Artigo da seção pessoas Cláudia Roquete-Pinto

Cláudia Roquete-Pinto

Artigo da seção pessoas
Literatura  
Data de nascimento deCláudia Roquete-Pinto: 01-08-1963 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Claudia Roquette-Pinto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1963). Poeta e tradutora. Ingressa no curso de letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RJ e gradua-se bacharel em tradução literária. Pelo período de cinco anos dirige o jornal cultural Verve, criado na PUC/RJ. Publica, em 1991, seu primeiro livro de poemas, Os Dias Gagos. Em 2005, lança Margem de Manobra, obra na qual a escritora se apropria de trechos alheios, recriando-os e fundindo-os aos seus próprios, em poemas que refletem sobre a relação entre o sonho e a violência do mundo. Sua poesia caracteriza-se pela reflexão e tentativa de superação das diferenças de gênero na literatura, assim como por um processo de criação baseado nas estruturas constituintes da flor, somando complexidade e extrema delicadeza. Seus poemas integram diversas antologias nacionais e internacionais, dedicadas à produção poética brasileira.

Outras informações de Cláudia Roquete-Pinto:

  • Outros nomes
    • Claudia Roquette Pinto
    • Claudia Roquete-Pinto
  • Habilidades
    • Poeta
    • escritora

Midias (1)

Claudia Roquette-Pinto - Enciclopédia Itaú Cultural
Formada em tradução literária pela Pontifícia Universidade do Rio, a carioca Claudia Roquette-Pinto diz que escreve poesia mesmo quando ainda não sabia que o estava fazendo. “Desde pequena, tenho uma relação íntima com as palavras. Brincava com elas como se fossem algo que estivesse ao alcance da minha mão. Acho que é um dom mesmo”, acredita. Ela afirma que sua poesia tem uma preocupação com o processo de escrever. “Num certo sentido, ela é sempre um metapoema.” Para Claudia, poesia boa é aquela em que a forma se adequa ao conteúdo. “Isso é o que dá o rasgo na percepção de quem está lendo. Não é se preocupar com a forma ou o conteúdo. Uma coisa não vive sem a outra.” A escritora considera uma prisão colocar a poesia em nichos como feminina ou gay ou étnica. “Claro que existe uma minoria porque a mulher não teve acesso à alfabetização, ao voto, direitos que foram conquistados… Mas é uma questão de tempo até que esse número se equipare.”

Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carol Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Eventos relacionados (2)

Fontes de pesquisa (2)

  • COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico de escritoras brasileiras. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

     
  • PINTO, Manuel da Costa. Antologia comentada da poesia brasileira do século 21. São Paulo: Publifolha, 2006.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CLÁUDIA Roquete-Pinto. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa406184/claudia-roquete-pinto>. Acesso em: 20 de Jan. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7