Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

João Fonseca

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.03.2017
19.08.1964 Brasil / São Paulo / Santos
João Carlos Fonseca (Santos, São Paulo, 1964). Diretor e ator. Encenador versátil, busca uma teatralidade mais centrada no ator e no texto. Apropria-se de clássicos da dramaturgia aplicando a eles leitura que privilegia a irreverência e o despojamento. É diretor artístico da companhia Os Fodidos Privilegiados desde 2001, dando continuidade ao gr...

Texto

Abrir módulo

Biografia

João Carlos Fonseca (Santos, São Paulo, 1964). Diretor e ator. Encenador versátil, busca uma teatralidade mais centrada no ator e no texto. Apropria-se de clássicos da dramaturgia aplicando a eles leitura que privilegia a irreverência e o despojamento. É diretor artístico da companhia Os Fodidos Privilegiados desde 2001, dando continuidade ao grupo fundado por Antônio Abujamra (1932-2015).

Inicia a carreira no teatro amador de Santos, São Paulo. Estreia como ator, em 1983, no espetáculo Inês de Castro, com direção de Nélio Mendes. Em 1985, participa de O Noviço, de Martins Pena, em encenação de Neyde Veneziano (1944). Muda-se para São Paulo e ingressa no Centro de Pesquisa Teatral (CPT) dirigido por Antunes Filho (1929), para um ano e meio de estudo. Integra em 1989 o elenco de O Concílio do Amor, espetáculo de Gabriel Villela (1958) com o grupo Boi Voador, que permanece em cartaz por dois anos.

Fixa residência no Rio de Janeiro em 1992, ao aceitar um convite para compor o elenco de Colombo, peça na qual atua ao lado de Rubens Corrêa (1931-1996). Em 1994, participa de Lago 22, dirigida por Jorge Takla (1951), e da montagem de A Tempestade do grupo Armazém Companhia de Teatro, com quem viaja pelo Brasil.

Seu primeiro contato com Os Fodidos Privilegiados se dá em 1995, quando Antônio Abujamra convoca atores para o espetáculo Exorbitâncias, uma Farândula Teatral, trabalho com mais de 50 atores de trechos da obra de diversos autores. Para a montagem seguinte, a companhia parte para a teatralização de romances de Nelson Rodrigues (1912-1980), e os atores são encorajados a adaptar pequenas cenas. Em 1996, a companhia apresenta O que É Bom em Segredo É Melhor em Público, do qual Fonseca participa como ator. Paralelamente, João Fonseca propõe uma adaptação do romance O Casamento, que estreia no Festival de Curitiba em 1997, uma codireção com Abujamra, e ganham o Prêmio Shell pela direção. O espetáculo é um grande sucesso de público, e viaja pelo Brasil e exterior.

Sobre a peça, Macksen Luiz (1945) comenta: "Já em O Casamento, uma adaptação do romance de Nelson Rodrigues, em cena no Teatro Dulcina, o grupo empresta um tom de panfleto erótico a uma história tragicômica. [...] O espetáculo segue a linha dos últimos espetáculos do grupo Privilegiados. Com um grande elenco - são dezenas de atores em cena - os diretores criam uma movimentação coreográfica que distribui no palco a massa de atores, compondo um cenário humano. [...] O Casamento não chega a ser tragicômico, mas uma sucessão de cenas em que se está sempre perseguindo um efeito de impacto (gestos expandidos, palavras gritadas, imagens vulgares)"1.

A parceria na direção estende-se por outros espetáculos do grupo: em 1998, Fonseca e Abujamra dirigem Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna (1927-2014), e A Resistível Ascensão de Arturo Ui, de Bertolt Brecht (1898-1956). No ano seguinte, em colaboração com Terry O'Reilly, Fonseca dirige Tudo no Timing, de David Ives. Ganham o Prêmio Ibeu pela direção, sobre a qual a crítica ressalta: "A dupla [...] sustenta montagem que mantém tom leve e que não cai em fórmulas experimentalistas, preferindo construir-se de maneira a que sobressaiam a aplicação de técnicas teatrais e o humor fluente, que só em alguns momentos fica um pouco sublinhado demais por contrafacções faciais e exageros corporais"2.

Em 2001, com a saída de Abujamra, Fonseca passa a ser o diretor artístico dos Fodidos Privilegiados, e monta Os Libertinos, peça que reúne dois textos de William Shakespeare, Tróilo e Créssida e Tímon de Atenas. Para o segundo espetáculo, promove uma atualização da tragédia, ambientando-a no mundo da moda contemporâneo, com música pop e um coro de drag queens.

No ano seguinte, a companhia é obrigada a abandonar o Teatro Dulcina, sua sede desde 1991. Dão continuidade ao trabalho em grupo, mesmo sem apoio. Fonseca dirige A Fonte dos Santos, peça de J. M. Synge, em 2002, e O Casamento do Pequeno Burguês, de Brecht e Kurt Weill, em 2003. Dois anos depois,  monta O Carioca, de Artur Azevedo, alternando cenas da peça com pequenos esquetes contemporâneos, inspirados nas revistas de ano do autor, e estreia Édipo Unplugged, apropriação do texto de Sófocles que prima pelo despojamento. "A extrema simplicidade da montagem, que dispõe unicamente dos atores para concretizar a tragédia, faz deste teatro de câmara uma honesta versão do texto de Sófocles. Édipo Unplugged permite que se 'ouça' o texto, que o espectador seja conduzido pela audição da tragédia, mais do que pelo corpo da encenação"3, comenta  Macksen Luiz.

A partir de 2005, dirige projetos fora da companhia. Nesse ano, monta O Jogo, de Mariela Romero, e Esses Anos Estúpidos e Perigosos, de George F. Walker, ambas produções com elenco menos numeroso. Em 2006, dirige A Ratoeira, de Agatha Christie (1890-1976), e Minha Mãe É uma Peça, monólogo cômico do ator Paulo Gustavo, sucessos de público que põem em evidência a figura do diretor.

Ainda em 2006, comemora os 15 anos dos Fodidos Privilegiados com Escravas do Amor, nova adaptação da obra romanesca de Nelson Rodrigues. A crítica Barbara Heliodora (1923-2015) afirma: "O grande segredo da adaptação é justamente o da cuidadosa preservação da forma da crônica, pois as pequenas frases narrativas e, melhor ainda, as que definem emoções e reações dos personagens formam um espetáculo coeso em estilo e conteúdo. Isso quer dizer, é claro, que o público é brindado com a fantástica mescla de exagero emocional, distanciamento crítico e cafonice generalizada que Nelson explorou tão bem para retratar a classe média da Zona Norte de seu tempo. [...] E a direção de João Fonseca é ótima: a presença em cena de todo o elenco é justificada pelas marcas, e os exageros perfeitamente comedidos e funcionais estão em sintonia exata com o texto, com tom e ritmo sendo rigorosamente mantidos ao longo de todo o espetáculo"4.

Em anos posteriores, dirige uma série de montagens independentes da companhia. Em Pão com Mortadela, continua o trabalho de adaptação de narrativas literárias para o palco, com base em romance de Charles Bukowski. Sua versão do musical Gota d'Água, de Chico Buarque (1944) e Paulo Pontes (1940-1976), alcança grande êxito de público. Segundo Lionel Fischer, a dinâmica cênica desse espetáculo, "apoiada em poucos elementos cenográficos, consegue ressaltar toda a beleza e dramaticidade da obra"5.

Notas

1 LUIZ, Macksen. Uma adaptação que não atinge seus objetivos. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 abr. 1997.

2 _____________. Mudanças na relação cênica. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 ago. 1999.

3 _____________. Uma honesta versão de Sófocles. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 4 dez. 2004.

4 HELIODORA, Barbara. Adaptação saborosa das crônicas de Suzana. O Globo, Rio de Janeiro, 27 abr. 2006.

5 FISCHER, Lionel. Obra prima em versão irretocável. Tribuna da imprensa, Rio de Janeiro, 13 dez. 2007.

Espetáculos 69

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • CANALTEATRO. Disponível em: < http://www.canalteatro.com.br/info_peca.php?cod_pecas=530 >. Acesso em :10 de agosto de 2011. Não catalogado
  • FISCHER, Lionel. Obra prima em versão irretocável. Tribuna da imprensa, Rio de Janeiro, 13 dez. 2007.
  • HELIODORA, Barbara. Adaptação saborosa das crônicas de Suzana. O Globo, Rio de Janeiro, 27 abr. 2006.
  • LUIZ, Macksen. Mudanças na relação cênica. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 ago. 1999.
  • LUIZ, Macksen. Uma adaptação que não atinge seus objetivos. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 abr. 1997.
  • LUIZ, Macksen. Uma honesta versão de Sófocles. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 4 dez. 2004.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - As Bruxas de Salem - 2003. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Um Certo Van Gogh - 2008. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo: Jantar Entre Amigos Pequenos Terremotos - 2001. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: