Artigo da seção pessoas Luisa Duarte

Luisa Duarte

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deLuisa Duarte: 05-07-1979 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Luisa Magoulas de Castro Duarte (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979). Crítica de arte e curadora independente. Seu trabalho gira em torno do exercício teórico e prático, sendo um complementar ao outro. Faz parte de uma geração que colabora ativamente para a profissionalização do campo da curadoria no Brasil.

Gradua-se em comunicação social com ênfase em jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) em 2002. Filha do crítico de arte Paulo Sergio Duarte (1946), cresce rodeada por artistas como Tunga (1952-2016), Jac Leirner (1961) e Antonio Dias (1944-2018), mas é do encontro com artistas de sua geração como Matheus Rocha Pitta (1980), Laís Myrrha (1974), Marilá Dardot (1973), que elabora suas questões e passa a construir uma voz singular no campo da crítica de arte. 

De 2009 a 2018 colabora como crítica de arte para o jornal O Globo, onde publica diversos artigos sobre a produção de arte contemporânea local e internacional. Seus primeiros textos são lidos pela curadora Lisette Lagnado (1961), que lhe dá feedbacks a fim de aprimorar o ritmo, a síntese e a precisão de sua escrita. É com Lagnado e outras três curadoras, Aracy Amaral (1930), Cristiana Tejo (1976) e Marisa Mokarzel (1949), que Luisa integra o projeto Rumos Itaú Cultural Artes Visuais 2005-2006, momento em que começa a trabalhar de forma mais consistente no campo da curadoria.  

Conclui seu mestrado pela PUC-São Paulo em 2010 com a dissertação Um Copo de Mar para Navegar: Arte nos Anos 2000 sob o Ponto de Vista Pós-Utópico. Em 2011, a pesquisa é transformada na exposição Um Outro Lugar, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). Com 21 artistas participantes, e mais de 40 obras, a exposição busca pensar e reinventar o mundo por meio da linguagem. A curadora propõe a discussão acerca da experiência restrita à percepção imediata do tempo em que vivemos, em que o futuro já não pode mais ser projetado e o passado deve ser constantemente superado. 

É responsável pela organização de seminários e programas públicos, tais como A Bienal de São Paulo e o Meio Artístico Brasileiro – Memória e Projeção, plataforma de debates da 28ª Bienal Internacional de São Paulo, em 2008; e Biblioteca Walter Benjamin, no Museu de Arte do Rio (MAR), em 2015. 

Em 2015, como curadora visitante na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV Parque Lage), realiza a exposição Quarta-feira de Cinzas, que reúne o trabalho de 27 artistas em torno de uma reflexão sobre as consequências de um mundo pós-utópico que tem como marcas a aceleração do tempo, a perda da experiência, e a ruína como símbolo de uma época inconclusa. 

Em 2019, realiza a curadoria da primeira mostra da artista Adriana Varejão (1964) no Nordeste, Adriana Varejão: por uma Retórica Canibal. Apresentada primeiro no Museu de Arte Moderna (MAM) de Salvador e depois no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), em Recife, reúne 25 obras produzidas pela artista entre 1992 e 2018. O recorte curatorial proposto por Luisa enfatiza o interesse de Varejão em explorar uma revisão histórica do colonialismo no Brasil. 

Também em 2019, atua como uma das curadoras convidadas da 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc Video Brasil – Comunidades Imaginadas, e é a curadora responsável pela elaboração dos seminários que acompanham a edição da mostra. Funcionando como uma plataforma discursiva da exposição então em cartaz no Sesc 24 de Maio (São Paulo), a elaboração do programa público é um exercício coletivo de delinear respostas para as urgências políticas, sociais e culturais do mundo atual, e reúne convidados das mais diversas áreas, como a teórica e ativista estadunidense Lucy Lipard (1937), a artista Rosana Paulino (1967) e a psicanalista Maria Rita Kehl (1951). Como resultado dessa programação, Luisa organiza a publicação Livro de Leituras: Comunidades Imaginadas, que conta com 14 ensaios escritos exclusivamente para o seminário.

Ao lado do curador Adriano Pedrosa (1965), organiza em 2014 o livro ABC – Arte Brasileira Contemporânea, que conta com entrevistas feitas com 86 artistas nascidos entre 1960 e 1985. Também organiza a publicação Arte Censura Liberdade – Reflexões à Luz do Presente (2018), em que 19 textos de curadores, artistas e críticos de arte discutem as formas de cerceamento como fenômeno global.  

Conclui seu Doutorado em 2020 pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com a tese Entre Olhar a Poeira e a Sobrevivência dos Vaga-lumes – Por Outras Formas de Atenção na Contemporaneidade, em que traça uma paisagem intranquila da contemporaneidade, marcada pelo excesso de tecnologia e informação, que resulta em uma enorme dispersão, e elenca artistas que dialogam de forma crítica com esse cenário. A pergunta que ela propõe é: até que ponto a arte pode ser uma forma de resistência, ajudando a encontrar caminhos onde uma nova forma de imaginação possa significar um território fértil para se pensar outras maneiras de habitar o mundo?   

Para Luisa Duarte, a escrita de crítica de arte e o exercício teórico muitas vezes antecede uma curadoria, funcionando assim como uma tradução no espaço físico de um pensamento vertical de natureza crítica. Desta forma, a curadora busca, ao longo de sua trajetória e na troca constante com artistas e outros pensadores, responder a questões e inquietações que atravessam o cotidiano em que vivemos.

Outras informações de Luisa Duarte:

  • Outros nomes
    • Luisa Magoulas de Castro Duarte
  • Habilidades
    • Crítica de artes visuais
    • Curadora

Exposições (13)

Artigo sobre Um Outro Lugar

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioUm Outro Lugar: 14-07-2011  |  Data de término | 11-09-2011
Resumo do artigo Um Outro Lugar:

Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP)

Artigo sobre Estou Aqui

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioEstou Aqui: 12-12-2011  |  Data de término | 18-02-2012
Resumo do artigo Estou Aqui:

Galeria de Arte Marília Razuk

Eventos relacionados (1)

Fontes de pesquisa (8)

  • CARVALHO, Damiana. Entrevistas – Luisa Duarte curadora de arte. São Paulo, [s.d.]. Disponível em: https://artehall.com.br/entrevistas/curadora-de-arte-luisa-duarte/. Acesso em: 15 mar. 2020.
  • DUARTE, Luisa M. (org.). Arte, Censura, Liberdade – Reflexões À Luz do Presente. 1 ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.
  • DUARTE, Luisa M. (org.). Livro de Leituras: Comunidades Imaginadas. São Paulo: SESC_VideoBrasil.
  • DUARTE, Luisa M. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], 3 ago. 2018. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/0950602841924314. Acesso em: 15 mar. 2020
  • DUARTE, Luisa M. e outros. Um outro lugar. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo: 2011. [Exposição realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo, de 14 jul. a 18 set. 2011.]
  • DUARTE, Luisa M.; PEDROSA, Adriano (org.). ABC: Arte Brasileira Contemporânea. 1 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
  • MARTÍ, Silas. Longe do glamour, nova geração de curadores de museus e galerias tem rotina árdua. Folha de S.Paulo, São Paulo, 7 mai. 2013. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/05/1274113-longe-do-glamour-nova-geracao-de-curadores-de-museus-e-galerias-tem-rotina-ardua.shtml. Acesso em: 15 mar. 2020.
  • RUBIN, Nani. ‘Quarta-feira de Cinzas': pressa e melancolia no Parque Lage. O Globo, Rio de Janeiro, 27 out. 2015. Cultura. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/quarta-feira-de-cinzas-pressa-melancolia-no-parque-lage-17884996. Acesso em: 22 abr. 2020.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LUISA Duarte. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa409974/luisa-duarte>. Acesso em: 15 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7