Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Dionísio Azevedo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.01.2021
04.04.1922 Brasil / Minas Gerais / Conceição da Aparecida
11.12.1994 Brasil / Minas Gerais / Conceição da Aparecida
Taufik Jacob (Conceição da Aparecida, Minas Gerais, 1922 – São Paulo, São Paulo, 1994). Ator, roteirista e diretor. À frente de momentos definidores do rádio, do teatro, da TV e do cinema no Brasil, Dionísio Azevedo desempenha diversas funções na cadeia de criação. Atua em programas de rádio e de TV e, num período inicial da dramaturgia televisi...

Texto

Abrir módulo

Taufik Jacob (Conceição da Aparecida, Minas Gerais, 1922 – São Paulo, São Paulo, 1994). Ator, roteirista e diretor. À frente de momentos definidores do rádio, do teatro, da TV e do cinema no Brasil, Dionísio Azevedo desempenha diversas funções na cadeia de criação. Atua em programas de rádio e de TV e, num período inicial da dramaturgia televisiva, com encenações ao vivo, adapta diversos clássicos literários, nacionais e internacionais.

Desde criança, Dionísio frequenta matinês de cinema e sonha em se tornar ator. De acordo com seu filho Dionísio Jacob: “Sua fascinação pela arte de representar foi tão urgente que ele pensou mesmo em fugir certa vez com um circo que havia passado pela cidade. Acabou sendo detido a tempo, enquanto perambulava pela pequena estação de trem, indeciso quanto ao seu ato de coragem”1.

Nos anos 1930, a família muda-se para São Paulo em busca de melhores oportunidades de trabalho. Na capital paulista, o adolescente de 16 anos frequenta o Instituto Brasileiro de Cinema (IBC), espaço de formação profissional. Conhece o cineasta Lima Barreto (1906-1982), que se torna seu tutor. No IBC, estuda atuação, roteiro, câmera, fotografia e figurino. O aprendizado o leva a trabalhar como radioator nos anos 1940 e a adotar o nome artístico de Dionísio Azevedo, considerado mais “audiogênico” (sonoro, expressivo) que o nome de batismo2.

A partir de 1950, Dionísio se torna um dos pioneiros da ascendente televisão ao adaptar textos literários para o programa ao vivo TV de Vanguarda (1952-1967) e atuar em algumas dessas produções. Entre elas, destaca-se o teleteatro A Hora e a Vez de Augusto Matraga, originado do conto homônimo do escritor João Guimarães Rosa (1908-1967). O trabalho vai ao ar em 1953, com o ator Lima Duarte (1930) no papel do personagem principal. Além de obras brasileiras, Dionísio adapta clássicos de William Shakespeare (1564-1616), Anton Tchekhov (1860-1904) e Luigi Pirandello (1867-1936).

Dionísio encontra na literatura de Guimarães Rosa um caminho para expressar inquietações éticas e estéticas que o mobilizam no período, em especial a busca pela representação de um tipo genuinamente brasileiro. Em depoimento em 1979, fala sobre a ocasião em que se reúne com outros atores e autores do TV de Vanguarda para discutir como dar corpo e voz aos personagens. “Um dia, na minha casa, por volta de 1957, com amigos da Tupi, pegamos o ‘Sagarana’, o ‘Corpo Fechado’ e começamos a estudar aquele jeito tão mineiro, tão brasileiro de falar, e a analisar, a fazer expressão corporal (...), numa ânsia de descobrir as verdades daqueles textos: de interpretação, cenográficas, de figurinos, de gestos, numa experiência muito criativa”3.

Pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), um de seus trabalhos mais notórios é A Morte do Caixeiro Viajante (1962), encenado em São Paulo, com direção de Flávio Rangel (1934-1988). Dionísio interpreta o protagonista, o vendedor Willy Loman. A adaptação do texto do dramaturgo norte-americano Arthur Miller (1915-2005) é bem recebida por parte da imprensa local. Conforme artigo do Diário da Noite, é considerada a “mais fiel à peça, mais completa e dentro do seu verdadeiro sentido”4.

Dionísio é saudado nesse mesmo artigo como ator que “corresponde inteiramente” ao papel de Loman. Juca de Oliveira (1935), que também integra o elenco, vê a “densidade humana e a angústia lancinante” na atuação do colega5. A angústia do personagem criado por Miller encontra em Dionísio Azevedo, então com 40 anos de idade, um intérprete que comove as plateias, por sua postura e impostação de voz, elementos que o caracterizam ao longo de toda a carreira.

No cinema, Dionísio atua em dezenas de filmes e dirige alguns. Em O Pagador de Promessas (1962), interpreta o padre Olavo, personagem marcante da peça de Dias Gomes (1922-1999), que o próprio ator representa antes no teatro. No filme, dirigido por Anselmo Duarte (1920-2009), impõe forte ambiguidade em sua versão do padre. Novamente usando da voz imponente e da postura austera, imprime complexidade ao personagem, por exemplo, quando o pároco se inquieta com o som de batuques (“nesse momento vemos um padre atormentado, com um forte sentimento de perda, numa grande crise existencial”6). O Pagador de Promessas alcança repercussão mundial ao ganhar o Palma de Ouro no Festival de Cannes e ser indicado ao Oscar de filme estrangeiro.

Nos últimos anos de sua trajetória, Dionísio Azevedo dedica-se a papéis em telenovelas e fixa a imagem de patriarca delicado e cordial. Seu pioneirismo influencia várias gerações e faz dele referência na dramaturgia brasileira.

 

Notas:

1. JACOB, Dionísio. Dionísio Azevedo e Flora Geni: uma vida na arte. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010, p. 35. Disponível em: https://aplauso.imprensaoficial.com.br/edicoes/12.0.813.784/12.0.813.784.pdf.  Acesso em: 17 abr. 2020.

2. JACOB, Dionísio. Dionísio Azevedo e Flora Geni: uma vida na arte. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010, p. 24. Disponível em: https://aplauso.imprensaoficial.com.br/edicoes/12.0.813.784/12.0.813.784.pdf.  Acesso em: 17 abr. 2020.

3. JACOB, Dionísio. Dionísio Azevedo e Flora Geni: uma vida na arte. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010, p. 339. Disponível em:  https://aplauso.imprensaoficial.com.br/edicoes/12.0.813.784/12.0.813.784.pdf.  Acesso em: 17 abr. 2020.

4. PACHECO, Mattos. A morte do caixeiro viajante. Diário da Noite, São Paulo, p. 18, 20 mar. 1962. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 14 abr. 2020.

5. JACOB, Dionísio. Dionísio Azevedo e Flora Geni: uma vida na arte. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010, p. 192. Disponível em: https://aplauso.imprensaoficial.com.br/edicoes/12.0.813.784/12.0.813.784.pdf.  Acesso em: 17 abr. 2020.

6. FRESSATO, Soleni Biscouto. Duas faces da religiosidade baiana: sincretismo e intolerância – Reflexões em 'O pagador de promessas'. 1985. 9 f. Artigo – Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, 2011, p. 5. Disponível em: 
http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308073702_ARQUIVO_opagadordepromessas.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.

 

Espetáculos 11

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • Comédia no Paiol! Direita, Volver! De Lauro César Muniz. Palco e Platéia, São Paulo, ano 0, julho de 1985. Não catalogado
  • Concerto nº 1 Piano e Orquestra. São Paulo: Teatro Brigadeiro, 1976. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Brigadeiro. Não catalogado
  • DIONÍSIO AZEVEDO. Pró-TV – Associação dos Pioneiros, Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira. São Paulo. Disponível em: http://www.museudatv.com.br/biografia/dionisio-azevedo. Acesso em: 17 abr. 2020.
  • FRESSATO, Soleni Biscouto. Duas faces da religiosidade baiana: sincretismo e intolerância – Reflexões em 'O pagador de promessas'. 1985. 9 f. Artigo – Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308073702_ARQUIVO_opagadordepromessas.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.
  • JACOB, Dionísio. Dionísio Azevedo e Flora Geni: uma vida na arte. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010. 440 p. Disponível em: https://aplauso.imprensaoficial.com.br/edicoes/12.0.813.784/12.0.813.784.pdf. Acesso em: 17 abr. 2020.
  • PACHECO, Mattos. A morte do caixeiro viajante. Diário da Noite, São Paulo, p. 18, 20 mar. 1962. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 14 abr. 2020.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Boca Molhada de Paixão Calada - 1984. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Direita Volver - 1985. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Gata em Teto de Zinco Quente - 1978. Não catalogado
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000. R791.430981 E56

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: