Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Raul Roulien

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.01.2020
08.10.1905 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
08.09.2000 Brasil / São Paulo / São Paulo
Raul Entini Pepe Acolti Gil (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1905 – São Paulo, São Paulo, 2000). Ator, cantor, diretor de cinema, teatro e televisão. Filho de maestro, Raul Pepe começa a cantar ainda criança, ao lado dos irmãos, e torna-se astro mirim do vaudeville, gênero teatral de variedades, apresentando-se até para o presidente Rodrigues Al...

Texto

Abrir módulo

Raul Entini Pepe Acolti Gil (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1905 – São Paulo, São Paulo, 2000). Ator, cantor, diretor de cinema, teatro e televisão. Filho de maestro, Raul Pepe começa a cantar ainda criança, ao lado dos irmãos, e torna-se astro mirim do vaudeville, gênero teatral de variedades, apresentando-se até para o presidente Rodrigues Alves. Após uma excursão pelo cone sul, muda seu nome para Raul Roulien e faz sucesso em Buenos Aires como cantor de tangos e sambas. No Rio de fins dos anos 1920, forma uma companhia de revistas teatrais e grava uma série de discos. Consagrado como o “galã das normalistas”, Roulien decide tentar a sorte em Hollywood. Ali, torna-se um dos mais requisitados latin lovers do cinema americano, participando de filmes como Delicius (1931), Flying Down To Rio (1933) e The World Moves On (1934), este último sob a direção de John Ford.

Volta ao Rio de Janeiro em 1935, depois da morte de sua esposa Diva Tosca (1909-1933). No Brasil, Roulien decide-se pela carreira de diretor. Mantém por cerca de duas décadas uma companhia teatral, que lança atrizes como Cacilda Becker (1921-1969), e realiza três filmes de ficção: O Grito da Mocidade (1936), Aves Sem Ninho (1939) e Jangada (1949), este perdido num incêndio antes mesmo da sua estréia. Nas décadas de 1950 e 1960, dirige teleteatros na TV Cultura, então parte dos Diários Associados. Acalenta até o fim de sua vida um último projeto nunca filmado: uma cinebiografia de Oswaldo Cruz (1872-1917).

Análise

Quando Raul Roulien, vindo de Hollywood, retorna ao país decidido a dirigir filmes, há uma expectativa da crítica nacional, confirmaa po seus primeiros filmes. Tanto Grito da Mocidade quanto Aves sem Ninho representam um notável ganho para a cinematografia brasileira que mal havia entrado, tecnicamente, na era do cinema falado. Como se diz na época, os filmes de Roulien parecem fitas americanas feitas no Brasil.

Ele tem o sonho de todo diretor nacional de então: filmar uma superprodução capaz de mostrar uma imagem deslumbrante do país para o exterior. Jangada é um épico sobre o alvorecer do movimento pela libertação dos escravos, com centenas de figurantes, roteiro de Raquel de Queiroz (1910-2003) e parceria com distribuidores internacionais. Com as filmagens já adiantadas, todo o negativo do filme acaba queimado num incêndio. Mais de dez anos depois, em 1961, Roulien finalmente realiza um filme épico ao adaptar para as telas o romance “A Muralha” (1954), de Dinah Silveira de Queiroz (1911-1982). Uma produção para a TV Cultura, em outras proporções. O sonho de forjar uma imagem grandiosa de seu país acompanha-o até os últimos dias em forma de um projeto sobre a vida do médico sanitarista Oswaldo Cruz. 

Espetáculos 20

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • A SCENA Muda, n. 1050, 6 maio 1941.
  • A SCENA Muda, n. 1055, 10 jun. 1941.
  • FLÓRIDO, Eduardo Giffoni. As grandes personagens da história do cinema brasileiro: 1930 – 1959. Rio de Janeiro: Fraiha, 1999.
  • INSTITUTO Cravo Albin. Raul Roulien. In: DICIONÁRIO Cravo Albin da Música Popular Brasileira, Rio de Janeiro. Disponível em: http://dicionariompb.com.br/raul-roulien. Acesso em: 25 out. 2019
  • MAGALDI, Sábato; VARGAS, Maria Thereza. Cem anos de teatro em São Paulo. São Paulo: Senac, 2001.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • RAUL Roulien – um brasileiro em Hollywood. Realização: TV Sesc. Roteiro e direção de Dimas de Oliveira Júnior. São Paulo, 2002. Documentário.
  • SOLOMON, Aubrey. The Fox Film Corporation, 1915 – 1935: a history and filmografy. Jefferson (NC): Mcfarland & Company, 2011.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: