Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Flávio Motta

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2017
02.10.1923 Brasil / São Paulo / São Paulo
08.07.2016 Brasil / São Paulo / São Paulo
Flávio Lichtenfels Motta (São Paulo, São Paulo, 1923 - idem, 2016). Professor, historiador da arte, desenhista e pintor. No fim dos anos 1930, começa a desenhar e fazer esculturas no ateliê do escultor José Cucê, na época presidente do Sindicato dos Artistas Plásticos, e conhece vários artistas. Na década seguinte, frequenta os ateliês de Joaqui...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Flávio Lichtenfels Motta (São Paulo, São Paulo, 1923 - idem, 2016). Professor, historiador da arte, desenhista e pintor. No fim dos anos 1930, começa a desenhar e fazer esculturas no ateliê do escultor José Cucê, na época presidente do Sindicato dos Artistas Plásticos, e conhece vários artistas. Na década seguinte, frequenta os ateliês de Joaquim Figueira, Mário Zanini, Raphael Galvez e Sylvio Alves, entre outros. Divide um ateliê na avenida São João com Raphael Galvez, Sylvio Alves e Odetto Guersoni. Forma-se em filosofia na Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo - USP. Começa a lecionar história da arte. Em 1949, com os artistas Bonadei, Nelson Nóbrega, Alfredo Volpi, Waldemar da Costa e Waldemar Amarante, cria a Escola Livre de Artes Plásticas, de curta duração. No final do anos 1950, cria o curso de formação para professores do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, que é posteriormente transferido para a Fundação Armando Álvares Penteado - Faap. Torna-se professor de história da arte e estética no departamento de história da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, onde auxilia o arquiteto e professor Vilanova Artigas na reformulação do currículo escolar. Participa ativamente do debate político que envolve os arquitetos da FAU/USP e publica textos de história da arte. Em 1965, expõe pinturas no Masp e desenhos na Galeria Goeldi, Rio de Janeiro. Em 1967, na esquina da rua Augusta com a avenida Brasil, São Paulo, faz uma intervenção com Nelson Leirner, em que eles ostentam bandeiras regionais e de futebol. São reprimidos pela polícia, mas repetem a intervenção no Rio de Janeiro, com outros artistas. Em 1973, Flávio expõe na galeria Grupo B, Rio de Janeiro. Ganha o prêmio de arte-comunicação da Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA em 1975, pelos painéis realizados no Elevado Costa e Silva.

Comentário Crítico
Flávio Motta começa pintando retratos e paisagens ao ar livre, em que figuram temas campestres como pastos, pequenas casas, gado, árvores e riachos. Sua produção dessa época se aproxima das paisagens de Raphael Galvez (1907 - 1998) e Francisco Rebolo (1902 - 1980), entre outros. A pincelada é livre e o traço é pouco marcado. A cor é aplicada por manchas e as tonalidades são rebaixadas. Nessas pinturas, a preocupação com a paleta não permite que seu desenho encontre a melhor expressão: nem tudo convence nas proporções e a cor é muito uniforme.

É nos desenhos, quando acentua a linha pura, que se destaca. Em Redondo Quadrado, de 1941, as formas estão trocadas: a natureza (árvores, por exemplo) é quadrada e a produção humana (casas, por exemplo) é redonda. Encontramos a ironia e o uso muito particular da linha, ao mesmo tempo preciso e irônico, que vemos em obras posteriores, como nos cadernos de desenhos Aluno sem Perspectiva Procura Ponto de Fuga e Homem sem Perspectiva Encontra Ponto de Fuga e desenhos como O Gato - Sem Dúvida, dos anos 1970. Como a historiadora Ana Maria Belluzzo observa, Motta persegue a reta e a curva com o humor de Alexander Calder (1898 - 1976) e a sinceridade de Paul Klee (1879 - 1940)1.

A afinidade com a linha e o desenho certamente ajuda a levá-lo a exercer o magistério na  FAU/USP, pois a arquitetura não tem relação com a cor e o preenchimento, mas sim com o projeto e o fazer construtivo. A importância do fazer para o artista se manifesta já na época da Escola Livre de Artes Plásticas. Ele considera que a arte não pode ser ensinada no sentido tradicional do termo e, por isso, quer que os alunos aprendam a resolver problemas na prática, com o mínimo de teorização. Na FAU/USP, liga-se a Vilanova Artigas (1915 - 1985) e participa da reforma do ensino, trazendo novos métodos e interdisciplinaridade ao currículo.

Engaja-se nos debates políticos do período. Alinha-se a Vilanova Artigas, Oscar Niemeyer (1907) e Paulo Mendes da Rocha (1928), cuja atuação defende contra as críticas feitas por Sérgio Ferro (1938), Flávio Império (1935 - 1985) e Rodrigo Lefèvre (1938 - 1984). Estes condenam o otimismo e o apoio de seus professores ao desenvolvimentismo brasileiro que, além de não atingir os objetivos sociais almejados, vincula-se à ditadura. Motta defende uma arquitetura e urbanismo que não se baseiem em desenvolvimentos pressupostos, como considera ser o caso de Brasília.

Em 1970, explicita sua posição ao publicar dois textos em que, por um lado, reafirma seu comprometimento com o projeto moderno dos anos 1940 e 1950 e, por outro, exalta os valores universais da arte2. Ao narrar a formação do Brasil, no texto Introduzione al Brasile, descreve a coincidência entre o desenvolvimento industrial brasileiro e as aspirações populares e lembra a legislação social avançada e a implantação da indústria de base obtidas durante o Estado Novo Ao final, como contraponto necessário a esse pronunciamento feito no auge do Golpe Militar de 64, afirma que, independentemente de sua funcionalidade, Brasília demonstra a consciência política presente na formação do arquiteto3. Defende o projeto de Paulo Mendes da Rocha para o pavilhão brasileiro na exposição Expo'70, ressaltando seu caráter humanista e transcendente e enfatizando valores universais, como se fossem a maneira de lidar com a realidade política imediata do país, sem abrir mão dos ideais políticos.4

A atividade política e acadêmica de Motta na FAU/USP é seu principal legado. Em seus estudos de história da arte, investiga a relação entre arquitetura, industrialização e sociedade, interessando-se pelo art nouveau. Seus textos quase sempre tratam de temas ligados ao modernismo, tais como A época do SPAM, de 1953; uma introdução à Família Artística Paulista, de Mário de Andrade, de 1971; Paulo Mendes da Rocha, de 1967; e Trabalho de um Pintor: Portinari, de 1972.

Notas
1 BELLUZZO, A. M., in Depoimentos sobre Flávio Motta, Caramelo, n. 6, p. 41-53, ago. 1993.
2 ALVES, A. A. A. Arquitetura e sociedade em São Paulo 1956 - 1968: projetos de Brasil moderno. 2003. 311 f. Dissertação (mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, São Paulo. 2003, p. 172 e s.
3 MOTTA, F. L. Introduzione al Brasile. Zodiac. n. 6, p. 61-67, 1958/59.
4 MOTTA, F. L. Arquitetura brasileira para a Expo 70'. Acrópole, São Paulo, n. 372, p. 25-26, abr. 1970.

Exposições 26

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 25

Abrir módulo
  • ALVES, A. A. A. Arquitetura e Sociedade em São Paulo 1956 - 1968: projetos de Brasil moderno. 2003. 311 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, São Paulo. 2003.
  • ARTE suporte computador. Organização Solange Lisboa e Antonio Ruete. São Paulo: Casa das Rosas, 1997.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Rio de Janeiro: Spala, 1992. 2v.
  • DEPOIMENTOS sobre Flávio Motta. Caramelo, n. 6, p. 41-53, ago. 1993.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • IMPÉRIO, Flávio. Flávio Império em cena. Curadoria Gláucia Amaral, Renina Katz. São Paulo: SESC SP, 1997.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LISBOA, Solange (coord.); VENDRAMINI, Cláudia (coord.). Iconoclastias culturais. Apresentação José Roberto Aguilar; projeto gráfico Fernanda Sarmento. São Paulo: Casa das Rosas, 1998. 32 p., il. color.
  • MATRIZES, filiais e companhias. São Paulo: Sesc Dr. Vila Nova, 1979.
  • MOTTA, F. L. A família artística paulistana. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. n. 10, p. 137-154, 1971.
  • MOTTA, F. L. A época do SPAM. Habitat, v. 11, p. 49-60, jun. 1953.
  • MOTTA, F. L. Apontamentos de história da arte: o sorriso da Gioconda. Tradução de texto escolhidos por Maria Stella de Castilho e Marina Rappa. São Paulo: FAU, 1963. (Publicação, 6).
  • MOTTA, F. L. Arquitetura brasileira para a Expo'70. Acrópole, São Paulo, n. 372, p. 25-26, abr. 1970.
  • MOTTA, F. L. Art Nouveau: um estilo entre a flor e a máquina. Cadernos brasileiros, v. 28, n. 2, p. 54-63, mar./abr. 1965.
  • MOTTA, F. L. Contribuição ao estudo do Art Nouveau no Brasil. São Paulo, 1957. 83 p. Tese (Cátedra) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU/USP, 1957.
  • MOTTA, F. L. Introdizione al Brasile. Zodiac. n. 6, p. 61-67, 1958/59.
  • MOTTA, F. L. Paulo Mendes da Rocha. Acrópole, São Paulo, n. 343, p. 17-18, set 1967.
  • MOTTA, F. L. São Paulo e o Art Nouveau. Habitat, n. 10, p. 3-18, 1953.
  • MOTTA, F. L. Trabalho de um pintor: Portinari. São Paulo, 1972. (Separata da Revista de História, 90).
  • Nota de falecimento do professor Flávio Motta. Disponível em: < http://www.iabsp.org.br/?noticias=nota-de-falecimento-do-professor-flavio-motta >. Acesso em: 24 fevereiro 2017.
  • OS GRUPOS: a década de 40. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1977. (Ciclo de Exposições de Pintura Brasileira Contemporânea).
  • Ribeiro, Ana Carolina Carmona. Reconstrução da História e Projeto Moderno em Flávio Motta. 01 dez 2010, Dissertação - Universidade de São Paulo (USP), Escola de Cominicação e Artes (ECA). BIbioteca Digital USP: Teses e Dissertações, São Paulo, <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27160/tde-12122010-174750/pt-br.php >. 29 maio de 2012.
  • UMA amizade e um atelier: Raphael Galvez e Flávio Motta. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1978. (Ciclo de Exposições de Momentos da Pintura Paulista).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: