Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Ivana Arruda Leite

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.01.2021
28.05.1951 Brasil / São Paulo / Araçatuba
Ivana Arruda Leite (Araçatuba, São Paulo, 1951). Escritora. Em sua obra predominam os contos, microcontos e a literatura infantil, com incursões pelo romance. A temática da vida urbana perpassa a obra de Ivana, por meio da perspectiva individual de suas protagonistas.

Texto

Abrir módulo

Ivana Arruda Leite (Araçatuba, São Paulo, 1951). Escritora. Em sua obra predominam os contos, microcontos e a literatura infantil, com incursões pelo romance. A temática da vida urbana perpassa a obra de Ivana, por meio da perspectiva individual de suas protagonistas.

Antes de publicar seu primeiro livro, Ivana atua por cerca de três décadas como bancária e depois como socióloga concursada da Secretaria de Bem-estar Social da Prefeitura de São Paulo. Segue o trabalho de escrita literária paralelamente às outras atividades profissionais e à pesquisa acadêmica. Em 1999, a autora conclui o mestrado em sociologia na Universidade de São Paulo (USP).

Ivana estreia na literatura com o livro de contos Histórias da Mulher do Fim do Século (1997) por uma editora de pequeno porte, e seu primeiro livro não alcança projeção nacional. O escritor Marcelino Freire (1967) reconhece nos manuscritos inéditos de Ivana o potencial de publicação em maior escala e facilita o encontro da autora com uma editora de maior porte. Com o segundo livro de contos, Falo de Mulher (2002), Ivana é reconhecida pelo grande público.

Embora publique seu primeiro livro tardiamente, a autora escreve desde os 14 anos, de forma que a boa recepção de Falo de Mulher propicia a publicação de um amplo material inédito do arquivo da autora. Em 2003, é incluída na antologia Geração 90: os Transgressores, organizada pelo escritor Nelson de Oliveira (1966). No ano seguinte, 2004, Ivana assina a coluna Mulher na Revista da Folha, do jornal Folha de S.Paulo.

O livro Ao Homem que Não Me Quis (2005) é finalista no Prêmio Jabuti e traz 15 microcontos e três contos. Nessas narrativas curtas, as mulheres são representadas de forma intimista, com seus dilemas e sua força transformadora.

O primeiro romance de Ivana é Hotel Novo Mundo (2009), selecionado pelo Programa Petrobras Cultural. O tempo presente da narrativa se passa no decorrer de sete dias, com incursões de relatos sobre o passado. Renata, a protagonista, é uma mulher recém-chegada a São Paulo, após abandonar sua casa e seu casamento no Rio de Janeiro.

Renata se hospeda no hotel Novo Mundo, um hotel barato localizado no centro de São Paulo, onde sua história se cruza com a de outros personagens marginalizados em busca de esperança, abrigo ou redenção. A narrativa acompanha a trajetória de reconstrução da protagonista, uma ex-prostituta que se casa com um homem rico e larga tudo para tentar algo diferente.

O romance Alameda Santos (2011) é composto de nove capítulos, cada um dos quais representa um ano do período entre 1984 e 1992, contado pela perspectiva da narradora-protagonista, cujo nome não conhecemos. O dispositivo narrativo do romance consiste na transcrição das fitas que a protagonista grava anualmente entre o Natal e o Réveillon, em que ela relembra os acontecimentos daquele ano. Segundo a autora, é seu livro de maior cunho autobiográfico. O tempo histórico da narrativa transparece nas referências à situação política do Brasil e ao cenário cultural, com músicas marcantes e eventos que transformam a sociabilidade daquela geração, como a eclosão da pandemia do vírus da Aids.

A narradora-protagonista tem o sonho de se tornar escritora e fala dirigindo-se a uma plateia imaginária, que são seus possíveis leitores. A oralidade é marcante no romance, justificada pelo recurso das fitas cassetes gravadas. Os assuntos abordados perpassam as temáticas daquela época, como a inflação e a fragilidade da democracia: um regime político de transição entre a ditadura civil-militar brasileira e a eleição direta para presidente.

Em 2014, Ivana inicia o projeto literário A Cozinha da Doidivana, no Sesc Ipiranga, em São Paulo. Em cada um dos encontros mensais do projeto, ela recebe um autor diferente para uma conversa aberta ao público e para a degustação de um prato preparado pela escritora, inspirado na história literária do convidado.

Breve Passeio pela História do Homem (2017) é seu terceiro romance. Lena, a protagonista da história, é uma mulher aposentada de 65 anos que dedica seu tempo frequentando cursos livres sobre temas diversos. No livro, estão presentes fragmentos de aulas da professora Raquel sobre a formação da civilização contemporânea, intercalados por ficções curtas que representam passagens históricas de forma satírica.

Na literatura de Ivana Arruda Leite, o contexto sociopolítico e histórico se manifesta por meio das experiências individuais das protagonistas. Músicas, diálogos e eventos apresentam o panorama cultural de cada época, com seus costumes e valores, e o ponto de vista das mulheres protagonistas traz força e inconformidade à narrativa da escritora.

Debates 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Ivana Arruda Leite - Enciclopédia Itaú Cultural
Na infância, Ivana Arruda Leite se alimenta da obra de Monteiro Lobato. Na adolescência, na São Paulo da década de 1970, é estimulada pela literatura formal e também pelas editorias jornalísticas, passando a escrever “loucamente” seus contos de temática urbana e feminina tendo a Rua Augusta como pano de fundo. Apesar de redigir, editar e diagramar seus textos para enviar às editoras no anseio de ter um livro publicado, só tem seu sonho realizado aos 50 anos, quando é apresentada ao escritor Marcelino Freire. Conhecida por abordar temas femininos em suas narrativas, Ivana explica que sua mulher não é de “chororô” e/ou submissa, tampouco é feminista. “Falo pela mulher brava, possuída por um ódio, que vai à luta e dá a volta por cima”, analisa. Sua narrativa também compreende o mercado infantil e infanto-juvenil: “O meu barato é contar histórias. Quero despertar o encantamento nos meus leitores”, conclui.

Realização: Gasolina Filmes
Entrevista: Gabriel Carneiro
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: