Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Haroldo Barbosa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.04.2017
21.03.1915 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
05.09.1979 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ary Vidal (Rio de Janeiro, RJ, 1915 - idem 1979). Compositor, jornalista, produtor e diretor de rádio e TV. Com seu nome artístico homenageia o jurista e político Ruy Barbosa. Nasce no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro, e aos sete anos muda-se para o bairro de Vila Isabel, na zona norte da cidade, onde cresce em meio à boemia. Ap...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ary Vidal (Rio de Janeiro, RJ, 1915 - idem 1979). Compositor, jornalista, produtor e diretor de rádio e TV. Com seu nome artístico homenageia o jurista e político Ruy Barbosa. Nasce no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro, e aos sete anos muda-se para o bairro de Vila Isabel, na zona norte da cidade, onde cresce em meio à boemia. Aprende a tocar cavaquinho com Hélio Rosa, irmão de Noel Rosa, juntamente com João de Barro e Almirante. Aos 18 anos, divide seu tempo entre os empregos de contrarregra do Programa Casé, na Rádio Philips, e de repórter do jornal A Noite. Tenta conciliar as tarefas com a faculdade de direito, mas logo desiste do curso. Exerce funções como discotecário, locutor esportivo, arquivista, redator e publicitário na Rádio Transmissora e na Rádio Sociedade, até se transferir para a Rádio Nacional, na época líder de audiência, onde cresce profissionalmente.

Escreve versões de sucessos estrangeiros para serem interpretados por cantores nacionais, produz os primeiros jingles da publicidade brasileira e cria programas de grande apelo popular, como A Canção Romântica (1945), que promove a carreira do cantor Francisco Alves, o “rei da voz”, e Um Milhão de Melodias (com o jornalista José Mauro). Elabora o roteiro de O Grande Teatro, do radialista César Ladeira, outro sucesso da rádio na época. Ainda no início dos anos de 1940, dedica-se ao humorismo escrevendo a coluna de turfe O Pangaré, inicialmente no Diário da Noite e depois no jornal O Globo.

Sua primeira composição de destaque é o samba De Conversa em Conversa (com Lúcio Alves), gravada em 1943 por Isaura Garcia. Seguem-se as canções em parceria com Geraldo Jacques e lançadas pelo grupo vocal Os Cariocas, Tim Tim por Tim Tim e Adeus América. Essa última música, um bem humorado samba de protesto contra a invasão da música estrangeira, provoca sua demissão da Rádio Nacional por seus superiores a considerem subversiva. É contratado pela Rádio Mayrink Veiga, onde comanda os programas Crônica do Mundo, Viva o Samba e Cidade Alegre, ao lado de César Ladeira e Antonio Maria. Mas são seus textos humorísticos que ganham espaço na programação, passando a escrever cinco programas semanais e uma crônica diária. Lá, conhece e incentiva as carreiras de dois jovens humoristas, Chico Anysio e Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta). Nesse mesmo período, compõe a marchinha Barnabé (1948) em parceria com Antonio Almeida, gravada por Emilinha Borba, e o samba Palhaçada (1961) em parceria com Luiz Reis.

Sua estreia na televisão acontece em 1957, na TV Rio, como autor dos programas Chico Anysio Show, Noites Cariocas e E o Riso É o Limite. Em 1963, a convite de Carlos Manga, vai trabalhar na TV Excelsior, criando com Max Nunes o musical Times Square. A parceria se consolida de forma definitiva ao serem contratados pela TV Globo, em 1965, época em que Haroldo Barbosa diminui sua atividade como compositor. A dupla, que trabalha pelos 20 anos seguintes, produz os programas humorísticos Riso Sinal Aberto e Bairro Feliz, reunindo artistas como Berta Loran, Agildo Ribeiro, Grande Otelo e Milton Gonçalves. Max Nunes e Haroldo Barbosa criam também o TV0-TV1, considerado pioneiro na televisão brasileira ao satirizar a própria programação da emissora, linha seguida por outras criações da dupla, como Faça Humor, Não Faça Guerra, Satiricon e Planeta dos Homens. São responsáveis ainda pela criação de vários outros programas que revolucionam o gênero na televisão brasileira na década de 1970 ao fazer um humor mais moderno, como Viva a Música e Oh, Que Delícia de Show. Haroldo Barbosa morre de câncer no Rio de Janeiro em 1979.

Análise

O estilo de fazer samba de Haroldo Barbosa não é o tradicional dos anos de 1940 e 1950, o samba de partido alto ou o do morro, mais comuns e populares na época. É um samba da cidade, do asfalto, urbano, de letras que são autênticas e refinadas crônicas sociais. Haroldo vale-se de sua verve jornalística para tecer bem humoradas e inteligentes análises dos costumes da sociedade brasileira em suas letras.

Na Rádio Nacional, aproveita o fácil acesso às mais recentes novidades musicais vindas do exterior para fazer versões, interpretadas principalmente por Francisco Alves. As recriações, entre elas Trolley Song, Poinciana, Malagueña, Adiós, Pampa Mia e Uno Amor, são um marco na introdução da música estrangeira na cultura brasileira, o que gera críticas de alguns compositores. O consumo de discos ainda é pequeno e poucas pessoas têm vitrolas em casa. Com o rádio, a música internacional, principalmente a norte-americana, chega aos lares brasileiros e introduz seus ritmos à juventude. Ironicamente, o primeiro sucesso do grupo Os Cariocas, Adeus América, de Haroldo Barbosa e Geraldo Jacques, é um debochado apelo ao nacionalismo musical misturando boogie-woogie com samba: “Eu digo adeus ao boogie-woogie/ Ao woogie-boogie/ E ao swing também/ Chega de hots, fox-trots e pinotes/ Que isto não me convém”.

Mas o primeiro grande sucesso é seu samba De Conversa em Conversa (parceria com o cantor Lúcio Alves) gravado por Isaura Garcia, clássico da modernidade pré bossa nova que ganha as rádios brasileiras em 1943. Dois anos depois, Barbosa já é um dos mais populares compositores da época, e durante toda a década assina sucessos consecutivos com os mais variados parceiros, como Wilson Batista (Cabo Laurindo), Janet de Almeida (Eu Quero um Samba), Maria Grever (Te Quero, Disseste) e Geraldo Jacques (Tim Tim por Tim Tim). Porém, é só com 20 anos de carreira que encontra o parceiro ideal, o pianista e compositor Luiz Reis. No início dos anos de 1960, a dupla lança uma série de sucessos, a maioria nas interpretações de Elizeth Cardoso, Doris Monteiro, Aracy de Almeida, Nora Ney, Maria Bethânia e Miltinho. Palhaçada, parceria da dupla, é gravada por Miltinho e mais dez cantores, em onze versões diferentes só no ano de 1961. Na letra, os autores focalizam as desventuras de um rapaz que, apesar de enganado e abandonado pela mulher, admite aceitá-la de volta.

Composta originalmente para um musical do Cassino da Urca, sua marchinha Barnabé (com Antonio Almeida) ganha repentina projeção através de Grande Otelo e Linda Batista, que a cantam em um musical do dramaturgo Chianca de Garcia, e depois pela gravação de Emilinha Borba. Os pequenos funcionários públicos passam a ser apelidados de Barnabé por conta da canção de rimas simples e fácil de ser aprendida. Barnabé retrata o servidor humilde e sempre endividado e populariza o termo depois de ter o sucesso alavancado quando uma campanha do funcionalismo público coincide com a chegada do Carnaval de 1948 e os versos da música são adaptados para a folia: “Todo mês é descontado/ Vive sempre pendurado”.

A transferência da Rádio Nacional para a Rádio Mayrink Veiga marca o início de seu envolvimento com o humorismo, quando escreve uma série de programas do gênero e lança novos talentos na década de 1950. Passa a trabalhar com muitos parceiros e criar novos sucessos, como Baião de Copacabana (Lúcio Alves), Falas de Mim (Claudionor Cruz), Mania de Conversar e Joãozinho Boa Pinta(Geraldo Jacques). Em 1957, ingressa na TV e com o parceiro Max Nunes cria os melhores programas humorísticos da televisão brasileira até os anos 1970.

O compositor Haroldo Barbosa retira dos jornais, revistas humorísticas e outras publicações especializadas, assim como de seu próprio cotidiano e dos casos que presencia nas ruas, a inspiração para a composição de seus personagens e das situações por eles vividas. A lista dos grandes intérpretes da música brasileira que gravaram suas composições é extensa, e inclui nomes como João Gilberto, Chico Buarque, Dóris Monteiro, Aracy de Almeida, Nora Ney, Maria Bethânia e Elizeth Cardoso. Já como humorista, orgulha-se de não apelar para o uso de palavras de baixo calão para fazer piada.

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CASTRO, Ruy. Chega de Saudade: a história e as histórias da bossa nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • DICIONÁRIO da TV Globo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. Vol.1: Programas de dramaturgia e entretenimento.
  • EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1982.
  • Haroldo Barbosa. In: DICIONÁRIO Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin, 2002. Disponível em: [http://www.dicionariompb.com.br/haroldo-barbosa]. Acesso em: set. 2009.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: