileira do Ceará e da Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Incentiva os artistas locais e publica uma coluna cultural no jornal cearense O Estado. Faz recitais de violino e dá aulas de música. Em 1945, volta ao Rio de Janeiro e expõe na galeria Askanasy com artistas cearenses, inclusive Chico da Silva (1910 - 1985), pintor que Chabloz descobre e divulga. Em 1948, novamente em Fortaleza, expõe no 4º Salão de Abril. Depois parte para a Europa e só retorna a Fortaleza em 1960. Vive em Niterói a partir de 1970. Morre em Fortaleza, durante uma estada na cidade. Seu acervo é doado ao Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará - MAUC e à Secretaria de Cultura do Estado do Ceará. Em 2003, a Galeria Multiarte, Fortaleza, expõe pinturas e desenhos seus.

Comentário crítico
Chabloz pinta e desenha principalmente paisagens e retratos, com preferência pelos últimos. Os temas são aqueles do seu ambiente: no Ceará, a natureza ou as cidades e os tipos que considera locais. É sempre figurativo. O crítico Ruben Navarra, seu contemporâneo, diz que o pintor não se preocupa em parecer moderno,1 característica que hoje nos salta aos olhos.

Em um artigo sobre Chabloz publicado por ocasião da exposição individual do pintor na Galeria Casa e Jardim, São Paulo, em 1942, o crítico e historiador Lourival Gomes Machado afirma que a característica primordial de Chabloz é ser um pintor que pensa, sugerindo provavelmente que ele foi mais intelectual do que pintor.2 E, de fato, sua trajetória no Brasil não poderia se resumir apenas à sua produção artística. Chabloz, em seus escritos e palestras, se mostra duro crítico do academicismo e dos estilos que o Brasil importa. Em artigo que publica na revista Clima,3 ele expõe as causas do que identifica como um problema na pintura brasileira. Uma dessas causas, além dos fatores naturais e psicológicos, é a adoção do neoclassicismo da Missão Artística Francesa, que ele explica em parte por uma falta de confiança dos artistas em si mesmos.

Mas o racionalismo é apenas parte da atividade extra-artística de Chabloz. Sua principal contribuição é de ordem mais prática. Em primeiro lugar, produz cartazes publicitários, nos quais alia um desenho que tende ao art déco a um preenchimento de cor claramente não industrial, seja lápis, pastel ou pintura.4 O fato de não expor esse trabalho, separando-o de sua produção artística, mostra um apego à hierarquização acadêmica dos gêneros, minimizando seu antiacademicismo. Em segundo lugar e mais fundamentalmente, Chabloz incentiva o encontro entre artistas, promove exposições, palestras e recitais, desenvolvendo a vida cultural, principalmente de Fortaleza. Nessa cidade, conhece Mário Barata (1915 - 1983), Aldemir Martins (1922 - 2006), Antônio Bandeira (1922 - 1967), Raimundo Cela (1890 - 1954) e outros artistas que participam da Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP e dos Salões de Abril. É um dos expositores, junto com Inimá de Paula (1918 - 1999), Raimundo Feitosa e Antônio Bandeira, na galeria Askanasy do Rio de Janeiro, em 1945, onde apresenta os primeiros guaches de Chico da Silva (1910 - 1985), pintor que ele em seguida divulga pela Europa.


Notas
1 CHABLOZ, Jean-Pierre. Jean-Pierre Chabloz; pinturas e desenhos. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 2003. pp.11-12.
2 MACHADO, Lourival Gomes. As intenções de Chabloz. Clima, São Paulo, n. 9, 1942.
3 CHABLOZ, Jean-Pierre. O Brasil e o Problema Pictural. Clima, São Paulo, n.º 8, 1942. Chabloz desenvolve suas idéias também em outros escritos e, particularmente, em seu livro Revelação do Ceará. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1993.
4 GONÇALVES, Adelaide; EYMAR, Pedro. Mais Borracha para a Vitória. Fortaleza: Edições Nudoc, 2008.

Outras informações de Jean-Pierre Chabloz:

  • Outros nomes
    • Jean Pierre Chabloz
  • Habilidades
    • Publicitário
    • Pintor
    • desenhista
    • crítico de arte
    • Cartazista
    • músico
  • Relações de Jean-Pierre Chabloz com outros artigos da enciclopédia:

Exposições (25)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (14)

  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • CATÁLOGO geral do acervo de documentos: objetos do Museu de Arte Assis Chateaubriand - UEPB. Campina Grande: Museu de Arte Assis Chateaubriand, 1993. 120 p., il. p&b. PBmaac 1993
  • CHABLOZ, Jean- Pierre. Revelaçao do Ceará. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1993. 202 p. 981.31 C427r
  • CHABLOZ, Jean-Pierre. Revelação do Ceará. Tradução Francisco de Assis Garcia; tradução Italo Gurgel, Maria de Fátima Ramos Viana, Teresa Maria Frota Bezerra; apresentação Estrigas. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1993. 202 p.
  • CHABLOZ, Jean-Pierre. Jean-Pierre Chabloz: pinturas e desenhos. Texto de Max Perlingeiro. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 2003. 72 p., il. color. Não catalogado
  • CHABLOZ, Jean-Pierre. O Brasil e o Problema Pictural. Revista Clima, São Paulo, n. 8, 1942. Não catalogado
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MACHADO, Lourival Gomes. As intenções de Chabloz. Revista Clima, São Paulo, n. 9, 1942. Não catalogado
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. R703.0981 P818d
  • SILVA, Chico da. Chico da Silva vê Chabloz vê Chico da Silva. Apresentação Dodora Guimarães; texto Jean-Pierre Chabloz, Giuseppe Baccaro, Estrigas, Aldemir Martins; curadoria Dodora Guimarães, Vera Galvão, Roselina Simplício; fotografia José Albano. Fortaleza: Centro Cultural do Abolição, 2001. [18] p., il. p&b color.
  • SILVA, Chico da. Chico da SILVA vê Chabloz vê Chico da SILVA. Fortaleza: Centro Cultural do Abolição, 2001. [18] p., il. p&b color. S5865c 2001
  • TEMPOS de guerra: Hotel Internacional / Pensão Mauá. Curadoria Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1986. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro). RJbanerj 1986/t
  • TEMPOS de guerra: Hotel Internacional / Pensão Mauá. Curadoria Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1986. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro).

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JEAN-PIERRE Chabloz. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa4272/jean-pierre-chabloz>. Acesso em: 08 de Dez. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7