Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Arquimedes Memória

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1893 Brasil / Ceará / Ipu
1960 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Archimedes Memória (Ipu CE 1893 - Rio de Janeiro RJ 1960). Arquiteto e professor. Muda-se para o Rio de Janeiro, em 1911, para estudar desenho na Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Transfere-se para o curso de arquitetura, formando-se em 1917. No ano seguinte, inicia a vida profissional no Escritório Técnico Heitor de Mello, segundo o histor...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Archimedes Memória (Ipu CE 1893 - Rio de Janeiro RJ 1960). Arquiteto e professor. Muda-se para o Rio de Janeiro, em 1911, para estudar desenho na Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Transfere-se para o curso de arquitetura, formando-se em 1917. No ano seguinte, inicia a vida profissional no Escritório Técnico Heitor de Mello, segundo o historiador da arquitetura Yves Bruand, a primeira organização comercial de arquitetura no Brasil dedicada ao desenvolvimento de projetos, acompanhamento e fiscalização de obras. Com o falecimento de Heitor de Mello (1875 - 1920), de quem se torna genro, Memória assume a direção do escritório e cria, com outro membro da equipe, o Escritório Técnico Heitor de Mello, Archimedes Memória e Francisque Cuchet, arquiteto franco-suíço radicado no Rio de Janeiro. Em 1929, a sociedade é desfeita. Mantendo o prestígio que o escritório de Mello alcança no Rio de Janeiro entre 1898 e 1920, Memória permanece na direção até 1935, quando vence o concurso nacional de anteprojetos para o Ministério da Educação e Saúde - MES. Apesar de receber a premiação, seu projeto é preterido pelo ministro Gustavo Capanema (1900 - 1985), que convida, no mesmo ano, o aluno de Memória na Enba, seu estagiário entre 1919 e 1922 e opositor radical de sua arquitetura a partir de 1930, Lucio Costa (1902 - 1998), para o desenvolvimento de um novo projeto para a sede do ministério.

Memória ingressa, em 1920, no corpo docente da Enba, como professor de desenho de ornatos e elementos de arquitetura e composição de arquitetura, disciplina ministrada por Mello até esse ano, data de seu falecimento. Em 1931, Memória assume a direção da escola, substituindo Costa, cuja polêmica reforma de ensino desagrada à maioria dos professores, permanece no cargo até 1934, sendo reconduzido em 1938. É membro da Sociedade Pan-Americana de Arquitetos e da Câmara dos Quarenta, órgão máximo do Partido Integralista.

Comentário Crítico
Archimedes Memória protagoniza um dos episódios centrais da disputa entre os arquitetos acadêmicos e modernos pelo domínio da cena arquitetônica nos anos 1930 no Brasil: o concurso nacional de anteprojetos para a sede do Ministério da Educação e Saúde - MES. Arquiteto de prestígio, dono de um dos maiores escritórios de arquitetura e construção do Rio de Janeiro, Memória transita entre diferentes estilos, valendo-se da justaposição de elementos escolhidos em épocas e lugares diversos para compor seus edifícios. O período mais fértil de sua produção, de 1920 a 1929, corresponde à sociedade com o arquiteto franco-suíço Francisque Cuchet, com quem desenvolve o Palácio Tiradentes, 1921, o Palácio das Grandes Indústrias, 1922, o Jockey Club Brasileiro, 1924/1926, e a sede do Botafogo Futebol e Regatas, 1926/1928.

O Palácio Tiradentes e o Jockey Club vinculam-se de modo geral à tradição clássica, a composição da fachada principal seguindo o mesmo esquema: um corpo central destacado ladeado por dois corpos maciços realçados por esculturas e torreões. Assim como Christiano Stockler das Neves (1889 - 1982), entre outros arquitetos ecléticos, Memória e Cuchet empregam novas técnicas construtivas, revestindo-as completamente para que o funcionamento mecânico da construção, considerado desagradável e artisticamente inaceitável, fique oculto. Contribuem assim para a engenharia brasileira, adotando o aço para a estrutura da cúpula de vidro do plenário do Palácio Tiradentes, o concreto armado para a estrutura principal do mesmo edifício, e essa técnica para a marquise da tribuna de honra do Jockey Club, na época considerada a maior estrutura em balanço de concreto armado da América Latina.

Em 1922, Memória e Cuchet concebem o plano urbanístico da Exposição Internacional do Centenário da Independência, 1922/1923, evento de maior destaque da arquitetura neocolonial. A maioria dos pavilhões é baseada nesse estilo, o Palácio das Grandes Indústrias, 1922, é fruto da reforma da Casa do Trem, 1762/1822, instalação militar colonial construída sobre a Fortaleza de Santiago, 1603, e o Calabouço, 1693. Na reforma, os arquitetos aplicam sobre o antigo edifício elementos definidos pelo estilo como característicos da arquitetura colonial, como o muxarabie, os painéis de azulejo e as telhas de louça, para "aformosear" o edifício "em seu próprio estilo original".1 Essa maneira de intervir em edifícios coloniais é comum entre os defensores do neocolonial, sendo adotado pelos mesmos arquitetos no Paço Imperial, no Rio de Janeiro e por Ricardo Severo (1869 - 1940) na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, São Paulo, em 1938. Na sede do Botafogo, os arquitetos adotam o estilo missões, inspirado da arquitetura colonial da América espanhola tal como fora interpretada nos Estados Unidos, com pequenas referências à arquitetura colonial portuguesa.

Nos anos 1930, Memória se aproxima do art déco e desenvolve obras como a Igreja de Santa Terezinha, 1935, cuja fachada principal, em planos escalonados que culminam na torre sineira, é reforçada pelos elementos decorativos. No concurso do MES, desenvolve uma variante do art déco que se aproxima do discurso nacionalista do neocolonial, o estilo marajoara. O júri, formado pelos engenheiros Eduardo Sousa Aguiar e Natal Palladini, e os arquitetos Salvador Duque Estrada Batalha e Adolpho Morales de los Rios Filho, todos defensores da arquitetura acadêmica, além do ministro Gustavo Capanema, elimina na primeira etapa do concurso 33 projetos que desrespeitam a legislação vigente, entre eles os projetos modernos apresentados por Lucio Costa (1902 - 1998), Jorge Machado Moreira (1904 - 1992), Carlos Leão (1906 - 1983) e Affonso Eduardo Reidy (1909 - 1964), que criticam na grande imprensa e em revistas especializadas a condução e o resultado do concurso.

O projeto vencedor, de Memória, é marcado pela simetria, composição em planos escalonados, contraste entre linhas horizontais e verticais, com ênfase nestas últimas, predominância de cheios sobre vazios e a utilização de elementos decorativos inspirados nos motivos geométricos da cerâmica indígena da Ilha de Marajó. O projeto, entretanto, realizado num concurso cujo objetivo é dar forma à ação civilizadora daquele ministério não entusiasma alguns membros do júri, entre eles Batalha e Palladini, que o consideram inadequado para o programa a que se destina. Capanema, por sua vez, decepcionado com o resultado encomenda pareceres sobre o projeto ao ministro Maurício Nabuco (1881 - 1979), ao engenheiro Fernando Saturnino de Brito (1914 - 196-) e ao inspetor de engenharia sanitária do MES, Domingos da Silva Cunha, que também o desaprovam. Fundamentado nesses pareceres, Capanema paga a premiação a Memória e solicita uma autorização ao presidente Getúlio Vargas (1882 - 1954) para contratar Lucio Costa para o desenvolvimento de um novo projeto, que é realizado por Carlos Leão, Reidy, Jorge Moreira, Ernani Vasconcellos (1909 - 1988) e Oscar Niemeyer (1907 - 2012), com a colaboração de Le Corbusier (1887 - 1965). Diante dessa reviravolta, Memória escreve, em vão, uma carta ao presidente Vargas, acusando de comunistas esse arquitetos, que afinal conseguem vincular suas propostas ao governo, naquele que é o principal responsável por traçar as novas diretrizes culturais da nação, o Ministério da Educação e Saúde.

 

Nota
1 ROCHA-PEIXOTO, Gustavo. O ecletismo e seus contemporâneos na arquitetura do Rio de Janeiro. In: CZAJKOWSKI, Jorge (org.). Guia da arquitetura eclética no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro de Arquitetura e Urbanismo, 2000. p. 16.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.
  • CAVALCANTI, Lauro. Moderno e brasileiro: história de uma nova linguagem na arquitetura (1930 -1960). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. 246p. Il. P&b.
  • CONDE, Luiz Paulo e ALMADA, Mauro. Panorama do Art Decó na arquitetura e no urbanismo do Rio de Janeiro. In: Guia da arquitetura Art Decó no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Urbanismo, 1997. 123p., il. p&b.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). IC R703.0981 C376d v.3 pt. 2
  • ROCHA-PEIXOTO, Gustavo. O ecletismo e seus contemporâneos na arquiteutra do Rio de Janeiro. In: CZAJKOWSKI, Jorge (org.). Guia da arquitetura eclética no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro de Arquitetura e Urbanismo, 2000. 216p., il p&b.
  • TERRA, Alcione. Heitor de Mello: trajetória e contribuição profissional na cidade do Rio de Janeiro no período da Primeira República. 2004. 253f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) - Programa de Pós-Graduação em Arquitetura da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2004.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: