Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Luiz Damasceno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1941 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Damasceno muda-se para São Paulo em 1970. Integra, em 1972, o elenco de Missa Leiga, de Chico de Assis, com direção de Ademar Guerra e produção de Ruth Escobar, espetáculo que se destaca no período da ditadura militar. No ano seguinte, viaja com essa montagem para Lisboa e Luanda, e atua em Godspell, dirigido por Altair Lima. Participa da montag...

Texto

Abrir módulo
Biografia
Luiz Roberto Damasceno (Porto Alegre RS 1941). Ator e diretor. Forma-se, em 1967, no Curso de Arte Dramática da Universidade do Rio Grande do Sul - CAD/URGS, atual Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. É um dos principais atores da Companhia de Ópera Seca, dirigida por Gerald Thomas, com quem trabalha de 1986 a 1999.

Damasceno muda-se para São Paulo em 1970. Integra, em 1972, o elenco de Missa Leiga, de Chico de Assis, com direção de Ademar Guerra e produção de Ruth Escobar, espetáculo que se destaca no período da ditadura militar. No ano seguinte, viaja com essa montagem para Lisboa e Luanda, e atua em Godspell, dirigido por Altair Lima. Participa da montagem de Allegro Ma Non Troppo, texto elaborado por Célia Gouveia e Maurice Vaneau, em 1975, e de Carmem com Filtro, seu primeiro trabalho com o diretor Gerald Thomas, em 1986.

Nesse ano, Damasceno participa, ao lado das atrizes Bete Coelho e Magali Biff, da formação da Companhia de Ópera Seca, dirigida por Gerald Thomas. Em 1988, interpreta Gregor Samsa, personagem central de Uma Metamorfose, um dos espetáculos da Trilogia Kafka - composta ainda por Um Processo e Praga -, realizada pela companhia e baseada nos romances do escritor tcheco Franz Kafka. A trilogia estreia em São Paulo e faz temporada também no La MaMa, em Nova York. É apresentada como a principal atração do Wiener Festwochen, em Viena, e transmitida na íntegra pela ORF, TV estatal da Áustria. De acordo com o diretor da companhia, a trilogia "pretendia reativar visualmente a alegoria, a caricatura, o quase-cartum da literatura de Kafka".1 O texto narra a história de Gregor Samsa, que, certo dia, para desespero da família, acorda transformado em um inseto. A pesquisadora Sílvia Fernandes observa: "A opressão em Uma Metamorfose era narrada a partir do chão, onde se contorcia a personagem de Gregor Samsa, representada por Luiz Damasceno. A extrema flexibilidade do ator facilitava a execução do repertório de torções a que ele tinha que se submeter, entre ataduras e rastejamentos limitados ao cubo de dois metros quadrados".2

Para Damasceno, a exigência formal da escrita cênica de Thomas se constitui em um desafio e, ao mesmo tempo, em uma possibilidade de aquisição de novos potenciais de criação artística: a necessidade de compreensão da estrutura psicológica para a criação do ator vê-se substituída por um domínio artístico que permite a elaboração de personagens que agem, muitas vezes, sem um caminho psicológico claro e previamente definido. No programa da Trilogia Kafka consta um depoimento do ator acerca desse modo de representação e das dificuldades encontradas: "Antes [...] eu não conseguia trabalhar sem uma história, uma imagem, uma visualização em torno da personagem. Agora, com um trabalho muscular posso chegar a uma sensação, e o resultado é o mesmo de antes. Chorar ou rir em poucos segundos pode ser também uma questão de domínio muscular".3

Gerald Thomas concebe o espetáculo Nowhere Man, especialmente para Damasceno, em 1996. Essa produção viaja por vários países, terminando em Zagreb, na Croácia. Uma versão unplugged da peça é criada em 1999, o que abre novos caminhos para as pesquisas dos atores da companhia: todos os elementos do palco - quantidade enorme de luzes, grandes cenários etc. - são reduzidos apenas a figurinos de ensaio e a uma quantidade mínima de acessórios.

Nowhere Man, assim como outras criações de Thomas, apresenta uma história sem encadeamento rigoroso da trama. A enunciação múltipla aparece através das referências à trajetória de Fausto, aos autores James Joyce, Bernard Shaw, entre outros, fornecendo novas camadas de significação para a cena. A personagem principal, representada por Damasceno e que aos poucos revela suas mazelas ao público, é um artista de "lugar nenhum", lançado em um ambiente que lembra a devastação de um pós-guerra. Trata-se de um jogo pautado pela acuidade da concepção formal e que busca também incorporar à encenação a participação do intérprete como artista criador. Gerald Thomas complementa: "Nowhere Man não foi somente escrito para ele, e sim concebido para que ele, com a soma total desses dez anos de matrimônio, fizesse acontecer no palco uma versão bem mais humorada de um outro matrimônio, esse certamente mais complexo e mais místico, mais atemporal e mais clássico, entre Fausto e Mephisto".5

Em 1998, atua em Cão Andaluz, também dirigido por Thomas, espetáculo integrante do projeto Lorca na Rua, do Serviço Social do Comércio de São Paulo - Sesc/SP, que homenageia Federico García Lorca em seu 100º aniversário. Damasceno é o protagonista dessa encenação, montada sobre a carroceria de um caminhão e apresentada nas ruas de algumas cidades de São Paulo.

O ator trabalha com diretores como Sérgio Ferrara, Luiz Arthur Nunes, Felipe Hirsch, Bete Coelho e Vladimir Capella, a partir de 1998. Recebe o Prêmio Shell em 2005, por sua atuação em O Mercador de Veneza, de William Shakespeare, dirigido por Ferrara.

Na televisão integra o elenco dos programas Esse Ovo É um Galo e Projeto Telescola, da Rede Cultura, e das séries Amazônia, Minha Nada Mole Vida e Hoje É Dia de Maria, da Rede Globo. No cinema atua em Boleiros 2, direção de Ugo Giorgetti; Dois Córregos: Verdades Submersas no Tempo, direção de Carlos Reichenbach; e A Árvore dos Sexos, direção de Silvio de Abreu.

Desde 1985, é professor de interpretação na Escola de Arte Dramática da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - EAD/ECA/USP. Em sala de aula, Damasceno propõe experimentações que têm como referência autores e diretores como Peter Brook, Grotowski e Pina Bausch, além das idéias desenvolvidas pelo ator e diretor russo Stanislavski, sua fonte principal de pesquisa.

É possível notar em sua trajetória, seja pela ampla participação nas propostas cênicas de Gerald Thomas, seja pela experiência adquirida com diretores diversos, a formalização de uma linguagem própria, tensionada entre a origem de sua formação stanislavskiana e a necessidade de responder às exigências postas ao trabalho do ator pelos embates artísticos contemporâneos.

A intensa convivência entre Damasceno e Thomas leva o diretor a formular as seguintes impressões acerca do caminho trilhado pelo ator: "Tendo ele muitas vezes lutado contra o meu processo de desconstrução e de racionalização quanto ao resultado, acabou sendo obrigado a formalizar sua oposição, concretizando assim aspectos da interpretação que não necessariamente atravessariam seu caminho, tivesse ele seguido a trilha normal da 'construção de personagem' ".6

Notas
1. FERNANDES, Silvia. Memória e invenção: Gerald Thomas em cena. Perspectiva, 1996, p.21.

2. Idem. p.26.

3. PEREIRA, Edmar. Os atores: um equilíbrio de semelhanças e diferenças. Programa da Trilogia Kafka, 1988. In: FERNANDES, Silvia. Op. cit. p.26.

4. THOMAS, Gerald. Folha de S.Paulo, 6 out. 1999.

5. ___________. Programa da peça Nowhere man. Sesc, São Paulo, 1996.

6. Idem.

Espetáculos 61

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • FERNANDES, Silvia. Memória e invenção: Gerald Thomas em cena. Perspectiva, 1996.
  • LULU. São Paulo: Teatro Sesc Anchieta, 1974. 1 programa do espetáculo. Não catalogado
  • MISSA Leiga. São Paulo: Fábrica da Lacta, 1972. 1 programa do espetáculo. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Aldeia Antigone - 1982. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Allegro Ma Non Troppo - 1975. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Asfaltaram a Terra - 2006. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Carmem com Filtro - 1986. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Marat-Sade - 1979. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - O Império das Meias Verdades - 1993. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Um Circo de Rins e Fígados - 2005. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo: A Louca de Chaillot, 2006. Não catalogado
  • Programa do espetáculo - Educação Sentimental de Um Vampiro, 2007. Não catalogado
  • Programa do espetáculo -Dois Irmãos. Não catalogado
  • THOMAS, Gerald. Folha de S.Paulo, 6 out 1999. Ilustrada.
  • ______. Programa da peça Nowhere man. SESC. São Paulo, 1996.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: