Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlos Praude

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.09.2017
22.02.1963 Brasil / Goiás / Anápolis
Registro fotográfico Sérgio Guerini/Itaú Cultural

Imaginário Espacial, 2005
Carlos Praude

Carlos Praude (Brasília, Distrito Federal, 1963), pesquisador, professor e teórico de artes visuais e eletrônica. Tem experiência no desenvolvimento de sistemas de informação para dispositivos em artes visuais e cênicas. Em 1985, gradua-se em tecnologia em processamento de dados na Universidade Católica de Brasília (UCB). Nos anos seguintes, pre...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Carlos Praude (Brasília, Distrito Federal, 1963), pesquisador, professor e teórico de artes visuais e eletrônica. Tem experiência no desenvolvimento de sistemas de informação para dispositivos em artes visuais e cênicas. Em 1985, gradua-se em tecnologia em processamento de dados na Universidade Católica de Brasília (UCB). Nos anos seguintes, presta serviços de consultoria para construção de softwares. Em 2001, em São Paulo, conclui a pós-graduação em qualidade no desenvolvimento de software, pela Faculdade Senac de Ciências Exatas e Tecnologia. 

A partir de 2005, inicia trajetória nas artes visuais e participa da exposição coletiva Cinético_digital, realizada pelo Itaú Cultural, em São Paulo. No mesmo ano, cursa linguagem e mídias eletrônicas na Universidade de Brasília (UnB). Nas pesquisas em arte, Praude estabelece vínculos entre composição imagética e animação sistematizada. Fruto dessa investigação é a obra Imaginário Espacial, que participa do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File) de 2006, em São Paulo. No mesmo ano, o trabalho Quadro Sonoro é selecionado para o prêmio Rumos Itaú Cultural, na área de arte e tecnologia. A obra é uma instalação interativa que, usando as propriedades da cor, elabora e apresenta desenhos sonoros.

Em 2007, participa da exposição Arte Computacional e Pesquisa, que faz parte do 6o Encontro Nacional de Arte e Tecnologia (#6.ART), realizado na Universidade de Brasília. No mesmo ano, vence o 7o Prêmio Sergio Motta, na categoria Bolsa Fomento, com a obra Híbridos, instalação interativa que captura sons, imagens e gestos do usuário, traduzindo-os em composições sonoras. Novamente, questões entre a cor e os cálculos de frequência e de tempo de duração do som são organizados para possibilitar a manipulação do desenho no espaço. Em 2009, participa da exposição coletiva Capital Digital: Arte, Ciência e Tecnologia, realizada em João Pessoa, Paraíba.

Em 2010, Praude torna-se mestre em arte computacional e experiência estética, pela Universidade de Brasília. No mesmo ano, participa do 4o Mobilefest – Festival Internacional de Criatividade Móvel, realizado no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo (MIS/SP) –, com a obra  BlueNote. Em 2015, torna-se doutor em arte contemporânea pela UnB, com tese sobre a arte computacional e a teoria ator-rede.

Análise

Carlos Praude realiza pesquisas em teoria da sistematização de informações e experiência estética e desenvolve trabalhos em linguagens como instalação, performance e audiovisual. O professor e pesquisador traz, em sua trajetória prático-teórica, o desenvolvimento de sistemas híbridos como modo de representação do espaço, da cor, do som e das imagens criadas pelo do cruzamento de informações. A obra Quadro Sonoro, selecionada em 2006 pelo Prêmio Rumos Itaú Cultural, é um exemplo desses sistemas híbridos, uma vez que cria, de maneira interativa, desenhos sonoros. As propriedades de cor e a área de cada desenho são os elementos que servem de parâmetro para os cálculos de amplitude, frequência e duração do som emitido na instalação. 

Nessa mesma linha, Carlos propõe, como mestrado, pesquisa sobre arte computacional e experiência estética. Tal estudo possibilita que arte e filosofia ganhem importância em seus trabalhos posteriores, para além das plataformas de informações sobre sistemas e softwares. Ao estabelecer vínculos com a narrativa de teóricos das novas mídias artísticas, Praude investiga a confluência dos processos criativos com o fazer artístico, por meio da programação de computadores. 

Com base na visão poética de filósofos como o francês Gaston Bachelard (1884-1962), Carlos Praude cria eixos de pesquisa que conectam o espaço onírico da imaginação a uma instalação interativa. Dentro desse universo que pretende reconfigurar informações, cria a instalação BlueNote, apresentada no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo (MIS/SP). Nela, propõe que o público compartilhe, via bluetooth, uma quantidade imensa de informações, captadas pela rede sem fio. As informações e os aparelhos encontrados têm os nomes e códigos de identificação transformados em sete diferentes notas musicais. Essas notas, por sua vez, acendem lâmpadas LED e incandescentes, distribuídas homogeneamente em um espaço circular. Ao executar um som, as notas musicais propiciam que o público veja a imagem geométrica criada a partir de informações presentes no espaço expositivo.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: