Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Celso Borges

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.07.2021
18.05.1959 Brasil / Maranhão / São Luís
Antonio Celso Borges de Araújo (São Luís, Maranhão, 1959). Poeta e jornalista. Desde a adolescência interessa-se por música popular brasileira e poesia, que começa a escrever aos 16 anos. Aos 22, publica em edição independente seu primeiro livro de poemas, Cantanto. Em 1989, muda-se para São Paulo, onde vive até 2009, quando retorna para a cidad...

Texto

Abrir módulo

Antonio Celso Borges de Araújo (São Luís, Maranhão, 1959). Poeta e jornalista. Desde a adolescência interessa-se por música popular brasileira e poesia, que começa a escrever aos 16 anos. Aos 22, publica em edição independente seu primeiro livro de poemas, Cantanto. Em 1989, muda-se para São Paulo, onde vive até 2009, quando retorna para a cidade natal.

Durante os 20 anos em que vive na capital paulista, Borges intensifica a pesquisa, já presente nos primeiros livros, sobre as relações entre música popular e poesia. Publica uma trilogia de livros-CDs: XXI (2000), Música (2006) e Belle Époque (2010). Seus poemas são acompanhados de CDs com releituras de seus escritos por compositores, músicos e poetas brasileiros. No final dos anos 2000, passa a se apresentar em festivais de poesia e música em parceria com o DJ Otávio Rodrigues, levando para os palcos, em formato de espetáculo experimental, as relações entre música, poesia e artes visuais que busca integrar em sua obra.

Análise

Desde o fim da década de 1990 a obra de Celso Borges dedica-se à pesquisa sobre as relações entre poesia, música e artes visuais. Tais relações já são exploradas nos primeiros livros do autor, como Cantanto e Nenhuma das Respostas Anteriores (1996), mas são intensificadas a partir do lançamento do livro-CD XXI. Nestas obras, Borges reflete sobre os limites do gênero lírico, explorando a disposição gráfica dos poemas, sondando os múltiplos sentidos dos signos que os compõem e muitas vezes abandonando o verso tradicional – neste sentido, pode-se dizer que sua poesia aproxima-se da poesia concreta.

Tal aproximação torna-se evidente quando nos debruçamos sobre o livro Belle Époque, no qual a maioria dos poemas apresenta ênfase na paranomásia (“o site cedo me sitia”, verso do poema Urbano), concisão vocabular, ausência de pontuação e uso mínimo de verbos – em poemas como Depois de uma Porta e Silicone nos Cotovelos verificam-se todas as características citadas. Além disso, observa-se o uso inventivo da tipografia já na capa do volume.

Borges também explora a sonoridade dos poemas por meio da pesquisa de suas relações com a música popular: os livros-objetos que compõem a trilogia são acompanhados de CDs nos quais poetas, compositores e músicos releem e interpretam os poemas de diversas maneiras, aproximando-os de tradições diferentes, de acordo com cada intérprete. Assim, sua poesia é constituída do cruzamento entre experimentalismo estético (ligado, sobretudo, à influência da poesia concreta) e da música enraizada na cultura popular.

Eventos relacionados 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • BORGES, Celso. Belle époque. São Luís: Pitomba, 2010.
  • BORGES, Celso. Música. Curitiba: Medusa, 2006.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: